Salas de jogos. Passe Super Green: penalidades pesadas para quem não verifica

Os proprietários de salas de jogos e apostas, à semelhança de todos os estabelecimentos públicos de acesso aos quais seja necessário possuir o super passe verde “são obrigados a verificar se o acesso a estas é efectuado de acordo com as medidas nele previstas, continuando a representar a primeira unidade de controle”.

Isso foi esclarecido em uma circular do Ministério do Interior.

Com o circular de 4 de janeiro de 2022 enviado a todos os prefeitos, o chefe de gabinete Bruno Frattasi lembrou, para fins de atividades de controle, as disposições contidas no decreto-lei de 30 de dezembro de 2021, n. 229 que ampliam o escopo da certificação verde “reforçada”.

Em particular, a partir do próximo dia 10 de janeiro e até ao final do estado de emergência (31 de março de 2022), a posse do passe verde “reforçado” torna-se obrigatória para acesso aos seguintes serviços e atividades:

  • hotéis e outros estabelecimentos de alojamento, incluindo os serviços de restauração neles prestados, ainda que reservados a clientes aí alojados;
  • festivais e feiras, conferências e congressos;
  • celebrações decorrentes de cerimónias civis ou religiosas;
  • aeronaves que prestam serviços de transporte comercial de passageiros;
  • navios e balsas utilizados para serviços de transporte inter-regional;
  • trens utilizados em serviços ferroviários inter-regionais, intermunicipais, intermunicipais noturnos e de passageiros de alta velocidade;
  • autocarros utilizados para serviços de transporte de passageiros, com oferta indiferenciada, realizados na estrada de forma contínua ou periódica num percurso que ligue mais de duas regiões e com percursos, horários, frequências e tarifas pré-estabelecidos;
  • ônibus utilizados para serviços de aluguel com motorista;
  • meios utilizados nos serviços de transporte público local ou regional.

Além disso, a posse da certificação verde “reforçada”, ainda a partir de 10 de janeiro, será exigida para acessar ou utilizar os seguintes serviços ou atividades:

  • teleféricos para fins turísticos e comerciais, mesmo localizados em áreas de esqui;
  • serviços de refeições ao ar livre;
  • piscinas, centros de natação, desportos de equipa e de contacto, centros de bem-estar para atividades ao ar livre;
  • centros culturais, centros sociais e recreativos para atividades ao ar livre.

As disposições que sujeitam o exercício das actividades à posse do passe verde “reforçado” em vez do certificado verde básico, não se aplicam aos menores de doze anos e aos sujeitos para os quais haja contra-indicação clínica à vacinação.

Cooper Averille

"Praticante de cerveja incurável. Desbravador total da web. Empreendedor geral. Ninja do álcool sutilmente encantador. Defensor dedicado do twitter."

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.