Peixes alienígenas, invasão no mar italiano. As quatro espécies perigosas: “Se vir alguma, denuncie”




Baiacu manchado, peixe-escorpião, peixe-coelho preto e peixe-coelho listrado: todos eles vieram do Canal de Suez em quatro espécies alienígenas espécies invasoras de origem tropical relatadas nos mares italianospela primeira vez na Sicília, para emprestar Atenção para evitar desagradável acidentes.

Alienígenas no fundo do oceano? O que é descoberto nesta rocha no Golfo Pérsico

A caravela portuguesa aterra nas praias italianas: porque a sua picada pode ser fatal para os humanos

É o que revela o Instituto Superior de Proteção e Investigação do Ambiente (Ispra) e o Instituto de Recursos Biológicos e Biotecnologia Marinha do Conselho Nacional de Investigação (Cnr-Irbim), ao lançar a campanha “Atenção a quel 4” para também informar os cidadãos sobre como reconhecê-los e monitorá-los sua presença e distribuição em águas italianas, graças também aos relatos de pescadores e mergulhadores. A campanha é patrocinada pelos Ministérios de Políticas Agrícolas, Transição Ecológica e Saúde e pelo Comando Geral das Autoridades Portuárias.

O baiacu manchado

Lagocephalus Sceleratus, relatado pela primeira vez na Itália em 2013, tem manchas escuras nas costas cinza-prateadas. A espécie possui uma poderosa neurotoxina que a torna muito tóxica quando ingerida, mesmo depois de cozida. Com seus dentes poderosos, pode causar mordidas dolorosas.

O peixe escorpião

As milhas de Pterois, relatadas pela primeira vez na Itália em 2016, são uma das espécies mais invasoras do mundo. É comestível, mas é preciso ter cuidado com os espinhos, pois podem causar picadas muito dolorosas mesmo 48 horas após a morte do animal.

O peixe coelho

O coelho preto Siganus luridus – e o coelho listrado – Siganus rivulatus – foram relatados pela primeira vez na Itália em 2003 e 2015, respectivamente. Espécie herbívora particularmente invasiva, ambos são comestíveis, mas deve-se ter cuidado com os espinhos como com o escorpião.

Ispra e Cnr-Irbim convidam pescadores, mergulhadores e qualquer pessoa que tenha observado ou capturado uma dessas espécies em águas italianas, a se documentar com fotos/vídeos e enviar sua observação no WhatsApp para 320 4365210 ou para o post no grupo Oddfish no Facebook – https://www.facebook.com/groups/1714585748824288/ usando a hashtag: #Atenti4




Última atualização: quarta-feira, 3 de agosto de 2022, 12h03



© DIREITOS AUTORAIS RESERVADOS

Henley Maxwells

"Solucionador de problemas. Criador certificado. Guru da música. Beeraholic apaixonado."

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.