preso por corrupção que avaliou sua candidatura

Roman Abramovich, aqui está um novo episódio sobre a vida do oligarca russo. Com uma história de detetive: um rabino que ajudou o bilionário russo a obter a cidadania portuguesa foi recentemente proibido de sair Portugal e deve relatar às autoridades mediante solicitação. Daniel Litvak foi preso como parte de uma investigação sobre como a cidadania foi concedida ao mesmo proprietário do chelsea, o clube de futebol de Londres. Na verdade, ele investiga o processo de naturalização de vários judeus. Na sexta-feira, Abramovich foi sancionado pela Grã-Bretanha em resposta à invasão russa deUcrânia.

Abramovich, 55, é dono do Chelsea e é um dos sete oligarcas sendo atingido por novas sanções, incluindo congelamento de bens e proibições de viagens. A Premier League o desqualificou como gerente do clube. Abramovich obteve a cidadania portuguesa em abril de 2021 ao abrigo de uma lei que oferecia naturalização a descendentes de judeus sefarditas, expulsos da Península Ibérica há mais de 400 anos durante a Inquisição.

Abramovich, o iate Solaris (600 milhões) atraca em um “refúgio de paz” em Montenegro após 4 dias de fuga

Oligarquias russas, dois mega iates de Abramovich fugindo de sanções: é para onde ele os leva para evitar seqüestro

Os candidatos à cidadania portuguesa por esta via são avaliados por especialistas de uma das comunidades judaicas portuguesas em Lisboa ou no Porto. Litvak é o rabino da comunidade do Porto e foi o responsável pela avaliação da questão de Abramovich. Litvak foi preso pelas autoridades quando estava prestes a partir para Israel. Ele foi solicitado a entregar seu passaporte e terá que se apresentar periodicamente às autoridades. A polícia judiciária portuguesa e o procurador disseram na sexta-feira que havia suspeitas de branqueamento de capitais, corrupção, fraude e falsificação de documentos no processo de concessão de cidadania a descendentes de judeus sefarditas.

A comunidade judaica do Porto negou quaisquer acusações e disse ter sido alvo de uma campanha de difamação. As autoridades locais acrescentaram que Litvak supervisiona o departamento que garante a certificação da herança judaica sefardita de um indivíduo e que os critérios usados ​​para conceder a cidadania portuguesa a alguém foram aceito por sucessivos governos.

A HISTÓRIA – Há uma história pouco conhecida de judeus sefarditas na Rússia, embora Abramovich seja um sobrenome comum de origem judaica Ashkenazi. As genealogias dos candidatos são verificadas por especialistas num dos centros judaicos portugueses. O centro do Porto, onde Litvak é na verdade o rabino, ficou a cargo da tratar Verificação de Abramovich. A promotoria abriu a investigação em janeiro. Uma fonte do governo português disse à Reuters que a cidadania de Abramovich pode ser revogado dependendo do resultado da investigação.

Cooper Averille

"Praticante de cerveja incurável. Desbravador total da web. Empreendedor geral. Ninja do álcool sutilmente encantador. Defensor dedicado do twitter."

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.