Portugal: A espera da cobrança deve ser indemnizada e quem a provoca deve ser sancionado. E se isso também acontecesse na Itália?

O tempo de espera para carga e descarga deve ser compensado. E quem for responsável por sua criação, deve ser punido com multas que variam de 1.250 a 15.000 EUR. Este é o princípio inequívoco previsto na legislação portuguesa – aliás, também existe em Itália, embora ninguém pareça recordá-lo – contido no decreto-lei n. 57/2021quem o julga prejudicial à economia nacional e à produtividade empresarial e, portanto, limita-o ao máximo em duas horas.

Melhorar o planejamento

Um horário que leva em consideração como horário de saída o cálculo do horário estabelecido entre o embarcador, o consignatário e o transportador, a ser programado com 24 horas antecedência no transporte doméstico (ou no dia útil anterior, no caso de transporte de mercadorias perigosas), com 48 horas com antecedência, para transporte entre Portugal e Espanha e 72 horas para todos os transportes internacionais. Apenas exceções são transporte de produtos perecíveis dos quais, pela sua natureza, é possível planear a operação nas 24 horas anteriores. No terminal de contentores por outro lado, se a operação de recepção tiver sido previamente aceite, decorridas duas horas desde o registo à entrada da estrutura, o mesmo terminal deverá dar prioridade imediata ao descarregar o contêiner, exceto em casos de força maior.

O tempo de espera inicial e final também deve ser incluído no cálculo das duas horas. Portanto, o embarcador deve garantir um cronograma de operações de carga/descarga para não exceder os tempos de espera. Além disso, especifica o decreto, é de responsabilidade do remetente ou do destinatário, dependendo se é uma carga ou descarga, assegurar que os trâmites administrativos e aduaneiros sejam “realizados com antecedência e pontualidade para cumprir o período de espera de duas horas”.

Quando e quanto o tempo de espera terá que ser compensado

Se forem excedidas duas horas, se o expedidor ou o destinatário for responsável pelo atraso, o transportador tem direito a uma indemnização por incumprimento por cada hora (ou fração) após a segunda, até um máximo de 10 horas. Além disso, há uma multa adicional, por assim dizer, equivalente a um aumento de 25% na indenização prevista.

A quantificação é detalhada de acordo com o tipo de veículo e as diferentes missões de transporte em que foi engajado.

Categoria Nacional Internacional Ibérica

Veículo de igual peso de 2,5 a 3,5 toneladas 12 13 14 (euros/hora)

Veículo com mais de 3,5 a 7,5 toneladas 15 16 17 (euro/hora)

Veículo com mais de 7,5 a 11 toneladas 18 19,5 21 (euros/hora)

Veículo com mais de 11 e até 19 toneladas 24 25,5 27,5 (euros/hora)

Veículo com peso superior a 19 e até 26 toneladas 26 28 30 (euros/hora)

Veículo com mais de 26 e até 44 toneladas 30 32,5 35 (euros/hora)

Veículo com mais de 44 toneladas 34 37 40 (euros/hora)

Proteções para o motorista

A mesma legislação especifica que a responsabilidade pelas operações geralmente não é da responsabilidade do motorista, a quem são dirigidas e não instalações sanitárias adequadas são garantidas durante o período de espera e, quando isso não for possível, deve estar apto a utilizar os serviços disponibilizados aos funcionários da estrutura.

Quando, por acordos contratuais, a responsabilidade de carga-descarga for atribuída ao transportador, Os trabalhadores participantes (exceto o motorista) devem receber treinamento profissional adequado.

O maquinista pode realizar operações de carga e descarga quando exigido por acordos coletivos e apenas em casos específicos:

  • na distribuição dos armazéns centrais aos armazéns locais, nas mudanças e porta-a-porta;
  • por razões de segurança, em função da formação específica recebida e da utilização de equipamento específico, no transporte de combustíveis, materiais a granel e transportadores de automóveis, sem prejuízo das disposições específicas para mercadorias perigosas.

No que diz respeito ao carregamento e descarregamento de mercadorias perigosas, se existir tecnologia nas estações de serviço que permita a medição automática do nível de combustível, o condutor não pode ser obrigado a efetuar a mesma operação manualmente.

Quem controla a aplicação da legislação

Eles verificarão a aplicação da legislação o Instituto Nacional da Mobilidade e Transportes (IMT) e a Autoridade Nacional das Condições de Trabalho (ACT), que podem ser acrescidos às referidas indemnizações, também multas específicas até ao máximo de 15 mil euros. O decreto especifica que 40% do que será confiscado pelas sanções será destinado ao IMT e o restante diretamente aos cofres do Estado.

Como funciona na Itália?

Lembramos que na Itália os tempos de espera antes da carga e descarga das mercadorias não podem exceder duas horas e que, uma vez ultrapassado esse limite, o cliente deve pagar uma compensação à transportadora por cada hora ou fração de hora de atraso. O Ministério
compensação horária quantificada em 40 EUR. Esta é talvez a legislação menos aplicada na história do transporte rodoviário.

Cooper Averille

"Praticante de cerveja incurável. Desbravador total da web. Empreendedor geral. Ninja do álcool sutilmente encantador. Defensor dedicado do twitter."

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.