Preços da gasolina, Volkswagen quer se mudar para Espanha e Portugal- Corriere.it

As deslocalizações industriais no momento da crise energética: uma nota da Volkswagen anuncia que a produção na casa de Wolsburg pode mudar para as costas onde o gás chega com uma continuidade razoável, nomeadamente Portugal e Espanha. Um desejo que poderia se materializar à luz do misterioso acidentes que afectam actualmente os gasodutos Nord Stream 1 e 2. O anúncio é também um sinal da quadro geopolítico modificado causado pela guerra russo-ucraniana.

Em crise, devido às incertezas energéticas, há fábricas alemãs e também aquelas que a gigante alemã controla no Leste Europeu (República Checa e Eslováquia, quase inteiramente dependentes de suprimentos de Moscou). “Como alternativas de médio prazo – diz uma nota da empresa -, apostamos numa maior transferência de capacidade produtiva ou em alternativas técnicas, à semelhança do que já se pratica no âmbito das questões relacionadas com escassez de semicondutores e outras interrupções recentes na cadeia de suprimentos.”

Volkswagen foco em mim Países que usam mais regaseificadores e importação de gás natural liquefeito: a empresa já controla fábricas em Portugal, Espanha e Bélgica e a produção poderia ser realocada para esses países. No quadro atual, o funcionamento das fábricas alemãs deverá ser garantido pelos próximos 5 a 6 meses (Berlim anunciou recentemente que atingiu 90% de sua capacidade de armazenamento) Então saia a partir de junho entraremos em um cone de incerteza.

Toda a cadeia de suprimentos automotiva está ameaçada: não só a montagem de veículos, mas também o fornecimento de peças individuais e materiais. “Os políticos devem conter a explosão atualmente descontrolada dos preços do gás e da eletricidade”, disse ele. Thomas Steg, chefe de relações externas negócios – caso contrário, as pequenas e médias empresas que consomem muita energia, em particular, terão grandes problemas na cadeia de abastecimento e eles terão que reduzir ou parar a produção“.

A economia alemã como um todo enfrenta um aumento dos custos de produção – conforme relatado pela agência Bloomberg – 46% e outras empresas poderiam seguir o exemplo da Volkswagen: um estratégia semelhante foi proposto por gigante de plástico Covestro que, no entanto, olha para a Ásia. Outras fábricas estão considerando mudar seu mix de energia extraindo mais carvão e petróleo.

Irvette Townere

"Especialista em mídia social premiado. Viciado em viagens. Especialista típico em cultura pop. Analista vitalício. Amante da web."

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *