Senado, Binetti (UdC): “Comerciantes e jogadores penalizados pela confusão entre jogos de azar e dispositivos de entretenimento puro, uma lei-quadro é essencial”

“Há uma necessidade urgente de uma lei-quadro que inclua também a legislação regional, levando-os a recorrer a canais que não têm nada de legal. Muitos operadores do setor do jogo informam que com base na Lei Regional 5/2013, de 28 de agosto, não será possível ter pontos de jogo públicos e legais a menos de 500 metros de “locais sensíveis” (escolas, hospitais, igrejas). Isso envolveria a demissão de um grande número de pessoas, cerca de 6.500 das quais mais de 50% são mulheres, enquanto outras 6.000 pessoas correriam o risco de perder seus empregos devido à queda de renda dos bares e tabacarias onde são empregados ou proprietários. O motivo do despedimento é a prevenção de distúrbios do jogo, mas esta medida não diz respeito em absoluto ao jogo online, onde nos últimos três anos passou de arrecadar 26,3 mil milhões em 2019 para 37,5 mil milhões em 2020 e 54,5 mil milhões em 2021 .Neste território, longe de ser virtual, não há controle e, portanto, nenhuma proteção para jogadores problemáticos; No entanto, há a agravante de que, segundo o Censis, durante a pandemia, quando os estabelecimentos de jogo foram encerrados, houve um boom do jogo ilegal gerido por máfias: o seu volume de negócios em 2019 foi estimado em cerca de 8 mil milhões. Em 2021, chegou a 20 bilhões. Proteger os apostadores de risco, e entre eles, sem dúvida, também os adolescentes e jovens, muitas vezes desempregados, é um fato necessário, diante do qual o legislador não pode fechar os olhos e simplesmente ignorar o problema”. Isso foi apoiado por Paola Binetti, senadora da UDC.

binetti

Frideswide Uggerii

"Extremo nerd do Twitter. Especialista freelancer em cultura pop. Fã de zumbis. Amante de comida. Fanático por música certificado. Jogador."

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.