por que a Lega e o Fdi rejeitam a nova lei de cidadania

O projeto de lei que visa facilitar o acesso de menores nascidos de estrangeiros à cidadania italiana chega hoje à Câmara. Nas últimas horas, a Comissão de Assuntos Constitucionais da Câmara de fato deu luz verde ao texto da lei baseada no chamado “ius scholae”, votando o mandato do relator para se reportar à Câmara. A lei atualmente em vigor na Itália é baseada no “ius sanguinis”, ou seja, o direito à cidadania italiana somente se você for filho de pelo menos um dos pais italianos. Uma criança nascida de pais estrangeiros pode se tornar um cidadão italiano, mas apenas aos 18 anos e se tiver residido na Itália sem interrupção.

Ius scholae: o que prevê a lei em discussão na Câmara

O texto em discussão foi apresentado pelo deputado Giuseppe Brescia do Movimento 5 Estrelas e é fruto da unificação de outros cinco projetos de lei sobre o tema. O projeto de lei (que obviamente está sujeito a alterações) prevê a concessão da cidadania a menores nascidos na Itália ou àqueles que “entram na Itália aos 12 anos que tenham residido legalmente e sem interrupção”, mas somente depois de frequentar a escola por 5 anos .

Resumindo:

  • A cidadania seria concedida a menores nascidos na Itália ou que chegassem antes dos 12 anos;
  • O menor deve ter residido legalmente e sem interrupção em nosso país;
  • Ter frequentado regularmente “um ou mais ciclos escolares” há pelo menos cinco anos;

O “ius scholae” vincula, portanto, o status de cidadania à educação e constitui uma proposta mais “moderada” do que o “ius soli”, que prevê o direito à cidadania a qualquer menor nascido no território de um Estado, independentemente de a nacionalidade dos pais.

Porque Fdi e Lega não querem o ius scholae

O Parlamento está dividido: enquanto M5s, Pd e outros partidos de centro-esquerda são a favor da aprovação da lei, Lega e Fratelli d’Italia são firmemente contra, enquanto Forza Italia manteve até agora um mais “diálogo”, tanto que que em março deu parecer favorável sobre o texto à Comissão de Assuntos Constitucionais da Câmara, ainda que nos últimos dias o partido de Berlusconi tenha sido mais morno. Por outro lado, Salvini e Meloni não querem saber de mudanças na lei da nacionalidade.

O dirigente da Liga lembrou recentemente que a cidadania deve estar “amadurecida” aos 18 anos, falando de um “atalho contraproducente para as mesmas crianças” que “têm todos os mesmos direitos que os nossos filhos” e “quando tiverem 18 anos”. anos terão a liberdade de escolher, como quando tiram a carteira de motorista ou quando fazem o serviço militar, que nacionalidade ter. Salvini também motivou a oposição da Liga com outro argumento: “A Itália – explicou – já com a lei de hoje está entre os países do mundo que concedem mais cidadania”.

Os deputados e senadores dos Irmãos da Itália também se opõem ao projeto. Augusta Montaruli e Emanuele Prisco, membros da Comissão de Assuntos Constitucionais da Câmara, explicaram em nota que o texto teve que ser rejeitado porque “deveria ter um ius scholae, pelo menos a escola, ou a conclusão dos ciclos escolares. aqui a gente se depara com uma decepção porque não há quase nada na escola oferecida, nem mesmo a obrigatória”. Segundo a Fdi, a concessão da cidadania deveria, portanto, estar ligada à conclusão de um ciclo escolar (e não à simples frequência): conhecimento da nossa língua, eles não se integram “e estamos de fato confrontados” com a tentativa da esquerda e do Movimento Cinco Estrelas de criar eleitores, já que eles têm cada vez menos deles”.

A enquete: 6 em cada 10 italianos a favor da reforma

O que os italianos acham disso? De acordo com uma pesquisa apresentada em 24 de junho pela Action Aid e realizada pelo Quorum/Youtrend, há um forte desconhecimento sobre o assunto: 62% dos italianos entrevistados não sabem em que consiste a lei de cidadania examinada na Câmara. No entanto, uma vez conhecidos os detalhes da reforma, cerca de 6 em cada 10 italianos se declararam a favor do ius scholae. E há um fato interessante, sem dúvida: 48% dos eleitores da Lega se declararam de fato de acordo com o projeto de lei, assim como 35% dos que se declaram eleitores Irmãos da Itália e 58% dos inquiridos. pela Forza Itália.

