São Tomé e Príncipe. Carlos Vila Nova, o presidente “minoritário”

São Tomé e Príncipe. Carlos Vila Nova, o presidente “minoritário”

O recém-eleito, expressão de uma minoria parlamentar e ex-ministro em legislaturas passadas, terá que conviver com um governo que apoiou seu adversário Guilherme Pósser da Costa. É assim que o sistema semipresidencialista

07 de setembro de 2021

Artigo de Luca Bussotti

Tempo de leitura 4 minutos

Carlos Vila Nova é o novo presidente da República de São Tomé e Príncipe, um pequeno estado insular da África Ocidental, antiga colónia portuguesa, conhecido pela sua alternância à frente do governo nacional.

Considerado pela Freedom House e outras organizações internacionais como um país “livre”, viveu momentos difíceis no primeiro turno das eleições presidenciais, com uma provável tentativa de golpe, imediatamente frustrada, e o adiamento (duas vezes) do segundo turno, devido à o recurso apresentado pelo terceiro candidato, o Presidente da Assembleia Nacional, Delfim das Neves.

A segunda volta realizou-se então a 5 de setembro, num ambiente de relativa calma, também devido ao elevado nível de atenção recomendado pelo futuro vencedor, Vila Nova, preocupado com a repetição de situações pouco claras e, explicitamente, possíveis fraudes por parte dos seu adversário. , Guilherme Pósser da Costa, e seus apoiadores, ou seja, todos os partidos no poder.

O Vila Nova saiu vitorioso com cerca de 57% dos votos, confirmando a tendência do primeiro turno, quando obteve 43% dos votos válidos, contra o desafiante Pósser da Costa que parou nos 20%. O novo presidente é membro do maior partido da oposição, a Ação Democrática Independente (ADI), enquanto o perdedor era o candidato oficial do principal partido no poder e ex-partido único, o Movimento de Libertação de São Tomé e Príncipe. ).

O modelo democrático de São Tomé e Príncipe reproduz em grande parte o modelo português (como as outras duas pequenas colónias lusófonas da África Ocidental, Cabo Verde e Guiné-Bissau, mas diferentemente dos “gigantes” angolanos e moçambicanos), com um semi- sistema presidencialista, em que o presidente da república é eleito diretamente pelo povo, mantendo certos poderes limitados, incluindo poderes executivos. No caso de São Tomé e Príncipe, o presidente é o chefe das forças armadas e é ele quem nomeia tanto o primeiro-ministro como o conselho de ministros; ele também representa o país no exterior e tem o poder de declarar tanto o estado de emergência interna quanto o de guerra e paz.

Legislativo em 2022

Este pequeno arquipélago (964 km²) não é novo nas experiências de “coabitação” institucional com um presidente que é a expressão de uma minoria parlamentar. Já em 2011, por exemplo, Manuel Pinto da Costa (Mlstp) tinha sido eleito contra o então candidato maioritário (ADI), Evaristo Carvalho (entre outros, o presidente cessante), apoiado pelo primeiro-ministro, Patrice Trovoada. Agora Vila Nova terá de conviver com um governo que não o apoiou, e também por isso o seu primeiro discurso como presidente – bem como os da campanha eleitoral – sublinhou o desejo de representar todos os cidadãos dos seus países, independentemente de suas inclinações políticas.

Ainda mais do que no primeiro turno, mesmo neste segundo turno a abstenção foi considerável, chegando a quase 35% dos elegíveis (cerca de 123.000 eleitores). Internamente, o Pósser da Costa só obteve maioria em dois círculos eleitorais (Lembá e Lobata), enquanto a contribuição da diáspora foi decisiva: de fato, em todos os círculos eleitorais estrangeiros, Vila Nova triunfou com quase 60%.

Vila Nova não é um político profissional, e talvez isso também tenha funcionado a seu favor. Nascido em 1956 no norte do país, entrou para a política em 2010. Licenciado em engenharia de telecomunicações na Argélia em 1985, o novo presidente participa, como ministro das Obras Públicas, no governo da Trovoada desde 2010 e, quatro anos depois, mais tarde atuou como Ministro de Infraestrutura, Recursos Naturais e Meio Ambiente. Precisamente este passado como ministro da polémica Trovoada foi um dos principais argumentos do seu adversário na campanha eleitoral que obviamente não teve precedência sobre um eleitorado que se mostrava descontente com o actual governo.

Se a tendência também se confirmar nas próximas eleições legislativas de 2022, é provável que a coabitação que se inicia esteja condenada por muito pouco tempo, prenunciando um país hegemonizado pela ADI, o antigo partido único lambendo as feridas a oposição.

Data de eco de direitos autorais (“Y”); ?> © Nigrizia – Para a reprodução total ou parcial deste artigo, entre em contato com a equipe editorial com antecedência: redazione@nigrizia.it

Cooper Averille

"Praticante de cerveja incurável. Desbravador total da web. Empreendedor geral. Ninja do álcool sutilmente encantador. Defensor dedicado do twitter."

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.