Rússia bloqueia acesso ao Instagram, guerra paralela entre Moscou e gigantes sociais

A “cortina de ferro tecnológica” está crescendo. A decisão do regulador de mídia russo entrará em vigor em 14 de março e ocorre depois que a Meta (empresa que também possui o Facebook) optou por permitir que usuários de ambas as redes sociais em determinados países publiquem conteúdo contra os militares russos que invadiram a Ucrânia. , mesmo com mensagens pedindo para matar os invasores. Moscou quer incluir o gigante Zuckerberg entre as organizações extremistas. Enquanto isso, o Twitter está lançando uma versão protegida contra censura

A Rússia, por meio de seu regulador de mídia, decidiu bloquear o acesso ao Instagram. O acesso será bloqueado permanentemente à meia-noite de 14 de março. “Como os usuários ativos do Instagram precisarão de tempo para copiar suas fotos e vídeos para outras redes sociais, notificar seus contatos e seguidores, o regulador Roskomnadzor decidiu concluir o procedimento de bloqueio de acesso ao Instagram em 00 de 14 de março, permitindo 48 horas de um período de transição”, foi anunciado. E imediatamente muitos russos deixam a plataforma. O gabinete do procurador-geral da Rússia cancelou sua conta culpando a “leniência” do Instagram em relação a postagens que incitam à violência (assassinato) de cidadãos da Federação Russa, incluindo militares. “A mesma decisão, anunciada pela agência Tass, também foi tomada pelo Ministério do Interior e pelo prefeito de Moscou, Sergei Sobyanin (EMPRESAS QUE SAEM DA RÚSSIAMOSCOU QUER SAIR DA INTERNET?COMO O RUSSO DEMONSTRA USANDO A TECNOLOGIA PARA ESCAPAR DE DETENÇÕES) Tudo começou com a decisão da Meta (empresa dona do Facebook e Instagram) de mudar sua estratégia permitindo que assinantes de ambas as redes sociais em determinados países publiquem conteúdo contra o exército russo que invadiu a Ucrânia. De acordo com a Reuters, publicações pedindo o assassinato dos invasores e seus líderes serão permitidas na Armênia, Azerbaijão, Estônia, Geórgia, Hungria, Letônia, Lituânia, Polônia, Romênia, Rússia, Eslováquia e Ucrânia (WAR IN UCRÂNIA: ATUALIZAÇÕESO ESPECIALVÍDEOS).

A reação russa

Veja também



Facebook, Twitter e Tik Tok: censura é acionada na Rússia

A Embaixada da Rússia nos Estados Unidos pediu a Washington que ponha fim às “atividades extremistas” do grupo Zuckerberg (o Facebook já foi bloqueado na Rússia). “Pedimos às autoridades que parem as atividades extremistas de Meta e tomem medidas para levar os responsáveis ​​à justiça”, escreveu o perfil da embaixada. Meta, relata a Reuters, também decidiu aliviar a censura em postagens pedindo a morte de Vladimir Putin e Alexander Lukashenko. “Após a invasão russa da Ucrânia, permitimos temporariamente formas de expressão política que normalmente violariam nossas regras. Por exemplo, mensagens violentas como pedindo ‘morte aos invasores russos’ permitem qualquer coisa relacionada à promoção da violência contra civis russos”, Um porta-voz da Meta disse em um comunicado que normalmente é proibido, em uma mudança relatada pela primeira vez no site do The Intercept, o porta-voz da Meta, Joe Osborne, confirmou a exceção “estritamente no contexto da defesa da Ucrânia”.

Moscou quer incluir Meta entre as organizações extremistas

leia também



Rússia, Facebook e Twitter bloqueados. BBC retira jornalistas

Moscou então decidiu agir, e a procuradoria-geral russa exigiu que a Meta, empresa dona do Facebook e do Instagram, fosse reconhecida como uma organização extremista. “O que o Meta está fazendo é chamado de ‘incitação ao ódio racial’, que na lei russa se qualifica como extremismo”, disse o vice-chefe do Comitê de Tecnologia e Comunicações da Rússia, Anton Gorelkin. O Comitê de Investigação da Rússia, que investiga crimes mais graves, disse que as acusações foram feitas “por discurso de ódio contra russos pela empresa americana Meta”. O gabinete do procurador-geral também pediu que o gigante da internet seja reconhecido como “extremista”. “No Instagram – lê-se uma nota do promotor – é publicado material que contém um convite para cometer atos de violência contra cidadãos russos, incluindo militares”.

