que são as rainhas da Europa após um mês de partidas

Num primeiro mês de época que registou as dificuldades de muitos grandes nomes do futebol europeu, há também quem soube dar o salto na perfeição, confirmando as expectativas mas também desmentindo as previsões do dia anterior. O Real Madrid na La Liga, o Benfica na Primeira Liga portuguesa e a Antuérpia na Pro League belga são as três equipas que, neste momento, lideram a tabela nas respetivas ligas ainda com todos os pontos.

real Madrid

Os “galácticos” ainda estão lá. Canibalizar o futebol europeu, depois dos campeões conquistados no Stade de France no final de maio e da Supercopa da Europa levantada contra o Eintracht em Helsinque no início de agosto. Svecchiano (via Isco, Bale e Marcelo), trocam (via Casemiro por 70 milhões para o United, para Tchouameni comprado pelo Mônaco por 80), fazem negócios de topo (Rudiger do Chelsea) e continuam a ganhar. Sem nunca se cansar de exercer essa dominação às vezes frustrante para quem quer questioná-la. Como acontece novamente este ano: na La Liga seis jogos e dezoito pontos, completados por um derby vencido no Wanda Metropolitano contra o Atlético, dois jogos sem sofrer golos na Liga dos Campeões com um corte de 3-0 na Escócia no Celtic e um 2- 0 em casa para o Leipzig. . Na liga, trovejando no pôquer no Celta de Vigo e Mallorca, pragmático em Almeria e implacável no Power-8 Stadium em Barcelona, ​​​​com o próximo Ballon d’Or Benzema para resolver o desafio contra o Espanyol ao marcar dois gols na recuperação . Tudo dirigido por Carlo Ancelotti no banco: posando com um charuto entre os lábios – aquele que não fuma – entre seus jogadores após um título conquistado, um convidado inesperado na casa de Rudiger para jantar poucas horas após a chegada do zagueiro alemão em Madrid, número um na formação número um. Que permanece, é claro, aquele com o qual será obrigatório lidar para colocar o nome na lista de honra de um concurso que o contempla entre os participantes.

Benfica

É, por si só, o time mais virtuoso da Europa, com mais de 600 milhões de ganhos em pouco mais de duas décadas (de Di Maria, vendido ao Real por 33 milhões em 2010 a Darwin Nunez, vendido ao Liverpool neste verão por 75) adotando um protocolo simples: pescar nas ligas menores – Jovic, Lindelof, Oblak – e na América do Sul – David Luiz, Ederson e Ramires – além de trabalhar lucrativamente no cantera – Renato Sanches, Bernardo Silva, João Cancelo, João Félix, Ruben Dias, Gonçalo Guedes e Nelson Semedo – para depois revender o “produto acabado” aos melhores clubes a preços por vezes exorbitantes. Nos últimos três anos houve apenas uma Supertaça de Portugal na vitrine, vencida a 4 de agosto de 2019 contra o Sporting, mas a sensação é que este ano o jejum pode parar: 7 em 7 dizem isso no campeonato com apenas três metas. sofrido, e o caminho aberto na Liga dos Campeões, onde o Águias apuraram o Midtjylland e o Dínamo de Kyiv na qualificação e bateram o Maccabi e a Juventus no Grupo H. No banco de suplentes está o antigo PSV alemão Roger Schmidt, na presidência do Presidente Rui Costa, em campo – inútil dizê-lo – muitos jovens promissores: mantenham-se de olho no argentino Enzo Fernandez, o atacante que cresceu no berçário Gonçalo Ramos – já com seis cruzamentos em 11 partidas – e no zagueiro brasileiro Morato, pouco mais de sessenta anos em três e para quem uma inclusão iminente na lista de compras dos melhores clubes está se aproximando. Soma-se a isso a experiência de um totem como o argentino Otamendi e os regenerados meio-campistas Draxler e João Mario, o primeiro expurgado do PSG e o segundo desmascarado como artilheiro (já cinco gols).

Antuérpia

Coração belga, tração holandesa em campo, no banco e como treinador. São os líderes de Antuérpia da Pro League, com muitos pontos com um irrefutável nove em nove e vinte e sete pontos na classificação, que fazem sonhar os torcedores vermelhos e brancos: muito poucos, aliás, aqueles que podem contar o último scudetto . – conquistada em 1956/57 – a que se seguiram duas Taças da Bélgica no meio século seguinte, a última levantada ao bater o Bruges em agosto de 2020. O tom alaranjado da Holanda pode ser visto na caixa do organograma reservada ao diretor desportivo, na qual é o nome de Marc Overmars, mas também no banco ocupado por Mark Van Bommel, que após os esquecíveis dois meses ao leme do Wolfsburg (exonerado em outubro de 2021 após três empates e cinco nocautes) volta a ser timoneiro dos Corujas. Com a queda na Liga da Conferência – eliminação no play-off pelas mãos dos turcos de Basaksehir, depois culminação no grupo da Fiorentina – que sem dúvida possibilitou assumir ainda melhor a liderança do campeonato. Onde a produção do grande gol é confiada a um de seus compatriotas, é Vincent Janssen que voltou ao velho continente depois de três anos no México e merece outra chance na seleção. Para os amantes do canto amarcord, no ramo de fazer lenha há dois velhos conhecidos no meio europeu como Toby Alderweireld (ex-coluna do Tottenham e 121 fichas com a camisa belga) e o “Ninja” Radja Nainggolan. Objetivo primeiro lugar, e talvez encontrar a Liga dos Campeões que Antuérpia não joga desde 1957: sonhar com isso este ano é legítimo.

Leigh Everille

"Analista. Criador hardcore. Estudioso de café. Praticante de viagens. Especialista em TV incurável. Aspirante a fanático por música."

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.