“Quem mora aqui apoia Putin, e os negócios são sempre bons”

O conflito na Ucrânia ainda não perturbou a vida e os hábitos dos russos. Pelo menos é o que nos contaram dois restaurateurs italianos que vivem e trabalham em Moscou e Chelyabinsk (cidade na encosta sul dos Urais, não muito longe da fronteira com o Cazaquistão) e que pretendem permanecer na Rússia, apesar da “Guerra Fria”. . “, passamos a expressão, que se abriu para o Ocidente e o real em andamento em Kiev.

Se para as agências de rating há um perigo iminente de que o país liderado por Putin enfrente um default técnico, o peso das sanções ainda não derrubou a economia real. Então, pelo menos isso garante quem está lá. Os restaurantes estão cheios? Claro que “não estamos sob cerco”, diz Ivan, que vive e trabalha em Moscou, onde é dono de uma pizzaria e trabalha como consultor de restaurantes. “Aqui a vida está normal, houve uma ligeira queda de clientes, mas estamos a falar de cerca de 10%”, uma queda que segundo o empresário é mais uma componente psicológica do que dificuldades económicas reais. “Então eu não leio o futuro”, ele especifica, “não sei o que vai acontecer em um mês ou três meses”.

É verdade que os preços dos produtos importados já aumentaram. Também para o colapso do rublo. Um exemplo é o da farinha: “Eu costumava comprar um saco de 2,5 kg por 2.500 rublos, agora é vendido por 8.000 rublos. Todas as importações aumentaram 150-200%. Já estou a preparar-me para fazer menos do que os produtos europeus porque não podemos trabalhar com estes preços.” Deve ser feita uma discussão à parte sobre os enchidos “dos quais 90% já estavam sob sanções”, mas foram importados de Saint-Marin, e que agora , após o novo endurecimento, quer começar a produzir diretamente no local. E a vida na Rússia? “Até agora, posso dizer que tive muito mais problemas na Itália do que aqui, o trabalho é muito mais flexível e há menos burocracia . Aqui, fazer negócios é muito mais fácil: quem quer trabalhar não fica desempregado, sai do emprego. e é contratado em outro”.

“O povo apoia Putin”

Na Itália, Ivan não tem intenção de voltar. Mesmo agora que a Rússia está isolada do Ocidente (e além). “Estou convencido de que aqueles que estão no governo poderão elevar a fasquia, continuo acreditando nesta nação”. E a guerra na Ucrânia? “A Rússia não está travando uma guerra contra o povo ucraniano, minha equipe me disse que tem parentes e familiares no Donbass. As pessoas lá são ajudadas por soldados russos.” Com base em sua experiência, Ivan argumenta que os cidadãos russos são amplamente a favor da ofensiva ordenada por Moscou: “Há dissidentes, mas 85% da população apoia Putin”, ele nos diz (uma pesquisa independente da Russian Field estima um percentual de 58,8%, com picos de mais de 70% entre aqueles com mais de 60 anos, enquanto o apoio cai para 41,7% entre os 18-29 anos).

Na Rússia, diz o dono do restaurante, “as pessoas comuns estão tristes com o que está acontecendo”. Sobre o ataque lançado por Moscou, Ivan tem uma posição que coincide substancialmente com a linha do Kremlin. E que relatamos para o registro. “Russos e ucranianos são povos irmãos, a maioria dos meus clientes e meus colegas têm um parente lá”, mas “esta operação era inevitável para resolver um problema agora gangrenoso” porque o governo ucraniano “queria eliminar a raça russa no Donbas”.

Luigi, dono de restaurante na Rússia: “Aqui a vida é normal”

Para entender como você vive na Rússia, coletamos o depoimento de outro expatriado italiano, dono de três pizzarias em Chelyabinsk, uma cidade que não dirá muito para a maioria das pessoas, mas que tem 1,3 milhão de habitantes e que é a capital de um oblast tão grande como Portugal. . Luigi decidiu sair depois de perder o emprego. “Acabei de me casar com uma russa e aos 46 anos me vi deslocado. Na Itália não encontrei nada, aqui a situação é completamente diferente, não falta trabalho, além disso às vezes tenho dificuldade em encontrar funcionários.

Depois de se formar como pizzaiolo na Itália, Luigi abriu sua primeira pizzaria em 2017 com um sócio e depois decidiu criar seu próprio negócio. O negócio está bom agora. “Eu trabalhei meu caminho, registrei minha marca e agora tenho um nome e uma posição.” Luigi diz que não sentiu muito o peso das sanções, também porque “eu tento usar produtos zero milha que vêm desta cidade” ou do resto do país. “Eu costumava importar presunto de San Marino, agora que se tornou um problema vou usar atum defumado que é muito popular e fica ótimo na pizza.” A vida na Rússia é normal. “Nos dois primeiros dias alguns clientes tiveram problemas com pagamentos eletrônicos, mas agora está tudo resolvido. Nos supermercados ainda vendem massas italianas e não vi os caixas eletrônicos atacados. Até o facebook funciona muito bem para mim. Aqui você vive normalmente, é como se nada tivesse acontecido, é o que eu vejo.

Pizzaria-2

“Ninguém fala mal de Putin, os russos culpam a OTAN”

Mas é possível que não haja pelo menos alguma preocupação com o que está acontecendo? “O povo russo está acostumado a um clima um pouco pesado, mas não os vejo preocupados. Ninguém fala de guerras, as pessoas que se sentam à mesa sorriem e querem se divertir. Não tive nenhuma queda nos clientes , ao contrário paradoxalmente, se os restaurantes McDonald’s e Burger King (que, segundo ele, ainda estão abertos, nota do editor) fechassem, eu também poderia ter mais clientes. “. Sobre o que está acontecendo na Ucrânia “Não vi nenhuma manifestação contra Putin”, diz ele. Pelo contrário. “Entre as pessoas que conheço, não há ninguém que tenha falado mal disso.” Propaganda ou não, os italianos na Rússia nos dizem que o chefe do Kremlin ainda é muito respeitado em casa.

Segundo os russos, continua o dono do restaurante, “a culpa desta situação é da NATO, da Europa e dos Estados Unidos. São um povo muito orgulhoso e para eles é também uma questão de dignidade. Para combater os russos é preciso saber, eles não querem a morte de outros povos, mas estão convencidos de que a OTAN quer subjugá-los”. Tal como o seu colega de Moscovo, Luigi também não pensa em regressar a Itália: “Estou perfeitamente feliz nesta cidade e neste país, é um povo pacífico que gosta de se divertir, a Rússia lembra-me um pouco como o Itália dos anos 80 e 90”.

Leia mais notícias na página inicial do Today

Cooper Averille

"Praticante de cerveja incurável. Desbravador total da web. Empreendedor geral. Ninja do álcool sutilmente encantador. Defensor dedicado do twitter."

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.