A guerra entre Moscou e as redes sociais

Moscou sempre teve um relacionamento tumultuado com as mídias sociais. E durante a guerra na Ucrânia tornou-se ainda mais. O Kremlin bloqueia ou limita o acesso a várias plataformas sociais (assim como a várias mídias internacionais). Mas os gigantes da tecnologia contornam a vigilância e a censura na Rússia. O Twitter – já restrito pelas autoridades russas – lançou uma versão com proteção de privacidade, também conhecida como serviço “cebola” (palavra que é o sufixo em vez de .com). Os usuários podem acessar a versão segura se baixarem o navegador Tor, que lhes dá acesso à chamada “dark web”. Uma rede que inclui sites ilegais e/ou criminosos, mas frequentemente usada por pessoas para permanecerem anônimas por motivos de segurança ou para acessar sites censurados por governos.

O papel do TikTok

Um aplicativo que continua funcionando, mesmo com certos limitese é o TikTok e Moscou parece estar usando isso para reforçar sua propaganda. De acordo com uminvestigação por Vice, alguns influenciadores seriam pagos para transmitir conteúdo pró-Kremlin. A razão é que muitos jovens usam esse aplicativo para entender o que está acontecendo na Ucrânia: um fenômeno que até a Casa Branca conhece. É justamente por isso que nas últimas horas Ele tem organizado uma reunião com algumas figuras influentes com o objetivo de fornecer mais detalhes e garantir que seu conteúdo não se transforme em desinformação.

Youtube: pare no Russia Today e Sputnik na Europa

Enquanto isso, o YouTube “começou a bloquear os canais RT (Russia Today, nota do editor) e Sputnik no YouTube em toda a Europa”. Em nota, a plataforma explica: “Desde que a Rússia iniciou sua invasão da Ucrânia, nos concentramos em remover conteúdo que violava (os termos de serviço) e conectar pessoas a notícias e informações verificadas”. O Youtube também anuncia que continuará monitorando a situação de perto e compartilhando atualizações assim que estiverem disponíveis. O YouTube decidiu bloquear o acesso a canais de mídia financiados pelo Estado russo em todo o mundo. O anúncio foi feito pelo porta-voz do YouTube Farshad Shadloo, citado pelo Guardian. “Nossas Diretrizes da comunidade proíbem que o conteúdo negue, minimize ou banalize eventos violentos bem documentados, e estamos removendo conteúdo sobre a invasão russa da Ucrânia que viole essa regra. De acordo com isso, com efeito imediato, também estamos bloqueando canais do YouTube associados com Mídia financiada pelo Estado russo, globalmente”, explicou Shadloo.

Supostos planos de Moscou para se desconectar da internet

leia também



Rússia fora da Internet? Aqui está o que sabemos

Nos últimos dias, surgiram os chamados planos com os quais a Rússia consideraria se desconectar da internet global em breve, no modelo da Coreia do Norte. A indiscrição, divulgada pela mídia bielorrussa Nexta Tv e relançada no Twitter por um perfil atribuível ao Anonymous, foi imediatamente negada por Moscou, que já bloqueia as redes sociais e se opõe à mídia independente com o endurecimento da lei sobre “notícias falsas”. . Moscou parece cada vez mais disposta a perseguir o projeto de uma cortina de ferro tecnológica para compensar os softwares, dispositivos e serviços cortados pelas sanções ocidentais com meios autárquicos. Uma lei, de 2019, deu lugar à sua própria intranet “RuNet” com a qual poderia se autonomizar da Internet global. Há também sua própria rede social, Vkontakte, controlada por empresas pró-governo (diz-se que os usuários ativos são pouco mais de 100 milhões). Ela criou seu próprio mecanismo de busca, o Yandex, no qual filtra informações e publicidade (que agora corre o risco de não ser sancionada).

Cooper Averille

"Praticante de cerveja incurável. Desbravador total da web. Empreendedor geral. Ninja do álcool sutilmente encantador. Defensor dedicado do twitter."

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.