“Os rebeldes estão lá, mas não estamos fugindo”

MARENO DI PIAVE – “Eu os rebeldes estão perto. estamos com medo. Mas não vamos desistir.” Eu sou as últimas palavras que irmã Maria De Coppi, 82 anos, ele conversou com sua cunhada Ivana na noite de terça-feira. Algumas horas depois, seu tempo um dos três cadáveres que o comando jihadista deixou para trás durante o brutal ataque à missão Chipene no norte de Moçambique. Aos parentes de Mareno di Piave (Treviso), onde se radicou quando criança e com quem manteve laços estreitos, ela não escondeu sua preocupação com os ataques cada vez mais frequentes de terroristas. Cada vez mais perto. Mas sua fé inabalável a obrigou a permanecer ali, ao lado dos menores de quem ela escolheu cuidar, levando a mensagem evangélica de esperança.


A VIDA OFERECIDA
Sua vida foi totalmente oferecida como um presente, até sua morte. Irmã Maria, originária de Santa Lucia di Piave, trabalhava em Moçambique há 59 anos. Nascida em 23 de novembro de 1939, fez os votos em 1960, aos 21 anos, ingressando na grande família das irmãs missionárias combonianas, ordem comprometida com a África desde a sua fundação. Três anos depois, pôs os pés pela primeira vez em Moçambique, ainda colônia portuguesa na época, depois de um ano passado em Portugal. “Cheguei aqui depois de ter aprendido o português e depois de uma viagem de barco que, circunavegando a África, durou 31 dias”, lembra o missionário. Três missões, todas na província de Nampula, no norte do país. “Vivi momentos fortes, diz Irmã Maria: o tempo da colônia, a guerra da independência, a guerra civil, o momento forte da paz e da reconstrução. Momentos muito fortes e bonitos, mas também difíceis”. A morte a tocou várias vezes já. Por três vezes ela se viu na mira dos guerrilheiros, sempre conseguindo escapar. Na época da guerra civil, ela havia sobrevivido a uma emboscada na qual 17 pessoas foram mortas. E depois a outros dois que marcaram indelevelmente a sua vida, momentos em que sentiu a presença de Deus, mas desta vez a emboscada terminou em martírio. E agora o seu corpo, por sua vontade expressa, vai repousar em Moçambique, a terra que agora se tornou a sua pátria.

AS ÚLTIMAS MENSAGENS
A monja sempre cultivou o vínculo com a diocese de origem, a de Vittorio Veneto. Também graças à tecnologia, vá Whatsapp manteve contato constante com o Centro Missionário Diocesano. Ele havia enviado recentemente uma mensagem de voz com um caloroso agradecimento pela ajuda que recebeu, sem esconder a sua. preocupações sobre a situação perigosa que viviam na área da missão. No entanto, manteve-se até ao fim ao lado das meninas e estudantes do seu Lar, centro missionário de Chipene que acolheu estes jovens, oferecendo-lhes educação e formação. Apesar de seus 82 anos e alguns problemas de saúde, a freira sempre esteve na linha de frente, ocupando a posição de referência para esta missão. “Era humilde, sensível, determinada”: assim a descrevem aqueles que a conheceram. “Com poucas palavras e com sua voz calma, ele fez você se sentir perto da pobreza. Foi uma grande expressão de fé e amor ao Senhor” – recorda Mariagrazia Salmaso, diretora do centro missionário diocesano. Seu último retorno à Itália há um ano. Ele queria descansar, mas o chamado de Moçambique e seus pobres era muito forte e ela voltou para a África.

A última mensagem enviada há uma semana ao pároco de Mareno, Dom Adriano Zanette, é uma voz de nove minutos em que narra seu dia entre as crianças mais pobres, aquelas que são obrigadas a até andar 10 quilômetros para recolher um balde de água. “Estou na rua ou em casa o dia todo. Ninguém tem tempo para cuidar deles. Foi bom vê-los comendo com grande apetite”. O tom é calmo, a história sincera. Os perigos de um país abalado pelo terrorismo jihadista continuam sendo uma ameaça silenciosa. “Eu confio nisso lá em cima. Avancemos unidos na oração, porque todos precisamos muito dela”. Depois de agradecer a ajuda financeira recebida de sua paróquia de origem, Irmã Maria se despede com “um grande abraço a todos, uma lembrança e meu agradecimento no Senhor”. Uma mensagem, publicada no boletim paroquial, que agora soa como uma despedida. Condolências unânimes na enlutada Marca. “Ao confiar a alma da Irmã Maria ao Senhor, penso na dor de tantas pessoas que a conheceram e estimaram; Penso na dor dos membros de sua família, das irmãs de seu instituto religioso – são as condolências do bispo de Vittorio Veneto Corrado Pizziolo -. Uma vida oferecida totalmente como dom, até a sua morte, como a da Irmã Maria, pode certamente ser uma semente fecunda de vida, esperança e amor para todas as pessoas a quem ela ofereceu o seu serviço missionário”.

Henley Maxwells

"Solucionador de problemas. Criador certificado. Guru da música. Beeraholic apaixonado."

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.