Palermo. O trabalho da Conferência Nacional Fijet sobre a “Dieta Mediterrânea da UNESCO” terminou

Com a intervenção de Roberto Lagalla, ex-reitor da Universidade de Palermo e assessor de saúde e educação pública e formação, o trabalho da Conferência Nacional Fijet sobre a “dieta mediterrânea da UNESCO” coordenado pelo jornalista-escritor Mario terminou em Garibaldi em Palermo Grátis

Após as boas-vindas do jornalista Giorgio Fiammella, presidente da Associação Cultural Kermesse, o grande público foi presenteado com um tema de grande importância para o turismo siciliano, mas de fundamental importância cultural e social para toda a região mediterrânea.

O jornalista Giacomo Glaviano, presidente da Fijet Italia, encarou o ônus da apresentação, com uma análise da situação geral do turismo na Sicília, perspectivas, realizações e hipóteses de desenvolvimento.

Neste vasto tema que envolve principalmente a Secretaria de Turismo e Identidade Cultural, Glaviano analisou as possibilidades que surgem nesse clima de abertura ao turismo no imediato e no futuro e indicou os caminhos que a Região deve tomar como prioritários para fechar o lacuna, certamente truncada pela epidemia, mas em sua gestão pouco explorada em seu potencial estrutural e social. Finalmente, foi feito o convite aos órgãos tutores e organizadores da Região da Sicília para atuar com maior empenho e uma visão mais ampla das perspectivas que a nossa posição no centro do Mediterrâneo nos oferece.

A pergunta, digamos a formulação, tornou-se agora um slogan universal, desvelado como um ato de fé em toda a sociedade moderna, uma verdade axiomática, um credo de fé, que não precisa mais de demonstração. Portanto, essencial e necessário na introdução deste tema divulgado sem demonstração, houve necessidade do sistema e da proposta, a explicação de uma verdade semelhante irrefutável da vasta experiência de Rita Cedrini no campo, com uma experiência que hoje representa o conhecimento e demandas da antropologia e é seu promotor nos diversos ramos, uma ciência essencial para entender como certos fenômenos se tornam globais.

O especialista cultural, apresentou a resolução internacional que atesta a sua validade, não deixou de explorar o tema do turismo e sobretudo de sublinhar a sua queda e a sua mercantilização que, comparada com a realidade do Norte e do Scrovegni na linha do consumismo geral, até poupa o uso de tesouros culturais e os reduz a objetos de “consumo”. Exemplar é o “consumo” da Capela Palatina e os preciosos mosaicos. Não faltaram observações sobre o conceito associado ao patrimônio cultural da “identidade siciliana” e sua especificidade no contexto nacional.

Professora. Giovanni Ruggeri com um olhar acadêmico e científico, partindo do próprio conceito de “regime”, para chegar ao ponto culminante da antiga história do estrangeiro que chega à Calábria e levanta a questão solene e séria da longevidade dos cidadãos de uma pequena aldeia .

A pesquisa estendida à região e a outros países produziu essa formulação genérica e improvável que se estendeu a muitos outros países costeiros, da Sardenha ao Marrocos, às costas da Espanha e Portugal, até as regiões eslavas orientais. Ela quer identificar formas e escolhas alimentares, que se expressam de fato em um modo de vida que diz respeito a muitos componentes práticos, mas também comportamentais.

A análise leva à noção de “patrimônio imaterial” a ser protegido, após controles adequados e regras protocolares rígidas, que devem ser sempre controladas. O resultado desses conhecimentos técnicos, barreiras a não omitir, leva à definição do bem comum de toda a humanidade a ser transmitido intacto e para sempre a todos os cidadãos do cosmos que se tornam seus donos.

As conclusões do magnífico ex-Reitor Lagalla só poderiam ser inseridas neste contexto de explicação, planejamento e promoção do nosso riquíssimo patrimônio que não tem igual no mundo. Assim, a temática do turismo é parte integrante do desenvolvimento de iniciativas que visam o fortalecimento das atividades locais, turísticas e hoteleiras, mas também a consolidação do conhecimento deste imenso património nas trajetórias do turismo internacional.

