Pedofilia. O ponto de virada de Zuppi

CIDADE DO VATICANO. “Vamos levar os golpes que temos que tomar e também nossas responsabilidades.” Nenhuma “cobertura” dos abusos sexuais cometidos na Igreja, “devemos isso às vítimas”. Com o anúncio do primeiro relatório nacional da CEI sobre pedofilia, inicia-se a era Zuppi que, segundo vários prelados, “projeta os bispos para uma virada pública, um papel social e político, além de religioso, mais incisivo do que o passado recente, sob o signo da escuta e do diálogo com todos e com tudo, mesmo sobre os assuntos mais delicados”, como os do fim da vida.

O encontro com os jornalistas realiza-se junto à Praça de São Pedro, no Instituto Maria Santíssima Bambini, “um local familiar porque foi o jardim de infância que frequentei”, revela o cardeal.

Diálogo sobre todos os assuntos

Na primeira conferência como Presidente dos Bispos italianos, o Arcebispo de Bolonha aborda imediatamente a “grande questão”, levantada nos últimos meses por várias associações que pediram para responder às centenas de vítimas na Itália e confiá-la a uma comissão independente, em a esteira de outras igrejas europeias, uma investigação que lança luz sobre casos antigos e recentes de pedofilia clerical. Este é, sem dúvida, o problema mais espinhoso que Zuppi terá que enfrentar, e ele imediatamente mostrou que não queria fugir dele: a publicação do relatório está marcada para 18 de novembro, dia desejado pela Conferência Episcopal Italiana para lembrar aqueles que sofreu violência sexual.

Matteo Maria Zuppi afirma não ter encontrado “nenhuma resistência dos bispos”. Por outro lado, “devemos isso às vítimas, sua dor é a prioridade”.

Comissões externas no exterior

Portanto, uma investigação será realizada e a CEI revelará os dados: os 223 bispos reunidos em assembleia até ontem elaboraram um pacote de cinco ações a serem implementadas para a proteção dos menores. Além de fortalecer os centros de escuta que cobrem 70% das dioceses italianas, a primeira denúncia de casos de abuso relatados ou denunciados à rede de serviços diocesanos e interdiocesanos nos últimos dois anos, que passará a ser anual, e o relatório de um análise de dados sobre crimes alegados ou comprovados cometidos por padres na Itália no período 2000-2021, mantidos além do Tibre pela Congregação para a Doutrina da Fé. Será realizado com a “contribuição de centros independentes” de institutos universitários de criminologia e vitimologia. E depois, a criação de centros de escuta; análise constante dos dados coletados pelo antigo Santo Ofício; colaboração com o Observatório sobre pedofilia e pornografia criado pelo governo. Uma escolha diferente, portanto, daquela adotada pelas Igrejas da Alemanha, França, Portugal e mais recentemente também da Espanha, que se basearam inteiramente em comissões externas: “Uma estrada italiana”, definiu o próprio Zuppi, especificando que esta decisão não significa querer ser “uma forma de dizer que cantamos e tocamos” e menos ainda “fugir ou esconder”. Sem intenção de “nuvem”, ele dirá ao Tv2000. Na verdade, quer ser “algo sério, real”, que não deixa espaço para confrontos posteriores como aconteceu, por exemplo, em Paris com o trabalho da comissão Ciase que provocou “longas conversas”. Não queremos discutir, não queremos deixar de lado. O relatório não é usado como sedativo, mas é para fazer as coisas com seriedade”. A razão pela qual o IEC preferiu analisar os últimos 21 anos e não voltar aos 40, como acontecia em arquivos estrangeiros, explica o próprio Zuppi: “Em 20 anos, não há nada a fazer: somos nós, nos diz respeito diretamente. Parece muito mais sério para nós, dói muito mais. 1945 tem 80 anos, acredito que julgar com os critérios de hoje algo que há 80 anos já era julgado com outros critérios, cria dificuldades de avaliação”.

ouvindo as últimas

Para o futuro, Zuppi indica fortemente o modo de escuta, para que a Igreja se sinta “companheira na estrada” com a atitude “de uma mãe que quer recomeçar a caminhar junto”. Ele sonha com uma Igreja verdadeiramente aberta a todos, sem preconceitos, incluindo as pessoas LGBT+, para as quais o cardeal romano sempre mostrou aceitação. E não mais divisões internas e conflitos ideológicos: o padre de rua que se tornou presidente dos bispos é considerado autoritário e capaz de unir as diferentes almas das sacristias italianas, começando pelos “conservadores” e pelos “progressistas”. “Como acontece em Bolonha”, asseguram-nos a sua arquidiocese, onde o cardeal que anda de bicicleta não quer ouvir falar de filas, e por isso acalmou as coisas e acaba por ser um interlocutor para diferentes sensibilidades. Em suma, um homem capaz de manter tudo e todos juntos. “E isso é verdade tanto dentro como fora do recinto católico.” Zuppi prega e pratica “a sinodalidade, ou seja, um guia comunitário mais democrático, com o envolvimento de todos, inclusive leigos e mulheres, que para ele devem ganhar mais peso”, dizem aqueles que o conhecem bem. E ele nos convida a “ter sempre os olhos em nossos ‘favoritos’: os últimos, os primeiros indicados pelo Evangelho”.

Cooper Averille

"Praticante de cerveja incurável. Desbravador total da web. Empreendedor geral. Ninja do álcool sutilmente encantador. Defensor dedicado do twitter."

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.