Pedemontana e o estúdio Confartigianato: “É preciso usá-lo estudando cuidadosamente os preços”

Chega ao fim a Pedemontana Veneta Superstrada, prevista para daqui a dois anos. Uma artéria que, atravessando também outras vias de circulação, representa uma obra muito importante para a região de Vicenza. Quantos?

Com o objetivo de captar “as expectativas dos atores do sistema territorial de Vicenza”, bem como o “desafio da sustentabilidade” representado pela SPV, a Confartigianato Imprese Vicenza encomendou uma pesquisa a uma equipe de especialistas da Universidade de Milano Bicocca. A pesquisa foi realizada, bem como com uma auditoria exploratória no campo, através de entrevistas com os vários atores do território distribuídos nas províncias de Vicenza e Treviso: administradores locais, representantes comerciais, jornalistas e escritores do território, gestores em os setores de mobilidade (gestores de mobilidade e gestores setoriais), para compreender opiniões e expectativas sobre o papel do trabalho no desenvolvimento do território interprovincial.

Os resultados

Os resultados deste trabalho – apresentados em uma conferência em Bassano del Grappa aberta por saudações do presidente da Confartigianato Imprese Vicenza, Gianluca Cavion, do presidente do Grupo Confartigianato de Bassano del Grappa, Sandro Venzo, e do vice-prefeito de Bassano , Andrea Zonta- viu o grupo de trabalho formado pelos drs. Mario Boffi, Simone Caiello, Sharon Romano e Sarah Taranto, coordenados pelo prof. Matteo Colleoni, e faz parte do maior CI.TE.MO.S. (Mobilidade Tecnológica Urbana Sustentável). A pesquisa destaca parcialmente novos elementos, mas na verdade reforça a ideia de que os empresários do Confartigianato Vicenza estão convencidos da utilidade desta nova infra-estrutura, uma vez que pode gerar uma redução significativa da pressão de tráfego na rede rodoviária comum (estadual, provincial e local) e contribuir para o crescimento económico do território. Os artesãos não duvidam que, para garantir a sustentabilidade económica da obra, os fluxos turísticos devem também ser explorados, para além do crescimento gradual, em termos de utilização da obra, por quem se desloca a trabalho e por residentes. Para isso, porém, será necessário estudar melhor os mecanismos de precificação.

Considerações

“Para fazer reflexões precisas, é preciso aguardar a conclusão das obras, depois a ligação a nascente com a A27 e a poente com a A4 (e a norte com a conclusão do Valdastico Nord). Certamente, há a questão dos custos de viagem (bilhete e combustível) em média mais altos para percorrer o SPV do que o custo do combustível usado para chegar ao mesmo destino em estradas comuns – explica Cavion-. Deste ponto de vista, a nosso ver, não existe uma política que encoraje a utilização da Pedemontana. Se queremos que o SPV sirva o território, mesmo do ponto de vista turístico, temos que repensar o plano tarifário. Também porque a alternativa, passando por centros habitados com fluxo lento e soluços mais poluentes do que mobilidade fluida, em termos de poluição ambiental tem muitas repercussões nesses territórios sem falar na segurança, o maior número de acidentes acontece realmente em estradas secundárias”.

“Quanto à realização das obras acessórias (reforços e obras de mitigação) esperadas por alguém, algumas considerações são necessárias. Em uma área onde os assentamentos, inclusive produtivos, são “divididos” segundo a lógica da “casa-hangar”, e que sofre um crescimento brutal, mal controlado e sem visão real, as conexões com a SPV do artesanato áreas industriais são realizadas a partir de estradas secundárias, portanto congestionadas. Para resolver esses “nós”, de importância indiscutível, são necessários anos, até décadas. Além disso, a realização de outras obras de adução, embora úteis para “aliviar” estradas comuns, é impensável do ponto de vista econômico e ambiental – continua Cavion -. Somos de opinião que se for necessário fazer cortes, é melhor intervir nas tarifas que são actualmente o verdadeiro obstáculo à utilização rotineira do SPV”.

“Um livro tão esperado”

Cavion conclui: “Não há dúvida de que a Pedemontana é uma obra há muito esperada, na qual muito se investiu, não só em termos de dinheiro, mas também de sinergias entre os territórios. Neste sentido, seria sem dúvida desejável uma acção colectiva mais eficaz das autarquias e actores locais, também e sobretudo com vista à promoção de políticas de mobilidade sustentáveis. Como Confartigianato Vicenza, há algum tempo já manifestamos nosso desejo de ser um sujeito ativo e colaborativo vis-à-vis as UCs ​​territoriais, indo, na medida do possível, “integrar” a ação dos gestores da mobilidade pública e privada. Deste ponto de vista, a experiência adquirida ao longo dos anos através do CI.TE.MO.S. sem dúvida foi útil e temos agora a vontade de concretizar os diversos e diferentes estímulos que recolhemos ao longo do tempo”.

“Pedemontana Veneta é a maior infraestrutura da Itália atualmente em construção – lembra Elisabetta Pellegrini, Diretora de Coordenação e Desenvolvimento de Infraestrutura, Mobilidade, Obras Públicas, Pedemontana Veneta Superstrada, Estado Estatal da Região de Veneto, presente na convenção Bassano – um importante trabalho que está prestes a ser concluído, as previsões são de que na primavera do próximo ano tudo estará operacional, e que servirá uma região entre as mais fervorosas. , do ponto de vista econômico, do Veneto Um trecho de 100 km , 34 municípios, 14 cabines de pedágio, um investimento de 2 bilhões 258 milhões, e estima-se que os trabalhadores que estão a uma distância de aproximadamente 30 minutos da Pedemontana sejam 600.000, o que significa mais de 10 da população de Veneto. % “.
“Com o SPV, completa-se essencialmente o anel central do Vêneto, que, juntamente com a A4, inclui Vicenza, Pádua e Treviso, contornando Veneza, para servir o núcleo central do Vêneto – acrescenta Pellegrini-. Obviamente, para que esta ligação seja efetivada, será necessário, no futuro, completar ou configurar adições, que em parte já existem e em parte podem ter outros desenvolvimentos. O território atravessado pela SPV terá, uma vez que as infra-estruturas sejam comissionadas, uma oportunidade mais única do que rara no sentido de facilidade de acessibilidade a este território que lhe dará um enorme potencial em comparação com aqueles que já são amplamente explorados de uma forma produtiva, industrial mas também do ponto de vista turístico, cultural e gastronômico e vitivinícola de toda a região”.

Imagem de abertura de Lucas F.

Gostou deste artigo? Compartilhe em:

Imprima esta notícia

Harlan Ware

"Aficionado por zumbis que gosta de hipster. Explorador típico. Defensor da cultura pop. Nerd de mídia social."

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *