Outro Giro, outro presente: Carapaz não treme

por Ângelo Costa

Rato clássico nascido das montanhas, para marcar a primeira etapa alpina do Giro é um bônus: Jai Hindley, o desafiante oficial do favorito Carapaz, vence no final do Aprica, jogando com ele no sprint. Quatro segundos, tempo suficiente para permitir ao australiano aproximar-se da classificação com três suspiros e tornar a sua presença mais calorosa: em caso afirmativo, classifica-se no item show depois de um dia em grande altitude, com três salitões e mais de cinco mil metros de diferença de altitude, feliz quem acredita nisso.

Na pista que revela que Pantani fez história, outra história: à frente dos homens na classificação para disputar a etapa, atrás dos homens na classificação para pontuar apertado. É uma corrida de desgaste e não de força, que os dois primeiros da classe aproximam de um Landa formado “quero mas não posso”, com Almeida sempre lá para se defender com os dentes e um generoso Nibali para limitar os danos . Falaremos disso da próxima vez, sabendo que com esta passagem de montanha corremos o risco de dar o veredicto no contra-relógio de Verona, 17 quilômetros ao todo: em um Giro até agora não irresistível, não seria surpreendente.

Deve ser por isso que o pensamento do dia não é esperar Almeida: dos melhores é a classificação, é o mais forte contra o relógio. “Estava à espera de um bónus, mas vencer os portugueses faz-me bem”, disse a camisola cor-de-rosa, que por sua vez deve a sua vantagem sobre Hindley ao bónus de uma linha de chegada voadora. Diferentes sinais vêm de Nibali, que como campeão acha difícil aceitar ter perdido terreno na final. “Tentei me controlar, o ritmo da primeira acabou sendo alto. Dia após dia me sentia melhor, mas hoje paguei: talvez nas próximas etapas as dificuldades possam encontrar as outras…”, lança o siciliano. Pior do que ele, o outro velho alto, Pozzovivo, primeiro caiu em um prado e depois fugiu.

Quem não tem problemas é o tcheco Jan Hirt, que aos trinta anos se dá seu primeiro sucesso em uma grande turnê e também uma vingança pessoal: no Mortirolo, há três anos, sob o dilúvio, ele foi o único a resistir a Ciccone, que então se rendeu em uma corrida. Desta vez ele faz tudo certo, escorregando no fugone do Goletto, ficando à frente com outros seis no Mortirolo antes de pegá-los e desamarrá-los um a um no Santa Cristina. Dê um toque de sabor a um prato sem sabor.

Ordem de chegada 16ª etapa Salò-Aprica de 202 km: 1) Jan Hirt (Cec, Intermarchè) em 5h 40’45” (média 35.569), 2) Arensman (Ola) a 7”, 3) Hindley (Aus ) aos 1’24”, 4) Carapaz (Ecu) st, 5) Valverde (Spa) st, 6) Landa (Spa), 7) Kamna (Ger) aos 1’38”, 8) Almeida (Por) st , 9) Nibali aos 2’06”, 12) Pozzovivo aos 4’11”.

Ranking: 1) Richard Carapaz (Ecu, Ineos) aos 68h 49’06”, 2) Hindley (Aus) aos 3”, 3) Almeida (Por) aos 44”, 4) Landa (Spa) aos 59′ ‘, 5) Nibali a 3’40”, 6) Pozzovivo a 3’48”, 7) Bilbao (Spa) a 3’51”, 8) Buchmann (Todos) a 4’45”, 9) Hirt (Cec) aos 7’42”, 10) Valverde (Spa) aos 9’04”, 17) Fortunato aos 27’20”.

Cooper Averille

"Praticante de cerveja incurável. Desbravador total da web. Empreendedor geral. Ninja do álcool sutilmente encantador. Defensor dedicado do twitter."

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.