Portugal, através do presidente que rejeitou a eutanásia (duas vezes)

O Presidente de Portugal, Marcelo Rebelo de Sousa, ele recusou pela segunda vez assinar a lei da eutanásia, enterrando-o definitivamente. Na verdade, o parlamento tem o direito de mudar a lei ou até mesmo derrubar o veto, mas não tem mais tempo para discuti-lo: o próprio presidente, reeleito em janeiro para um segundo mandato com 60% dos votos, anunciou em novembro 4 dissolução das Câmaras (prevista para domingo) e novas eleições convocadas para 30 de janeiro.

O primeiro veto sobre a eutanásia

“Esse veto não é normal: reflete apenas a posição pessoal do presidente. Ele seguiu suas ideias, mas se desviou da Constituição”, comentou irada a parlamentar socialista Isabel Moreira, aludindo à fé católica do presidente.

O parlamento português ele havia aprovado a legalização da eutanásia e do suicídio assistido 29 de janeiro em bloqueio total, com registros diários de mortes e infecções e despencar nos cuidados intensivos. O presidente disse anteriormente que respeitaria a vontade das câmaras, mas em vez de assinar a lei, em fevereiro entregou-o ao Tribunal Constitucionaldestacando um texto que é muito interpretável.

O segundo veto

O Tribunal, aceitando as reservas, ele rejeitou o texto em maio reconhecendo a ambiguidade jurídica de certas partes da lei: “excessivamente indeterminado” os termos utilizados para definir as condições de acesso à eutanásia como “sofrimento intolerável” e “lesão definitiva de extrema gravidade”. Assim, declarou-a inconstitucional.

O Parlamento então reescreveu a lei, aprovando-a novamente em 5 de novembro com uma maioria de 138 votos a favor e 84 contra. Mas a 30 de novembro, Rebelo de Sousa recusou-se a assiná-lo pela segunda vez, referindo que num caso a lei autoriza a eutanásia na presença de “uma doença fatal”, noutro quando ocorre uma “doença grave”. Assim, o presidente reenviou pela segunda vez o texto ao remetente, questionando-se se “o projeto de lei não representa uma visão demasiado radical e drástica em relação à dominante na sociedade portuguesa”.

“O presidente foi cínico”

Toda a esquerda (exceto o Partido Comunista, contrário à eutanásia) protestou fortemente contra o presidente sabendo que depois das eleições talvez não haja mais maioria no Parlamento a favor da eutanásia. “É um veto cínico do presidente, mas a eutanásia será lei mais cedo ou mais tarde”, tuitou o líder do Bloco de Esquerda, Pedro Filipe Soares.

Talvez o parlamentar tenha razão, talvez Portugal um dia aprove a eutanásia. Talvez Rebelo de Sousa seja mesmo “cínico”, talvez o tenha feito precisamente porque era católico. O fato é que parou, pelo menos por um tempo, os porta-estandartes do direito de morrer. E fê-lo graças aos poderes que lhe são atribuídos por lei.

Rebelo de Sousa como Rei Balduíno

Sua posição e sua oposição lembram as de Rei Balduíno, que, por não ratificar a lei que teria legalizado o aborto na Bélgica, renunciou em 4 de abril de 1990. Escrevendo ao chefe de governo Wilfried Martens: “Sei que ao fazer isso não estou escolhendo um caminho fácil e que corro o risco de não sendo compreendido por muitos concidadãos. Mas é o único caminho que posso tomar na consciência.

Talvez nem mesmo Rebelo de Sousa seja compreendido pelos seus concidadãos, de acordo com uma pesquisa seriam 60% a favor de uma “morte feliz”. Mas decidiu, em consciência e no pleno respeito da Constituição, rejeitar uma lei bárbara que teria sancionado, além do direito de morrer, também a morte da lei. Viva o cínico e católico Rebelo de Sousa, Presidente de Portugal.

@LeoneGrotti

Foto Ansa

Cooper Averille

"Praticante de cerveja incurável. Desbravador total da web. Empreendedor geral. Ninja do álcool sutilmente encantador. Defensor dedicado do twitter."

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.