Portugal, o canto europeu onde a esquerda ainda está na moda

Portugal está confirmado um dos poucos cantos da Europa onde a esquerda ainda está na moda. O Partido Socialista do primeiro-ministro Costa, que nos últimos quatro anos liderou uma coalizão inusitada (aqui chamam de “geringonça”, que pode ser traduzida como “aglomerado” ou “desordenado”) entre a esquerda e a extrema esquerda, conseguiu tirar o país das favelas de um provável calote, venceu as eleições legislativas com 36,7% dos votos, conquistando 106 assentos, 20 a mais do que em 2015, mas 10 a menos do que os necessários para obter a maioria absoluta. O Bloco de Esquerda (Bloco de Esquerda, BE) está visivelmente estável, creditado com um resultado que deverá ficar ligeiramente abaixo dos 10% (limiar atingido em 2015), enquanto a CDU perde alguns pontos (em 6,50%) (Coligação Democrática Unitária, formada por comunistas e verdes). Uma maioria que, se confirmada, poderia contar com uma margem muito ampla.

Mas é incerto se Costa o oferecerá novamente como está, dado o atrito dos últimos meses com o BE. Observamos com atenção o resultado do PAN, partido ecologista-animalista nascido no ímpeto do movimento inspirado em Greta Thunberg: nos europeus havia levado 5%, a contagem no momento indica pouco mais de 3%. Mas é na frente da oposição que se registram os colapsos mais sensacionais. A começar pelo principal partido de centro-direita (curiosamente chamado aqui de Partido Social Democrata, PSD), com queda de mais de 8% (27,9%, o pior resultado desde 1983) em relação às políticas de 2015, quando ainda era o partido mais votado . E ao mesmo tempo o Centro Social Democrata – Partido Popular (CDS-PP), estimado hoje em 4,2% (em 2015 era aliado do PSD), caiu, enquanto a extrema direita entrou em colapso (outra anomalia em relação ao resto do Europa), com o novo partido populista Chega (em português significa “Basta”) que raspa as migalhas, apenas 1,3%.

Primeiro-ministro Costa: “Os portugueses adoram ‘geringonça’”

Um resultado indiscutível, que reforça a posição de Antonio Costa: “É uma conquista histórica. O Partido Socialista claramente ganhou estas eleiçõese fortaleceu sua posição política”, disse o primeiro-ministro comemorando o resultado das urnas. “Os portugueses querem um novo governo socialista mais forte, capaz de governar com estabilidade.” Um resultado que, no entanto, obrigará Costa a encontrar alianças e novos equilíbrios: “Os portugueses adoram “geringonça”“, comentou em seguida. “Estamos a tentar com os nossos parceiros parlamentares encontrar as soluções políticas que os eleitores portugueses demonstraram apreciar”. Enquanto Rui Rio, líder do PSD, obviamente temia um resultado muito pior, a ponto de declarar, após as primeiras pesquisas de boca de urna: “Esta votação não é a catástrofe anunciada. Demos um passo em frente para recuperar a confiança dos portugueses. »

A afluência foi de 54,5%, uma ligeira queda face a 2015. E às vésperas da votação, entendeu-se que a abstenção poderia ter-se reforçado ainda mais, a ponto de o Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, sentir o deve fazer um apelo público aos eleitores: “Não votar é delegar aos outros uma decisão que nos pertence. Por convicção, confiança, rejeição, realismo, exclusão de partidos: quaisquer que sejam suas convicções, não desista de votar amanhã”, disse. Mas nas palavras do Presidente de Sousa há também uma característica política, que diz respeito à situação econômica do país, que não deve ser menosprezada: “O meu apelo renovado aos portugueses é que percebam que os próximos quatro anos serão difíceise que cabe aos portugueses mostrar que estão atentos à Europa e ao mundo”. O Chefe de Estado falou da incerteza devido ao Brexit e das repercussões da crise internacional na economia portuguesa. “O futuro governo terá de apostar em mais crescimento, mais emprego, no combate à pobreza e às desigualdades entre as pessoas, superando os efeitos negativos da diminuição da natalidade e do envelhecimento da população”. Este último ponto não deve ser esquecido.: a União Europeia estima que em 2100 a população de Portugal cairá para 6,6 milhõesdos atuais 10,3 milhões.

Milagre em Lisboa

Não há dúvida de que o primeiro-ministro Costa realizou meio milagre até agora. Alguns o elogiam por suas habilidades como negociador político, enquanto outros o acusam de ser frio e calculista.. Portugal estava a um passo do abismoapresenta agora um dos indicadores mais positivos de toda a União Europeia. No biênio 2016-2018, a economia cresceu quase 7%, enquanto o PIB deverá crescer 2% também este ano (em 2014 foi de 0,19%). O déficit público é de 0,5% do PIB. O desemprego, que era de 16% antes da posse de Costa, caiu para 6,2%. O salário mínimo aumentou. Resultados obtidos em pleno acordo com a União Europeia, que de certa forma premiou Portugal, com o Ministro das Finanças, Mário Centeno (definido por Wolfgang Schauble, ex-ministro das Finanças alemão, o “Cristiano Ronaldo do Ecofin”), nomeado Presidente do Eurogrupo. Entre as chaves utilizadas pela Costa, além do turismo, sobretudo as exportações, que hoje representam cerca de 60% do PIB.

“Portugal precisa de mais migrantes”

Mas os próximos quatro anos serão decisivos para consolidar o desenvolvimento económico e social do país, tornando-o mais autónomo e menos vulnerável às variáveis ​​externas (riscos muito elevados em caso de subida das taxas de juro). Pedro Videla, economista da Iese Business School, explicou à Sole 24 Ore quais devem ser as prioridades do próximo governo: “Incentivar o investimento público, fortalecer o sistema bancário, sustentar o sistema previdenciário. A longo prazo, aumentar a produtividade, melhorar os dados sobre a educação e formação dos cidadãos, reduzir as desigualdades sociais óbvias, gerir o envelhecimento da população e a migração“. E aí reside outra anomalia, inteiramente portuguesa: os migrantes não são percebidos como uma ameaça, como está acontecendo praticamente em todos os cantos da Europa, graças também à incessante propaganda das forças da extrema direita, aliás muitas vezes imitadas e perseguidas sobre o assunto por líderes de esquerda que vivem com medo de perder o consenso. Em Portugal (também por razões históricas e culturais), os estrangeiros são considerados e acolhidos como “portadores de oportunidades económicas num país cada vez mais velho e que precisa de trabalhadores jovens”, como o Post escreve, lembrando que o próprio primeiro-ministro Costa nasceu em Maputo, Moçambique, antiga colónia portuguesa em África, e é filho de um indo-português da cidade indiana de Goa. O próprio Costa, durante a campanha eleitoraldenunciou abertamente “modas anti-imigração”. “Não vou tolerar retórica xenófoba. Portugal precisa de mais imigração e mais pessoas para trabalhar para o nosso país.” A política de facilitação fiscal também vai neste sentido: imposto zero para aposentados estrangeiros que optam por fixar residência lá, como muitos italianos sabem.

Cooper Averille

"Praticante de cerveja incurável. Desbravador total da web. Empreendedor geral. Ninja do álcool sutilmente encantador. Defensor dedicado do twitter."

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.