Quem é o líder de extrema-direita português André Ventura?

Ex-comentarista desportivo, ex-professor de direito, seminarista (ainda que por alguns anos) e líder do partido de extrema-direita Chega (Basta), André Ventura é um dos candidatos às próximas eleições presidenciais portuguesas, marcadas para 24 de janeiro.

Ventura, porém, não é um político como todos os outros. A sua entrada no parlamento português em 2019 foi saudada pela maioria dos cidadãos como uma surpresa (não totalmente bem-vinda): o Chega é a primeira formação de extrema-direita a ocupar o corpo legislativo português desde o fim da ditadura de António por Oliveira Salazar .

O partido de Ventura obteve apenas 1,3% dos votos nas eleições legislativas de outubro, mas a popularidade do Chega cresceu nos últimos meses. Segundo sondagens divulgadas por vários meios de comunicação social portugueses, a formação de extrema-direita podia contar com 8 a 10% dos eleitores na corrida presidencial. Um resultado certamente não satisfatório, mas que não desanima Ventura, cuja vontade é ir às urnas com Marcelo Rebelo de Sousa, presidente cessante do Partido Social Democrata (PSD) e provável vencedor das próximas eleições.

As ideias políticas de Ventura
André Ventura iniciou a sua carreira política no PSD, a formação portuguesa de centro-direita, mas em 2019 decidiu deixar o partido e fundar o seu. Conforme relatado por El País, o chefe do Chega considerou que o PSD não foi capaz de responder às exigências dos cidadãos em matéria de segurança, criminalidade, justiça e imigração. Slogans, os de Ventura, que lembram os de outras formações de direita na Europa e nas Américas. O líder do Chega, no entanto, rejeita a definição de partido de extrema-direita, preferindo a de uma formação anti-sistema que se opõe a uma classe política decadente e corrupta.

Certamente, o Chega é a força mais conservadora no Parlamento e Ventura – como escreve o jornal português VISÃO – tem laços estreitos com os movimentos neopentacostais de Portugal, tanto que alguns pastores até convidaram os fiéis a votar nele. Ventura, de fato, prometeu defender os valores cristãos e a família composta por homens e mulheres, se manifestou contra o aborto – ao mesmo tempo que se diz contra sua criminalização – e pediu o estabelecimento de castração química para pessoas condenadas por pedofilia.

No plano económico, Ventura define-se como um liberal: propôs repetidamente a privatização de sectores como a saúde e a educação, é a favor da introdução de um imposto de montante fixo 15% e quer abolir o Rendimento Social de Integração (RSI), um apoio económico concedido pelo Estado a pessoas em dificuldade. Ventura, entre outros, não esconde o desejo de alterar a Constituição portuguesa, que entrou em vigor com o fim da ditadura: como o próprio disse em entrevista ao canal TVI21, o presidente deveria ter mais poderes, nomeadamente na escolha de ministros.

O que mais preocupa, no entanto, são suas posições contra os migrantes e os ciganos. Ventura, conforme relatado As novidades de Portugal, foi multado pela Comissão para a Igualdade e Contra a Discriminação Racial por discriminar a comunidade cigana residente em Portugal. Recentemente, chegou também a propor um “confinamento especial” para os ciganos, que segundo ele não respeitam as regras de prevenção impostas para lidar com a pandemia de coronavírus.

Uma Europa para reformar
A batalha de Ventura contra a imigração está intimamente ligada à ideia de Europa do candidato à presidência. Segundo o líder do Chega, “não podemos acolher todos os barcos que chegam às costas europeias” e temos de defender as identidades nacionais dos Estados-Membros. “A UE pertence aos europeus, aos que trabalham e pagam impostos e não aos que vêm à Europa e aproveitam os sistemas de bem-estar social”, disse Ventura durante a campanha eleitoral.

A nível europeu, o candidato de extrema-direita faz parte do partido Identidade e Democracia, que inclui também a Lega di Matteo Salvini e o rali nacional por Marine Le Pen. Não é por acaso que os dois dirigentes fizeram propaganda a favor de Ventura, elogiando a sua entrada no Parlamento e vendo nele mais um aliado no processo de revisão da Europa. Como o próprio Salvini escreveu no Twitter, entre os dois líderes haveria “harmonia no trabalho, nas pensões, na imigração, na segurança, na defesa da Europa contra o extremismo islâmico. Será um prazer trabalharmos juntos”.

No entanto, Ventura é, à sua maneira, um defensor da União, da qual não pretende sair desde que a identidade portuguesa e o Estado-nação sejam sempre respeitados e protegidos no quadro europeu. Além disso, segundo o líder do Chega, a UE deve fortalecer-se económica e militarmente, mas primeiro é necessário estabelecer regras comuns “que não sancionem Portugal por défice excessivo enquanto o mesmo comportamento é perdoado à França”.

As eleições
Ventura, como referido, ambiciona ir às urnas e tornar o seu partido o terceiro mais votado em Portugal, mas segundo as sondagens o presidente em exercício, o social-democrata Marcelo Rebelo de Sousa deve vencer facilmente as próximas eleições com um claro distanciamento dos seus adversários . As posições expressas pelo Chega são excessivamente conservadoras para o atual eleitorado português, ainda que o seu crescimento face a eleições legislativas passadas seja um sinal que não deve ser descurado.

Cooper Averille

"Praticante de cerveja incurável. Desbravador total da web. Empreendedor geral. Ninja do álcool sutilmente encantador. Defensor dedicado do twitter."

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.