Cidadania para menores: como funciona na UE

Mas a Itália realmente precisa de uma nova lei de cidadania? E como funciona no exterior? Como ele já Explique nosso Alfonso Bianchi em EuropaToday, estamos entre os países com regras mais rígidas, pelo menos na UE. Comecemos por dizer que em nenhum Estado-Membro existe um jus soli “puro” como o dos Estados Unidos ou do Canadá, onde a cidadania é concedida a todas as crianças nascidas no país, independentemente da origem dos seus pais. No entanto, muitos países concedem cidadania a crianças nascidas de imigrantes, mas sob certas condições.

Por exemplo, um dos requisitos mais comuns é que os pais residam no país por um determinado período de tempo antes do nascimento da criança. Quatro Estados têm essas regras e o período mínimo de residência parental exigido varia de 3 a 10 anos: 10 anos na Bélgica, 8 anos na Alemanha, 3 anos na Irlanda e Portugal. Em França, Luxemburgo, Países Baixos e Espanha existe antes uma espécie de “double ius soli”, ou seja, uma criança nascida no território do Estado adquire a nacionalidade do país de nascimento se um dos progenitores também tiver nascido em no território deste Estado, independentemente do seu passaporte.

Finalmente, deve-se dizer que a Itália tem regras bastante rígidas também em termos de “naturalização”. No nosso país, a cidadania só é concedida a estrangeiros após 10 anos de residência no território do Estado, contra uma média de quase sete anos nos países da União Europeia.

A Itália está entre os países europeus que concedem mais cidadanias (mas há uma razão)

Mas se temos leis tão restritivas, como é possível que a Itália esteja entre os países que mais concedem cidadanias? A observação de Salvini não está errada, mas precisa ser contextualizada. Vamos ver por quê. De fato, os dados do Eurostat falam por si: em 2020, 131.800 pessoas obtiveram a nacionalidade italiana, contra 126.300 na Espanha, enquanto na Alemanha as nacionalidades concedidas foram 111.200, na França 86.500 e na Suécia 80.200. No ano anterior, 2019, com 132.000 aquisições de cidadania, a Itália ficou atrás apenas da Alemanha (cerca de 132.000), seguida pela França (109.000) e Espanha (99.000). Em geral, podemos dizer que nos últimos anos o nosso tem sido um dos países europeus que mais concedeu cidadanias.

Se tomarmos a série temporal do Eurostat (gráfico abaixo), percebemos que pelo menos de 1998 a 2012, em França, Alemanha, Reino Unido e, em menor medida, também em Espanha, a percentagem dos que obtiveram a nacionalidade todos os anos foi significativamente o mais alto. A razão é trivial: na Itália, os fluxos migratórios só se tornaram relevantes a partir da década de 1980 e principalmente da década de 1990, enquanto em outros países europeus o fenômeno migratório começou mais cedo e foi mais constante e “diluído ao longo do tempo (embora não menos significativo em números absolutos, na verdade).

Essencialmente, na última década, mais e mais estrangeiros amadureceram os requisitos para obter a cidadania italiana (ou seja, 10 anos de residência) porque era fisiológico, enquanto nos outros grandes estados europeus, esse fenômeno ocorre pelo menos desde o final década de 1990 e continua até hoje. Basta dizer que em 1998, na Itália, cerca de 12.000 estrangeiros obtiveram a cidadania, contra 106.000 na Alemanha e 123.000 na França. As leis em vigor hoje na Itália, boas ou ruins, ainda são bastante rígidas.

Ius scholae: entrevista de Giuseppe Brescia com Today

Cooper Averille

"Praticante de cerveja incurável. Desbravador total da web. Empreendedor geral. Ninja do álcool sutilmente encantador. Defensor dedicado do twitter."

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.