Relocalização de migrantes. Lamorgese: “Um passo histórico para a União Europeia”

Roma, 5 de agosto de 2022 – Foi dado um primeiro passo concreto para a implementação da declaração política aprovada em 10 de junho no Luxemburgo pelo Conselho Europeu dos Assuntos Internos, que prevê a recolocação anual de cerca de 10.000 migrantes, identificados principalmente entre as pessoas resgatadas no mar na sequência de operações SAR no Mediterrâneo Central e ao longo da rota do Atlântico Ocidental, tendo depois desembarcado nos Estados-Membros de primeira entrada na União.

Entre os 18 Estados-Membros (Bélgica, Bulgária, Chipre, Croácia, Finlândia, França, Alemanha, Grécia, Irlanda, Itália, Lituânia, Luxemburgo, Malta, Países Baixos, Portugal, República Checa, Roménia e Espanha) e os 3 associados à União Europeia União Europeia (Noruega, Suíça e Liechtenstein) que partilharam a declaração política de 10 de junho, França e Alemanha já deram seguimento ao seu compromisso com a formalização de um primeiro pacote de recolocação que afeta os migrantes desembarcados na Itália.

Autoridades francesas estiveram em missão a Cara di Bari, de 28 de julho a 2 de agosto, para verificar a composição de um primeiro grupo de migrantes que serão realocados para o país transalpino. Ao mesmo tempo, as autoridades alemãs anunciaram que estavam prontas para realizar uma missão semelhante durante o mês de agosto.

Assim, está operacional a “plataforma”, elaborada pela Comissão Europeia, através da qual os Estados-Membros e os associados da UE confirmam o seu empenho na recolocação dos migrantes.

“A declaração política aprovada a 10 de junho no Conselho dos Assuntos Internos Europeus representa um passo histórico para a União porque, pela primeira vez, o princípio da solidariedade na gestão dos fluxos migratórios nas fronteiras externas da UE foi partilhado por um grande maioria dos Estados Membros”, disse a Ministra do Interior Luciana Lamorgese.

“Este resultado foi possível graças ao empenho da Presidência francesa e da Comissão – acrescentou o titular do Ministério do Interior – que aceitou integralmente as propostas apresentadas pela Itália e por todo o grupo Med5, composto também por Chipre, Grécia, Malta e Espanha, determinando assim um passo decisivo na difícil tarefa de desbloquear as negociações sobre o pacto europeu sobre imigração e asilo”.

“A Declaração Política de 10 de junho – concluiu o Ministro Lamorgese – marca o início de um processo que visa estabelecer um equilíbrio justo entre responsabilidade e solidariedade na gestão compartilhada dos fluxos migratórios. Estou convencido de que a União Europeia tomou o caminho certo para enfrentar os desafios migratórios e humanitários, como também foi demonstrado nos últimos meses com a resposta conjunta e conjunta à emergência causada pelo conflito armado na Ucrânia que determinou a deslocação de milhões de refugiados na Europa”.

Clique para avaliar este item!

Leigh Everille

"Analista. Criador hardcore. Estudioso de café. Praticante de viagens. Especialista em TV incurável. Aspirante a fanático por música."

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.