questões cruciais para o país

Normalmente, o vencedor de um desafio, seja ele qual for, tem direito a um prêmio: não será o caso da coalizão que vencer as eleições políticas de 25 de setembro. De fato, haverá uma série de questões econômicas, sociais e geopolíticas que quase desencorajariam chegar lá primeiro. Feitas as eleições, nomeado o novo primeiro-ministro, nomeados os ministros e subsecretários (e já estaremos no final de outubro se tudo correr bem), duas coisas devem ser feitas imediatamente: a lei das finanças para 2023 e a retomada imediatamente o PNRR que inevitavelmente sofrerá abrandamentos durante estes meses.

Tudo isso em meio a uma situação caracterizada por alta inflação com o inevitável aumento de carrinhos de compras também devido à situação climática: uma mistura social perigosa, certamente alimentada pelos sindicatos, mas também por aqueles que perderam as eleições. Afinal, somos notórios por não termos uma classe política e sindical capaz de colocar os interesses do país à frente de sua própria vantagem, ou seja, de consentir a todo custo sem nunca se preocupar com quem afinal é chamado a pagar a conta .

Então, o que o novo governo terá que fazer? Terá que elaborar uma lei orçamentária que preveja manobras de saldo zero porque os recursos disponíveis já estão todos comprometidos. E a primeira grande despesa será a reavaliação do stock de pensões existente, equivalente a cerca de 310 mil milhões de euros, que diz respeito a mais de 16 milhões de pensionistas a quem se aplicará o mecanismo de reavaliação reintroduzido pelo governo Draghi (recorde-se que do executivo Monti, todos os governos sucessivos reduziram drasticamente a reavaliação das pensões, incluindo o liderado por Giuseppe Conte que hoje, com Maurizio Landini, fala em “dar esmola aos pensionistas”: onde estiveram estes dois campeões nos últimos 15 anos?).

Pois bem, dada uma inflação adquirida no final de julho igual a 6,4%, é mais do que provável uma reavaliação de 7% para 2023 que será integralmente destinada a pensões até 4 vezes o mínimo (cerca de 2.100 euros), para 90% aos de 4 a 5 vezes o mínimo (2.100 a 2.600 euros) e 75% a todos os cheques superiores a 2.600 euros. Custo total de 20 bilhões, que também permanecerá estrutural para os próximos anos.

A estes acrescem nada menos que 6 mil milhões para o financiamento da dívida pública (também estrutural para os próximos anos) tendo em conta, por um lado, o fim do “Quantitative Easing” do BCE e, por outro, o facto de o O BTP de 10 anos rendeu 0,65% em janeiro de 2021, enquanto hoje está em torno de 3% com um spread nos Bunds alemães de cerca de 210-220 pontos.

Por fim, será necessário pelo menos nos primeiros três ou quatro meses do ano, os mais frios, continuar com um mínimo de ajuda às famílias e empresas, desde que a situação energética não se apresse, de modo a tornar necessário o apoio de drags para a maioria de 2023.

Em essência, os vencedores do desafio eleitoral teriam que aprovar uma lei orçamentária de 32 a 35 bilhões totalmente comprometida com a cobertura de despesas emergenciais. Além de impostos fixos, pensões de mil euros por mês (custo 30 bilhões), pensões de mil euros por 13 meses para mães (outro golpe de 10 bilhões), paz fiscal, dote por dezoito anos, ius scholae e outros sonhos semelhantes .
Na realidade, parte da reavaliação das pensões virá sob a forma de imposto sobre o rendimento das pessoas singulares, em particular para os 5 milhões de pensionistas mais capazes, e parte sob a forma de impostos indirectos (IVA e impostos especiais de consumo); e, no entanto, a conta final continua muito alta.

Dito isto, surgem outros problemas graves.

1) Como é possível que de 36,5 milhões de italianos em idade ativa, apenas 23 milhões trabalhem? Na França e na Alemanha mais de 50% da população trabalha, na Itália menos de 39%: nossa taxa de emprego total está na última posição, em 10 pontos percentuais da média europeia (cerca de 70%) e em 15% dos países do norte da Europa .

Se depois atacarmos os problemas do emprego das mulheres e dos jovens, a situação torna-se ainda mais grave. Somos os primeiros na Europa para NEET, jovens entre os 15 e os 34 anos que não estudam, não trabalham nem fazem formação: estamos a falar de mais de 3 milhões de indivíduos, 25,1% dos jovens italianos. Entre nossos concorrentes, a Espanha fica em 18%, a França em 14%, enquanto todos os outros países estão abaixo de 11%.

2) Estamos na liderança das despesas sociais que, incluindo prémios, rondam os 180 mil milhões inscritos no regime de isenção fiscal “negro”, o que obviamente gera mais não declarados; o problema, porém, é que somos “a fábrica dos pobres” porque em 2008 gastamos 73 bilhões e os pobres absolutos eram 2,1 milhões; hoje gastamos o dobro e os pobres absolutos se tornaram 5 milhões. No entanto, não há garçons, salva-vidas, cozinheiros e pessoal altamente especializado. O novo governo terá, portanto, que repensar as políticas sociais, começando talvez pela redução da renda de cidadania e vários subsídios (além do aumento do Naspi e das demissões), ao mesmo tempo em que incentiva quem trabalha a também incentivar novos recrutas.

3) E aqui toma forma um problema no problema. De acordo com análises da OCDE, nos últimos trinta anos, a Itália é o único país que sofreu uma perda salarial média real estimada em 2,9%: um abismo em relação aos países da Europa Oriental. aumentaram 63%, na Dinamarca 39%, na Alemanha 33%, na Finlândia 32%, na França 31%, na Bélgica e Áustria 25% %, em Portugal 14% e em Espanha 6%. Pergunta-se: onde estavam a política e o sindicalismo nesses trinta anos?

4) Quanto à carga tributária, devemos agir com extrema cautela, pois ao insistirmos apenas na isenção tributária das contribuições, correríamos o risco de destruir o sistema previdenciário no longo prazo. Basta dizer que de um salário total dos empregados de mais de 345 bilhões, um desconto de 3% nas contribuições custaria 7,7 bilhões por ano excluindo os “novos escravos”, ou seja, aqueles que declaram uma renda de 35.000 euros no aumento, aqueles que pagam mais de 60% de todos os impostos de renda pessoal (50% dos italianos não pagam um único euro) e que apesar de “puxar o arado”, mesmo com o excelente governo Draghi foram excluídos de todos os bônus.

Em vez da descontribuição, seria melhor actuar na negociação para aumentar a parte da remuneração não sujeita a impostos e contribuições agora fixada em 258 euros, talvez elevando-a regularmente para 516 euros. Além disso, ao introduzir o cheque-transporte estrutural de pelo menos 8 euros por dia (o governo Draghi o introduziu merecidamente, mas apenas por um ano e para os rendimentos habituais até ao limite de 35 mil euros) e aumentar o vale-refeição isento em 12 euros: haveria um aumento estrutural de até 15% para a massa de rendimentos até 25 mil euros.

Com um aviso: chega com a exclusão de rendimentos superiores ao limiar dos 35 mil euros, serviu para dar vida à categoria dos “novos escravos” que pagam por todos. O sistema funcionaria melhor – e isso não é uma opinião – se os futuros governos percebessem isso.

* Presidente do Centro de Estudos e Pesquisas sobre Rotas Previdenciárias

© DIREITOS AUTORAIS RESERVADOS

Beowulf Presleye

"Extremo fanático por mídia social. Desbravador incurável do twitter. Ninja do café. Defensor do bacon do mal."

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.