Pacto de estabilidade: Lindner, já flexível, a dívida deve ser reduzida – Política

Energia cara e inflação em alta, a revisão do Pacto de Estabilidade, o processo de ratificação do Mes e a união bancária: os trabalhos do Eurogrupo convocados para hoje recomeçam a partir daqui, por ocasião da primeira reunião de 2022 em Bruxelas sob a presidência do Ministro das Finanças irlandês Paschal Danohoe.
A reunião – que será seguida na terça-feira pelo Conselho de 27 ministros das Finanças da UE, Ecofin – caracteriza-se pela entrada em funções de 4 ministros (Alemanha, Holanda, Áustria e Luxemburgo) e é uma oportunidade para analisar a evolução da situação económica recuperação à luz da nova onda de infecções que a Europa está tentando enfrentar controlando seu impacto nas atividades de produção. Espera-se que o ministro da Economia, Daniele Franco, participe de ambas as reuniões em Bruxelas. Entre outras coisas, ele deve fazer um balanço do fracasso da Itália em ratificar o Mes (uma questão politicamente divisiva devido à posição crítica do M5S e da Lega). Alemanha, França e Portugal também estão ausentes. Em Paris e Lisboa, no entanto, as ratificações estão em andamento, enquanto para concluir o procedimento, Berlim deve aguardar a decisão do Tribunal Constitucional de Kharlsruhe, que chegará dentro de alguns meses.

A ratificação do Mes, recordam fontes em Bruxelas, não é uma conquista em si, mas é de particular importância para a criação deste revezamento para a resolução de crises, essencial para avançar no caminho da união bancária. Na mesa dos ministros, encontramos novamente a questão da inflação. Impulsionada pela energia cara, a evolução dos preços no consumidor na zona euro registou uma subida de 5% em dezembro (estimativa ainda não definitiva), o nível mais elevado dos últimos 25 anos. E mesmo que muitos, incluindo o BCE, continuem a considerar este aumento como temporário, crescem os temores sobre o impacto que o fenômeno pode ter nas taxas de juros e nos bolsos dos cidadãos. E, à medida que a implementação dos PNR nacionais avança sem grandes problemas (pelo menos nesta fase e para além dos acórdãos impostos à Hungria e à Polónia), os ministros têm a oportunidade de fazer uma nova discussão sobre a revisão do Pacto de Estabilidade e Crescimento.

“Precisamos de regras comuns, não pode haver uma zona euro se não houver regras respeitadas por todos. Mas o crescimento vem antes da estabilidade: o crescimento sustentável e justo é essencial para os cidadãos europeus”. Assim, o Ministro das Finanças francês, Bruno O prefeito, referindo-se à reforma do pacto de estabilidade perante o Eurogrupo. “Devemos interrogar-nos sobre os investimentos necessários para promover o crescimento e a transição verde, e cada Estado deve comprometer-se a respeitar as regras para garantir um crescimento sustentável e preservar a unidade da zona euro”, disse. ser “construtivo”.

“O Pacto de Estabilidade mostrou-se flexível durante a crise, agora é a hora de criar espaço nos orçamentos para também tornar o setor público resiliente”, disse o ministro das Finanças alemão, Christian Lindner, chegando ao seu primeiro Eurogrupo em Bruxelas. “Sou muito a favor de uma redução da dívida pública, também é importante que a União Bancária resolva a ligação entre os bancos e a dívida soberana”, explicou, sublinhando que a Alemanha está “aberta ao progresso, mas é preciso um equilíbrio inteligente encontrado entre dívida e investimentos”.

“Dívida é dívida, não há dúvida disso. E é por isso que estamos comprometidos em voltar a regras orçamentárias mais rígidas quando a crise acabar. É muito importante criar espaço de “manobra” para outras crises”, disse. . Ministro das Finanças austríaco Magnus Brunner, chegando ao seu primeiro Eurogrupo. O ministro sublinhou que Viena apoia fortemente o regresso a uma política financeira séria e sólida na Europa, na esteira do que tem sido feito a nível nacional.

“Estou preocupado com a inflação? Obviamente que sim. Porque o poder de compra dos cidadãos será afetado e o aumento contínuo dos preços da energia afeta diretamente o poder de compra”, disse a ministra das Finanças holandesa, Sigrid. Kaagque enfatizou que cabe aos ministros das finanças da zona do euro abordar a questão “olhar além” da contingência do momento.

Cooper Averille

"Praticante de cerveja incurável. Desbravador total da web. Empreendedor geral. Ninja do álcool sutilmente encantador. Defensor dedicado do twitter."

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.