Roma levanta a Liga da Conferência em Tirana e vence o Feyenoord por 1-0

Ele pegou, Lorenzo. Roma pegou. A Roma conquista a primeira edição da história da Liga de Conferências. Venceu o Feyenoord por 1-0 com golo de Zaniolo.

Uma chama amarela e vermelha, tanto em Tirana quanto no estádio olímpico. Para a equipa da capital, este é o primeiro troféu da carreira da UEFA. Após seu sucesso na Copa das Feiras de 1961, 61 anos depois, ele ganhou outra copa continental.

José Mourinho – no final em lágrimas – ganha o terceiro título europeu diferente depois da Liga dos Campeões e da Liga Europa. Esta é a quinta das 5 finais que ele venceu em um torneio de longa distância. Um técnico “especial” não poderia ser definido como o melhor. Ele, JM, volta a ganhar uma copa internacional de futebol italiano após a Liga dos Campeões de 2009 com a Inter.

Um jogo apertado, nada fácil, sofrido, mas levado para casa com a marca mínima. Mas isso é o suficiente para o troféu. Isso é o suficiente para derrotar os holandeses, invictos até agora.

O início da corrida aguarda as duas equipes. A tensão de uma final faz com que os jogadores em campo se arrisquem o mínimo possível. A Roma está esperando, tentando aproveitar ao máximo os espaços do Feyenoord na transição. Mas a equipa de Mourinho está absolutamente lá. Ele está apenas esperando o momento certo para atacar. Aos 17 minutos, Mkhitaryan para novamente devido a um problema muscular e é forçado a pedir o troco. Em seu lugar, entra Sergio Oliveira que tem um bom impacto na corrida. De personalidade.

O episódio que destrava a partida se materializa aos 32 minutos. Mancini lança Zaniolo perfeitamente para a área, aos 22 ele o pega, o coloca no chão e com um toque abaixo antecipa o goleiro do Bijlow. A Roma está na frente, a Roma lidera por 1-0 na final em Tirana. O setor cigano está explodindo e até a parte dos albaneses está feliz pelos Giallorossi.

No início do segundo tempo, o Feyenoord começou bem. Aos 2′, poste dos Dressers na esquina. No ressalto, Rui Patrício faz um milagre num remate de perto. Aos 5′, o número um português volta a ser o protagonista. Faz uma bela intervenção numa poderosa direita à distância de Malacia. A bola bate no poste depois de ser empurrada para trás pelo português. Outra fuga estreita. Tão bom. Os holandeses são perigosos em várias ocasiões, mas a defesa da Roma responde golpe a golpe, antes que a bola chegue a Rui Patricio.

Cooper Averille

"Praticante de cerveja incurável. Desbravador total da web. Empreendedor geral. Ninja do álcool sutilmente encantador. Defensor dedicado do twitter."

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.