Portugal, que é Ventura o populista que terminou em terceiro nas eleições

Ele multiplicou os votos por sete Chega (“Chega”) – seu partido pessoal – passou de 1,3% nas eleições legislativas de 2019 para 11,9% nas eleições presidenciais de ontem. Tem “terremoto” – ipse dixit – o saldo de direito português. E alcançou um resultado histórico: fincar a bandeira do populismo na Lisboa, onde até agora as palavras de ordem do anti-sistema e dos partidos soberanos não se enraizaram. André Ventura, líder da ultradireita lusitana, é o vencedor moral das eleições para a presidência da república em Portugal. “Marcelo” – como todos chamam Marcelo Rebelo de Sousa, o querido presidente social-democrata – ficou em segundo lugar com 60,7% dos votos, como todas as pesquisas previam. A verdadeira notícia que emerge das sondagens, no entanto, é a ascensão aparentemente imparável do pai-mestre do Chega, de 38 anos.

Ele queria terminar em segundo, mas agora ele já está estabelecendo novos objetivos

“Quero terminar em segundo ao vencer o candidato socialista, caso contrário, renuncio ao cargo de líder do partido” era seu objetivo ambicioso. Perdeu por um fio: Ana Gomes (em quem o primeiro-ministro António Costa, seu companheiro de partido, não gastou muito) parou nos 12,97%. Mas Ventura – que está à espera de ser reconduzido à chefia da sua equipa – já colocou no papel o novo objectivo: “Temos de chegar a 15% nas próximas eleições legislativas e já não será possível ter um governo conservador em Portugal sem nós”.

“Boa Sorte” de Salvini

A ascensão política do advogado (e ex-seminarista) filho de um vendedor de bicicletas mudou uma nação onde os frágeis equilíbrios de esquerda que governam o país desde 2015 – hoje com um governo socialista minoritário – começam a ruir e onde o Os sociais-democratas continuam a pagar pela austeridade imposta a Portugal durante a era da Troika. Matteo Salvini – que lhe desejou “boa sorte” via Twitter na véspera da votação – e Marine Le Pen são agora seus aliados na Europa. Mas sua ascensão ao poder nem sempre foi linear. Batizado aos 14 anos e depois de alguns anos no seminário, Ventura tornou-se fiscal fiscal e depois se formou em direito com uma tese contra o “populismo criminoso” e a “criminalização das minorias” – especialmente os muçulmanos – o que está um pouco em desacordo com suas posições atuais.

Benfica Ultra

Conquistou as luzes do palco na televisão, como comentador de talk shows desportivos na rede Cmtv onde desempenhou o papel permanente de “ultrà” do Benfica. Entrou na política em 2017 pela porta da frente, concorrendo à Câmara Municipal de Loures nas fileiras do social-democrata de centro-direita. O seu entusiasmo oratório e as suas posturas radicais (nomeadamente os ataques contra a centenária comunidade cigana lusitana, acusada de viver de ajudas do Estado) colocaram-no imediatamente na extrema direita do partido e valeram-lhe o estrelato mediático. A política local é apertada. De imediato tenta subir ao topo do PSD contra Rui Rio. Mas no final decidiu seguir sozinho e em 2019 fundou o Chega.

As linhas partidárias são claras e dão um espaço ideológico a este populismo que não existia em Portugal: um estado leve, uma taxa fixa de 15%, a luta contra a imigração, a castração química de violadores e pedófilos, mais poder para a polícia. A estreia nas eleições legislativas de 2019 é em claro-escuro, o Chega obtém 70 mil votos. Mas o consenso sobe para os seguintes escritórios administrativos. Ventura usa as redes sociais profissionalmente, levanta o tom da polémica para ganhar terreno: propõe “mandar para casa” a deputada Jaocine Katar Moreira, natural da Guiné-Bissau, culpada de ter proposto recenseamento de obras de arte de ex-colónias em Portugal para enviá-los de volta aos seus países de origem. Ele foi multado duas vezes pela Comissão para Igualdade e Discriminação Racial por suas duras observações contra os ciganos, para as quais sugeriu confinamento médico em campos ad hoc. Ele se demitiu de seu estúdio Finpartner devido à controvérsia sobre questões de “planejamento tributário” (também conhecido como evasão) sugeridas aos clientes. Consenso na ultradireita no exato momento em que os ataques raciais aumentam no país, manifestando-se contra as procissões “Black Lives Matter”. Candidata-se às eleições com um lema divisivo: “Serei de vez o presidente dos portugueses” e não, claro, parasitas e aproveitadores. E no final, ele conseguiu o máximo de pontos, quase 500.000.

Como ele vai usá-los agora? No resto da Europa, a centro-direita – Angela Merkel docet – isolou recentemente os populistas. Em Lisboa, porém, as coisas podem ser diferentes: o Chega já deu uma espécie de apoio externo aos social-democratas dos Açores para arrancar o arquipélago à esquerda depois de duas décadas. Uma aliança “pontual” que, no entanto – em caso de repetições – poderá afectar o futuro político de Portugal.

Cooper Averille

"Praticante de cerveja incurável. Desbravador total da web. Empreendedor geral. Ninja do álcool sutilmente encantador. Defensor dedicado do twitter."

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.