Roberto vence. Vietti 2º, amplia a classificação

Décimo primeiro na interrupção, segundo no final da corrida. o corrida louca por Celestino Vietti reflete as performances absurdas e às vezes muito perigosas do Grande Prêmio de Moto2. O piloto da equipe Mooney VR46 é oo único italiano a deixar Portimão mantendo a liderança. No caso dele com um vantagem, ou até aumento, de 34 pontos sobre Ai Ogura. Foi graças a ele que depois da paragem conseguiu explorar a situação mas sem correr riscos desnecessários: “Era importante terminar a corrida” a sua resposta judiciosa. Os riscos eram realmente muito altos, o asfalto molhado, a possibilidade de mais chuvas eram uma ameaça constante. A corrida começou com o tempo desconhecido, em condições muito próximas do limite“Começamos com uma leve garoa e pneus secos”, disse Vietti, que o perseguia na primeira parte. No final, acabou sendo sorte. “Eu estava atrás e vi os outros caindo na minha frente e tive tempo de frear.” Quem estava na liderança não teve a oportunidade de reagir.

A queda máxima

Canet, na frente de todos, foi o primeiro a deslizar no asfalto que de repente se tornou traiçoeiro. Aqueles que o seguiram foram traídos por seu deslizamento, e um após o outro caiu. Nove acabaram no cascalho, com momentos de verdadeiro terror, com as motocicletas jogadas em meio aos corpos dos que haviam caído, alguém também foi atingido. Além de Canet, eles pagaram o preço Beaubier, Arbolino, Fernandez, Ogura, Chantra, Lowes, Arenas e Corsi no balanço uma boa parte do topo do campeonato mundial. Aqueles que conseguiram voltar à garagem a tempo conseguiram alinhar no início da segunda corrida (entretanto a corrida foi interrompida por uma bandeira vermelha), Algumas controvérsias entre os chefes da equipe e a direção da corrida, algumas caras sombrias para quem não conseguiu consertar a moto a tempo (incluindo Tony Arbolino e Lorenzo Dalla Porta) , para Vietti a oportunidade de fechar uma jornada não muito boa. E com Canet, Arbolino, Ogura, Lowes, Chantra (destacado na primeira fração) e Arenas, impedimento (assim como Dixon que caiu logo após a segunda partida), além de Fernandez e até Pedro Acosta (um fim de semana ruim para o espanhol) o piloto piemontês conquistou um segundo lugar que lhe garante a liderança no campeonato mundial. Para o registro, Joe Roberts ganhou, primeiro sucesso para ele na Moto2 e primeira vitória americana, em deslocamento médio, desde a última de John Kocinski, Austrália 1990.

Cooper Averille

"Praticante de cerveja incurável. Desbravador total da web. Empreendedor geral. Ninja do álcool sutilmente encantador. Defensor dedicado do twitter."

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.