É desejável que este projeto tenha mais sorte, mas sobretudo o compromisso de implementar sinergias e ampliar oportunidades.
Desde a fundação da República, a sua “vocação” turística impôs-se numa perspectiva económica e industrial na ilha, excluindo a Sicília de qualquer actividade industrial desde finais de 1800 (excepto as extremamente poluentes na parte mais bonita do ilha, Siracusa, de Augusta a Priolo a Melilli).

Vivemos com essa promessa há mais de 75 anos. No entanto, o sistema rodoviário permaneceu naqueles anos, uma única linha férrea em toda a ilha, uma coisa única e rara para comunicações rápidas. A gestão das poucas auto-estradas é bem conhecida de todos, assim como as ligações marítimas. La Galla também destacou as hesitações das companhias aéreas e a questão das conexões internacionais, e deu impulso a um plano de relançamento e promoção do turismo.

Pelo que pode fazer como prefeito de Palermo, enfrentando uma Região que se limita a alguns comerciais de televisão. Espera-se que a reestruturação do porto, transformado em hub por uma grande empresa e monopólio de cruzeiros, possa dar uma nova vida ao turismo, mesmo que seja um “bate e corre”.

No que diz respeito ao tema abordado nesta conferência, os desafios da restauração são precários e confiados à iniciativa pessoal. Sugere-se a associação de institutos hoteleiros e turísticos para a formação de pessoal especializado. Outra esperança de que os jovens e os estrangeiros compreendam o excelente potencial do turismo, que há décadas é negligenciado. Levaria muito tempo para resolver o déficit turístico da ilha e, portanto, a esperança de que uma nova gestão e incentivo proposto e estigmatizado por La Galla tenha gestores e executores experientes e competentes, que os bilhões da UE não sejam desperdiçados em inúteis atividades e falsos projetos, que o novo plano financeiro encontra a Região preparada. No entanto, ainda não percebemos, não tomamos conhecimento do maná caído do céu e chegamos em maio para aprovar o orçamento.

Se essa contribuição primitiva da vocação turística se concretizar, acredito que seja o último trem. Infraestrutura e qualidade, não promessas, mas conquistas. Ou continuaremos a ser a Cinderela do Mediterrâneo, sem perspectivas. Os caminhos foram indicados por todos, palestrantes e palestrantes. O sol não é suficiente, se não for explorado, sol quase todo o ano. As trocas entre experiências turísticas podem ser úteis, mas as prioridades deste deserto são diferentes. Infraestrutura Infraestrutura Infraestrutura. Que seriam estradas viáveis ​​e articuladas (já vi as quatro pistas do Veneto com tráfego muito baixo). O estado italiano se concentrou inteiramente no transporte sobre rodas. Tudo parou em Reggio Calabria e os anos passaram ao longo da Calábria para chegar em boa saúde.

Este é o desafio para os novos futuros líderes. E o muito claro especialista Lagalla os conhece bem, por causa de sua presença ativa, por algum tempo, tanto como um reitor assíduo e presente para identificar problemas sócio-políticos e financeiros, propondo-os, a uma classe política que infelizmente até agora foi sonolento. As praias, algumas marcadas como muito puras com a bandeira verde, beneficiam da esperada rotatividade de sujeitos que, há décadas, vivem da renda, sem projetos inovadores. E sob os olhos de toda a degradação de Mondello que permanece sem areia. Não apenas lixo, mas estradas eficientes, construção de hotéis, catering. Esse foi o assunto desta noite. Temos um cachê excepcional em nossa dieta, vivendo cem anos com boa saúde, certificado por tão alta autoridade, e não sabemos como explorá-lo. Tipo, como? Não com ferramentas usadas ou nunca usadas.

Cooper Averille

"Praticante de cerveja incurável. Desbravador total da web. Empreendedor geral. Ninja do álcool sutilmente encantador. Defensor dedicado do twitter."

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.