Ruggero Grava, emigrante do futebol: de Claut ao Grande Torino via Superga

Enzo Ebosse, defensor da Udinese, nasceu e foi criado em Amiens. E no clube da cidade francesa, conhecida pela Catedral de Notre-Dame, viveu os anos de formação do setor juvenil. Foi em 2005 que ele entrou: tinha 6 anos. Ele saiu em 2015, com dezesseis anos e pronto para novos objetivos. O franco-camaronês de 23 anos está amarrado por um fio fino a um Pordenone, um Clautan que é lembrado em Friuli todas as vezes que os bianconeri enfrentam Turim. Foi Revelli Ruggero Grava, centroavante, jogador do Grande Torino, que em 4 de maio de 1949 perdeu a vida no Superga com todo o time. Ele também jogou pelo Amiens, um clube que agora luta por uma subida para a Ligue 1.

Provavelmente Ebosse não conhece a história de Grava, mas isso não é um defeito: pertence a uma época muito distante, embora em seu desenvolvimento tenha temas muito atuais. Revelli Ruggero, em Amiens, jogou apenas uma temporada, a de 1942-1943. Um ano que lhe abriu as portas do futebol “real”. Na França, Grava, chegou lá muito antes, em 1923, um ano depois de seu nascimento. Ela nasceu em Claut, filho de Remo e Giovanna De Zan. Após a Primeira Guerra Mundial, por insistência de sua esposa, Remo se mudou para além dos Alpes, em busca de sua fortuna. Sua família se juntou a ele, Ruggero se tornando Roger. Saint Ouen, agora incorporada em Paris, era a base da família. E o Clautan provou que tem talento para o esporte. O centro Kléber, com seus Sociedade de Preparação e Educação Desportiva, representou o seu “berço”, onde praticou natação, boxe e futebol. Em 1939, o centro Kléber fechou, mas o problema virou oportunidade. Grava foi para o As Roma, time de italianos que residem em Paris. Ele se mostra, ganhando a ligação de Amiens. Ele tinha 20 anos. Com o tempo, foi reforçar o Olympique Roubaix-Tourcoing, com quem conquistou a primeira divisão francesa em 1947. Era um centroavante sólido: seu caminho estava traçado.

Em 1948, primeira viagem à Itália para aperfeiçoar o acordo com o Grande Turim, a formação dos invencíveis que procurava um deputado de Gabetto. Grava fez três partidas: dois amistosos, nos quais marcou um gol, uma partida da Série A, disputada com o Gênova. No dia 4 de maio de 1949, ao regressar de avião deste amistoso “maldito” em Portugal disputado com o Benfica, o avião caiu na colina de Superga. A bordo de toda a equipe do Torino. Seu corpo foi transportado para o pátio principal do Parc des Princes e agora repousa no cemitério de Saint Ouen.

O mito de Grava resistiu e resistiu ao teste do tempo, especialmente em Claut. O campo esportivo leva seu nome. E quem o visitou lembra-se das placas a ele dedicadas, incluindo a que comemora os 60 anos do acidente de Superga. Franco Giordani, cantor e compositor de Clautan, dedicou-lhe uma canção em dialeto: Revelli. “Deixou o Mont Perèse campeão, ninguém já o tinha”, diz um verso: partindo da montanha para se tornar, ninguém a tira. “E é justamente esse aspecto que nos torna os Clautans mais orgulhosos: apesar das dificuldades, partindo de origens humildes, Ruggero conseguiu se tornar campeão”, diz o prefeito de Claut Gionata Sturam.

Grava teria completado um século este ano. Haverá iniciativas para honrar sua memória. Odile, sua irmã, que morreu em novembro de 2021 aos 97 anos, ficaria particularmente orgulhosa. Ela morava na França, mas nunca havia cortado o cordão umbilical que a ligava a Claut. “Ele falava nosso dialeto melhor do que o italiano”, lembra Sturam com um sorriso. A cada iniciativa em memória de seu irmão, ela estava sempre informada. E ele compareceu, enquanto sua saúde permitia. Quando ela não pôde estar lá, ela deixou isso ser conhecido em uma carta. São histórias para contar. A lenda deve continuar.

Henley Maxwells

"Solucionador de problemas. Criador certificado. Guru da música. Beeraholic apaixonado."

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *