Quais países europeus são mais e menos pró-Ucrânia? O relatório SWG e o caso italiano

Cidadãos de estados europeus são esmagadoramente a favor do envio de armas para a Ucrânia, de acordo com uma pesquisa Euroskopia-Swg. Mas na Itália, os opostos prevalecem. Aqui estão os dados e comparações

Uma pesquisa recente realizada em nove países europeus, incluindo a Itália, coleta as opiniões dos cidadãos sobre algumas questões delicadas relacionadas à guerra na Ucrânia e traz de fato uma clara linha pró-Kiviv, mas com algumas distinções e nuances marcantes que, por exemplo, , conduzem às posições à la Orsini, ou seja, à paz a mudança da cessão dos territórios ocupados à Rússia.

A pesquisa Euroskopia-Swg

Coordenado pela rede Euroskopia, o inquérito – aqui os resultados completos no relatório fornecido pelo SWG, o representante italiano da rede – foi realizado entre 28 de novembro e 12 de dezembro de 2022 em uma amostra representativa (9.000 indivíduos) da população dos cinco países mais populosos (Alemanha, França, Itália, Espanha , Polónia) mais os Países Baixos, Áustria, Grécia e Portugal.

Assim composta, a amostra representa 77% dos cidadãos da União Europeia e, portanto, uma parte mais do que significativa da sua população.

Enviar armas para a Ucrânia: os europeus são a favor, mas na Itália a oposição vence

Esta é uma imagem de forte apoio a Kyiv e à decisão dos governos da UE fornecer-lhe armas o que emerge das respostas da amostra à pergunta “Seu país envia armas para a Ucrânia. Você concorda ou discorda dessa decisão? “.

A média dos nove países pesquisados ​​mostra que os torcedores superam claramente os desfavoráveis ​​(56%) (34%).

Mas as diferenças entre os diferentes países são marcadas: de um lado temos realidades como a Holanda (81% a favor), Áustria (80%), Portugal (74%), França (65%) e Polónia (64% ) onde a opinião pública é claramente tendenciosa a favor do envio de equipamento militar; de outro, dois países como Itália (45% a favor e 46% contra) e Grécia (38% e 60%) cujas opiniões se invertem em direção ao pacifismo.

Paz em troca de território: vence quem quiser fazer a Ucrânia beber a taça amarga

Se na frente do embarque de armas a maioria dos cidadãos europeus toma partido em posições pró-governo, há uma opinião claramente dissonante sobre o preço de uma eventual paz entre a Rússia e a Ucrânia.

Quase metade dos entrevistados (48%) concorda com a afirmação “A guerra na Ucrânia deve terminar, mesmo que a Ucrânia desista de parte de seu território”. Pelo contrário, apenas 32% relutam em fazer a Ucrânia aceitar uma opção, a da paz em troca da cessão de territórios, que vê o governo ucraniano firme na sua recusa.

Também aqui existem diferenças entre os diferentes países. Na Áustria (64% concordam e 17% discordam), Alemanha (60 e 22%) e Grécia (54 e 31%) os partidários da transferência de territórios são a maioria absoluta, enquanto na Itália e na Espanha chegam a 50%. Em contraste, encontramos a Holanda (26 e 48%), Polónia (28 e 42%), França (43 e 33%) e Portugal (40 e 45%) onde o rácio entre os e os contras se inverte a favor de o último.

Ucrânia na UE: apoio total, mas com algumas rachaduras

Em média, nada menos que 60% dos cidadãos europeus saúdam a adesão da Ucrânia à UE, contra apenas 25% que se opõem. O caminho traçado pelas instituições europeias, que já abriram um caminho preferencial para Kyiv no ano passado, vê, portanto, a opinião pública mais do que de acordo.

Mas se dividirmos os dados por país, descobrimos que há áreas do continente onde os cidadãos estão mais em conflito. É certamente o caso da Áustria (47% a favor e 42% contra) e da Itália (49 e 30%), onde o consenso sobre a hipótese de entrada da Ucrânia na UE já não é maioritário e esbarra num número substancial de céticos. .

Por outro lado, Alemanha (60 e 31%), França (59 e 26%), Holanda (58 e 25%) e Grécia (54 e 39%) mantêm-se favoráveis.

Pelo contrário, em Portugal (78 e 11%), em Espanha (70 e 18%) e na Polónia (78 e 13%), a relação entre prós e contras faz com que os primeiros prevaleçam claramente.

Restaurar as relações energéticas com a Rússia após o conflito. Os europeus são contra, mas não na Grécia e na Áustria

A hipótese segundo a qual seu próprio país poderia voltar a importar gás russo após a assinatura de um acordo de paz é contestada por uma relativa maioria da opinião pública (35% a favor e 46% contra).

No entanto, existem diferenças claras entre os nove países em que a pesquisa foi realizada. Na Polónia, por exemplo, apenas 13% são a favor contra quase 60% contra. Cidadãos da Holanda (25 e 54%) e de Portugal (26 e 51%) também são mistos.

Enquanto na Itália (40 contra 43%) e na Alemanha (44 e 43%) os prós e contras são quase iguais, na Grécia (64 contra 28%) e na Áustria (52 contra 36%) a maioria absoluta dos cidadãos está inclinada a retomar contatos e negócios com a Federação Russa.

Gráficos SWG

Ucrânia

Ucrânia

Ucrânia

Ucrânia

ASSINE A NOSSA NEWSLETTER

Inscreva-se em nossa lista de e-mail para receber nossa newsletter

Registo realizado com sucesso, deverá receber um e-mail com o qual deverá confirmar o seu registo. Obrigado da EnergiaOltre!

Erro

Leigh Everille

"Analista. Criador hardcore. Estudioso de café. Praticante de viagens. Especialista em TV incurável. Aspirante a fanático por música."

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *