Seca: o que fazer para combater o problema?

do

A seca envolve danos decorrentes da perda de disponibilidade de água para uso civil, agrícola e industrial, mas também a perda de biodiversidade. O que fazer?

Estamos vivendo em uma época de seca severa, com geleiras morrendo e rios secos. O que podemos fazer para parar este flagelo? Algumas ideias interessantes vêm de Legambiente.

“A urgência da seca e a escassez de água – diz Stefani Cafani, presidente nacional da associação ambientalista – são dois problemas com os quais teremos que conviver. Por isso, é necessário, sobretudo, rever os usos e consumos, visando a redução das retiradas e o uso eficiente. Uma seca prolongada envolve danos diretos decorrentes da perda de disponibilidade de água para usos civis, agrícolas e industriais, mas também a perda de biodiversidade, a queda nos rendimentos das culturas agrícolas e pecuárias e a perda do ‘equilíbrio dos ecossistemas naturais’.

O que fazer contra a seca?

Em particular, para a associação ambientalista, as ações a serem implementadas são: intervenções estruturais para tornar eficiente a operação do ciclo integrado da água, que permitiria, por um lado, reduzir as perdas na rede – e consequentemente reduzir as retiradas – e, por outro, por outro lado poder reutilizar as águas residuais tratadas na agricultura e nos ciclos de produção graças também à separação das redes de esgotos e ao investimento no desenvolvimento de sistemas de purificação inovadores e com técnicas alternativas; incentivos e isenções fiscais na questão da água, como é o caso das medidas de eficiência energética; prever a obrigatoriedade da recuperação das águas pluviais e a instalação de sistemas economizadores de água e a recuperação da permeabilidade nas zonas urbanas através de medidas de flexibilização; utilizar critérios ambientais mínimos na construção para reduzir o desperdício; implantar sistemas de recuperação e reuso de água.

Legambiente, como seu último relatório de 2021 “O clima já mudou”, aponta que as mudanças climáticas também estão acelerando o risco de desertificação em regiões inteiras como Sicília, Abruzzo e Molise. As bacias hidrográficas da ilha tiveram menos 78 milhões de metros cúbicos de água do que em 2020, de acordo com pesquisas do Departamento Regional da Autoridade de Bacias do Distrito da Bacia Hidrográfica da Sicília, marcando o nível mais baixo da década.

Quais são as áreas mais difíceis?

Dados sobre pessoas que vivem em áreas consideradas com escassez de água também são preocupantes. De acordo com os últimos estudos da Comissão Europeia, o número de pessoas que vivem em áreas consideradas sob estresse hídrico por pelo menos um mês por ano pode aumentar dos atuais 52 milhões (11% da população europeia) para 65 milhões em um Cenário de aquecimento de 3°C, o que equivale a 15% da população da UE. A maioria das pessoas expostas ao estresse hídrico vive em países do sul da Europa, incluindo Espanha (22 milhões; 50% da população nacional), Itália (15 milhões; 26%), Grécia (5,4 milhões; 49%) e Portugal (3,9 milhões ; 41%). Todas as populações de Chipre e Malta são consideradas com escassez de água. No Mediterrâneo, o período de estresse hídrico pode ultrapassar 5 meses e durante o verão, a exploração da água pode se aproximar de 100%.

Finalmente, de acordo com o centro Emdat (International Disaster Database), que realiza pesquisas sobre eventos extremos, a Itália foi atingida nos últimos 25 anos por 4 principais eventos relacionados à seca (respectivamente em 1997, 2002, 2012, 2017) que causaram mais de US$ 5 bilhões (US$ 5.297.496.000) em custos (48% devido à crise hídrica de 2017).

Cooper Averille

"Praticante de cerveja incurável. Desbravador total da web. Empreendedor geral. Ninja do álcool sutilmente encantador. Defensor dedicado do twitter."

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.