Save the Children: “O risco para a saúde das crianças devido às ondas de calor está aumentando” (18/07/2022)

Milhões de crianças em toda a Europa, alertam médicos, correm risco de doenças respiratórias e renais e outros riscos à saúde devido a temperaturas recordes cruzando o continente. salve as criançasa organização internacional que luta há mais de 100 anos para salvar meninos e meninas e garantir-lhes um futuro, acredita que esta avaliação deve ser um alerta para os líderes mundiais agirem com urgência diante da crise climática, para reduzir a exposição dos mineiros às perigosas ondas de calor e proteger as gerações futuras.

Pessoas na França, Espanha e Portugal enfrentaram ondas de calor extremas e incêndios na semana passada que forçaram dezenas de milhares a fugir de suas casas. Mais de 360 ​​pessoas já morreram com o calor em Espanha, onde as temperaturas atingiram 47 graus no final da semana passada. Enquanto isso, no Reino Unido, pela primeira vez na história, o Met Office emitiu um alerta ‘vermelho’ para calor excepcional, já que partes do país devem experimentar temperaturas de 40 graus hoje.

As repercussões da crise climática e ambiental também estão sendo sentidas na frente italiana. Em nosso país, a probabilidade de eventos extremos aumentou 9% em vinte anos e as crianças provavelmente sofrerão muito com os inconvenientes que isso acarreta. O sul da Itália, em particular, com um número de municípios pouco resilientes a fenômenos desse tipo, e as áreas urbanizadas sofrerão fortes impactos negativos das mudanças climáticas, principalmente no que diz respeito a fenômenos extremos como ondas de calor ou precipitação intensa. Já hoje, os centros urbanos estão experimentando temperaturas de 5 a 10°C mais altas do que as das áreas rurais vizinhas. Fato importante se considerarmos que os centros urbanos ocupam mais de 2% da superfície terrestre e que aproximadamente 90% dos recursos produzidos no mundo são consumidos nas cidades.

A crise climática torna esses tipos de eventos climáticos extremos mais frequentes e severos. De acordo com um estudo da Save the Children e da Vrije Universiteit Brussel (VUB) intitulado “Nascido na crise climática”, em média com base nos compromissos iniciais de redução do Acordo de Paris, as crianças nascidas em 2020 enfrentarão um calor escaldante ondas quase sete vezes maiores que seus avós, além de dobrar o número de incêndios devastadores.

De acordo com um estudo da Lancet, quanto mais as crianças são expostas ao calor, maior o risco de doenças respiratórias e renais. febre e desequilíbrio eletrolítico que pode prejudicar uma série de funções essenciais, incluindo funções cardíacas e neurológicas, e causar desidratação grave, exaustão e insolação que, se não tratadas, podem danificar rapidamente o cérebro, coração, rins e músculos, em alguns casos levando morrer.

Manter-se hidratado, fresco e longe do sol pode reduzir o risco de ficar doente. Ao tomar medidas urgentes para limitar o aquecimento das temperaturas a 1,5 graus acima dos níveis pré-industriais, podemos reduzir a exposição adicional das crianças a ondas de calor em 45% e a incêndios em 10%.

“Infelizmente, a realidade dessas ondas de calor não é apenas o aumento do tempo livre no parque ou na praia. Essas altas temperaturas são perigosas para nossa saúde e nossas vidas – especialmente para as crianças, que são mais vulneráveis ​​devido ao seu desenvolvimento físico. e menor capacidade de regular a temperatura corporal”, disse Yolande Wright, Diretora de Clima e Pobreza Infantil da Save the Children. As crianças afetadas pela desigualdade e discriminação, como aquelas de famílias de baixa renda ou comunidades de refugiados, correm maior risco, diz Save the Children, pois são mais propensas a não ter acesso a cuidados de saúde, saúde de qualidade e condições médicas subjacentes ou que estão desnutridos.

Famílias de baixa renda têm menos acesso a casas mais frescas e espaçosas, o que ajuda a protegê-las do calor escaldante, assim como elas não podem comprar ar-condicionado ou ventiladores.

Além disso, ressalta a Organização, os custos crescentes de energia e, de maneira mais geral, de vida estão forçando as famílias a tomar decisões críticas entre usar eletricidade para alimentar ventiladores, geladeiras e freezers, quando precisam, ter e alimentar seus filhos.

À medida que o mundo esquenta – acrescenta Yolande Wright – e não há sinais de ação suficientes para limitar o aquecimento, são as crianças, com toda a vida pela frente, que estão pagando o preço. A crise climática também afeta desproporcionalmente crianças em países de baixa e média renda e comunidades desfavorecidas. No entanto, há esperança: o mundo tem os recursos e as ferramentas para garantir o bem-estar de todas as crianças em um planeta saudável para as próximas gerações. Precisamos que os líderes façam tudo ao seu alcance para limitar o aquecimento das temperaturas a 1,5 graus acima dos níveis pré-industriais e desenvolver planos adequados para ajudar as comunidades a se adaptarem ao nosso novo normal. Sabemos que são necessárias mudanças fundamentais para lidar com a crescente desigualdade e o caos climático. Caso contrário, estaríamos decepcionando nossos filhos. »

Cooper Averille

"Praticante de cerveja incurável. Desbravador total da web. Empreendedor geral. Ninja do álcool sutilmente encantador. Defensor dedicado do twitter."

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.