Saúde. Sobre o projeto de lei da CNEL sobre esquecimento oncológico – UILPA

O esquecimento oncológico é um direito que ainda não é reconhecido na Itália. Uma pessoa curada de câncer continua a ter problemas práticos como práticas de trabalho, hipotecas, acesso a serviços bancários, financeiros e de seguros que exigem atestados de saúde prévios; os certificados exigidos para o exercício de funções ou atividades de qualquer natureza ou que comprovem em qualquer caso a aptidão física para esse exercício ou o estado de saúde do interessado, ou ainda uma adoção. Um problema que afeta mais de 3.600.000 pessoas que foram diagnosticadas com câncer.

Na última assembleia a CNEL presidida pelo presidente Tiziano Treu, na presença do Secretário-Geral, Francesco Tufarelliaprovou o Projeto de Lei do Esquecimento do Câncer com o objetivo de remover as barreiras que limitam a liberdade e a igualdade dos sobreviventes de câncer no exercício de seus direitos previstos nos artigos 2º, 3º e 32º da Constituição, nos artigos 7º, 8º, 21º, 35º e 38º da Carta dos Direitos Fundamentais Direitos da União Europeia, do Plano Europeu do Cancro referido na Comunicação da Comissão Europeia ao Parlamento Europeu e ao Conselho COM(2021 ) 44 final) e Artigo 8.º da Convenção para a Proteção dos Direitos Humanos e Liberdades Fundamentais.

A proibição de processamento de dados nos termos do art. 9, n.º 1, do Regulamento (UE) 2016/679 (RGPD), de facto, inclui informação relativa a patologias oncológicas anteriores, quando tenham decorrido dez anos desde o último tratamento ativo da patologia, na ausência de recorrências ou recidivas, ou cinco anos se a patologia começou antes dos vinte e um anos.

“O projeto de lei visa restaurar a vida normal para aqueles que se recuperam do câncer. Com o aumento da esperança de vida das pessoas, aumentam também as suas necessidades, necessidades que devem ser interceptadas pelo Governo e Parlamento, necessidades que devem ser tidas em conta e resolvidas. Até à data, verifica-se que 27% podem considerar-se curados do diagnóstico há mais de dez anos mas continuam com problemas”, especifica o vereador. Francesco Riva, relator do DDL.

Nos últimos dois anos, muitos países europeus aprovaram leis garantindo a ex-pacientes o direito de não serem representados pela doença: a França foi o primeiro país a estabelecer por lei que pessoas com histórico de câncer, dez anos após o término dos tratamentos, ou cinco, para aqueles que tiveram câncer antes de atingir a idade adulta, não são obrigados a informar as seguradoras ou credores sobre sua doença anterior. Depois da França, a Bélgica entrou em cena com uma regra semelhante. No Luxemburgo, ainda que não exista lei, vigora desde 29 de outubro de 2019 um acordo entre o Governo e as seguradoras, na Holanda o “direito ao esquecimento da oncologia” foi aprovado por decreto-lei a 2 de novembro , 2020 e mais recentemente Portugal, com a lei de 18 de novembro de 2021, n. 75, reforçou o acesso a crédito e contratos de seguro para pessoas que superaram ou mitigaram situações de agravamento de risco de saúde ou invalidez, proibindo práticas discriminatórias

A assembleia aprovou ainda um documento dirigido à Assembleia da República e ao Governo sobre 12 dossiers relativos aos temas estratégicos tratados nos documentos produzidos pela CNEL na X conciliação (2018-2023) e um parecer da UE sobre a revisão do semestre União Europeia e o Pacto de Estabilidade e Crescimento.

Henley Maxwells

"Solucionador de problemas. Criador certificado. Guru da música. Beeraholic apaixonado."

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *