Pressão financeira sobre os negócios de Putin. Empresas chinesas agora correm risco de sanções – Corriere.it

Faz apenas dois meses desde que Berlim reteve os Estados Unidos, a Itália e os outros países do G7 na ideia de colocar um limite nos preços do petróleo russo. No entanto, parece uma eternidade. Hoje, o Grupo dos Sete parece muito próximo de um acordo neste ponto e, se o fizer, será um ponto de inflexão. Auto Governo de Olaf Scholz mudou de ladoé porque ele tem muito pouco a perder desde Vladimir Poutine não há movimentos proibidos. Na tentativa de colocar a Alemanha ou a Itália de joelhos, o líder russo está pronto para racionar o único produto de exportação que a Europa ainda não tocou. Mas, historicamente, não é este último – o gás – que fornece a maior parte da receita orçamentária do Kremlin. A energia responde por quase metade do orçamento do governo em Moscou, mas em tempos normais, Putin deve esses fluxos financeiros em grande parte ao petróleo.

É com a exportação de petróleo bruto que Putin cobre há anos as despesas de seu aparato militar altamente corrupto. e segurança de 100 bilhões de euros por ano. É com o que paga aos “voluntários” da guerra ucraniana dez vezes o salário médio das províncias mais pobres, para os convencer a alistar-se. E é sempre com as receitas do petróleo que Putin compensa as famílias dos caídos com somas tão altas que as enriquecem – em comparação com os vizinhos de suas aldeias na Rússia profunda – e clorofórmio a disputa.

Por todas essas razões, um teto de preço do petróleo russo pode ser um divisor de águas com consequências imprevisíveis. Desestabilizador para o Kremlin e para o equilíbrio cada vez mais precário do sistema internacional. De fato, mais do que qualquer outra sanção, esta medida pode aproximar no tempo o estrangulamento financeiro de Moscou: especialmente porque os fluxos de gás para a União Européia estão agora reduzidos ao mínimo. Mas se a decisão do G7 é um ponto de viragem, é também porque marca a globalização desta guerra económica entre Moscovo e o Ocidente. Não é por acaso que o Kremlin reagiu imediatamente ontem, designando os Estados Unidos como parte no conflito ucraniano e congelando imediatamente o gasoduto Nord Stream 1 para a Alemanha, em uma tentativa extrema de enlouquecer os preços e, assim, causar o colapso da economia da Europa.

Certamente, os desenvolvimentos destes dias estão acelerando a globalização do conflito para a Ucrânia porque, desta vez, as consequências podem atingir China, Índia e outros países neutros ou próximos de Moscou. O teto do preço do petróleo decidido pelo Ocidente só funcionaria de fato graças à ameaça de sanções contra empresas de qualquer outro país que violassem as regras indicadas pelos Estados Unidos, União Européia, Japão, Canadá e Grã-Bretanha. Em essência, o G7 busca forçar todos os países do planeta a compartilhar o mesmo cordão sanitário que a Europa e os Estados Unidos já impuseram à Rússia.

O “teto”, se todos os países da União Européia o aprovarem, funcionará de fato exatamente como as sanções contra o Irã. Se uma empresa chinesa, indiana ou sul-africana comprar petróleo russo a um preço acima dos níveis máximos indicados pelo Ocidente como aceitáveis, perderá o acesso à Europa e aos Estados Unidos. Especificamente, perderia o acesso aos mercados do dólar e do euro. É o mesmo tipo de ameaça que pesa hoje, por exemplo, sobre os bancos europeus que deveriam fazer negócios com Teerã: eles sabem que seriam cortados dos mercados americanos, por isso se abstêm.

Em essência, o G7 está desencadeando a ameaça de punir empresas de todos os países neutros ou aliados da Rússia, China em particular. É sempre possível que a partir de dezembro tentem contornar os constrangimentos com pagamentos ocultos ou offshore, sobretudo se o governo de Pequim der indicações nesse sentido. Mas as consequências da guerra na Ucrânia devem envolver sistemas de inteligência em todo o mundo, alguns para caçar qualquer empresa que fuja das sanções, outros para ajudá-los a fazê-lo. O que é certo é que os efeitos já se fazem sentir. A empresa de tecnologia chinesa Huawei, por exemplo, parou de assinar novos contratos na Rússia por medo de ficar de fora dos mercados europeus.

Leigh Everille

"Analista. Criador hardcore. Estudioso de café. Praticante de viagens. Especialista em TV incurável. Aspirante a fanático por música."

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *