Serra e Udogie, depois virou Giroud no clássico – Sport

por Ilaria Checchi

A corrida triunfante que levou o Milan ao décimo nono Scudetto de sua história nem sempre cruzou prados ensolarados, mas, ao contrário, muitas vezes teve que enfrentar montanhas íngremes: o júbilo final foi o corolário de uma temporada durante a qual o Diabo lutava contra azar, ele mesmo e um destino nem sempre doce, e por isso a alegria pelo Tricolor recém-conquistado é ainda maior.

O Milan não é o time mais forte, mas é o melhor e prova isso começando com uma derrota no campeonato, somando 9 pontos nas três primeiras rodadas. No entanto, é a Europa que pretende pedir aos rossoneri o preço mais alto desde o início: em setembro, vem a lesão no pulso de Mike Maignan, uma telha inesperada que obriga Tatarusanu a fazer extensões e a gestão a assinar o antigo Mirante da Roma. Ciprian quase sempre cumpre o seu dever e na Série A o Diabo recolhe resultados importantes mas é no dérbi de 7 de novembro que o adjunto Maignan se exalta ao salvar Lautaro Martínez do pênalti de um possível 2-1 Nerazzurri. O mês de dezembro, porém, começa com outra chuva fria: em Marassi, Simon Kjaer sofre uma lesão no ligamento do joelho esquerdo, nocaute que manteve o zagueiro dinamarquês fora de campo durante toda a temporada. Poucos dias depois, o Milan aclamou oficialmente a Liga dos Campeões ao ser derrotado pelo Liverpool no San Siro, mas foi então que surgiu a força do grupo, começando pelo seu mentor: o time era compacto, encontra a motivação certa após um líder indiscutível como Zlatan Ibrahimovic que, apesar das frequentes doenças, é cada vez mais essencial para o equilíbrio do balneário, juntando-se a personalidades jovens, como Leão, Tonali ou Tomori.

O ano novo é marcado pelo agora famoso erro de arbitragem de Serra na derrota em casa para o Spezia, continua com o gol de braço não cancelado em Udogie contra a Udinese e continua em abril com o polêmico pênalti não concedido aos rossoneri por Doveri contra o Turim, mas no caos de algumas escolhas imperfeitas, o Diabo esmaga o jogo e conquista vitórias muito pesadas. A raiva pelo nocaute contra o La Spezia se transforma em três pontos graças aos dois gols extraordinários de Olivier Giroud, com o francês decidindo o grande jogo sozinho em Maradona. No entanto, a primavera traz novos problemas: as lesões diminuem mas também os golos marcados. Kalulu e Bennacer puxam o trem com Empoli e Cagliari e os dois empates sem gols contra Bolonha e Turim disparam o alarme de esterilidade ofensiva.

Só então, para apoiar um Giroud agora espremido pela posse obrigatória devido às longas paragens de Ibra e Rebic, vem Leão: o português é o verdadeiro homem da cobertura no sprint final com Tonali, por golos e assistências. A virada do Olimpico contra a Lazio, quando os 8 rossoneri inventaram o gol de 1 a 2 no final, seguido pelo camisa 17 que derrubou a Fiorentina em casa com um único toque sensacional. O casal dourado decide se reunir em Verona e juntos eles carregam uma espingarda mortal. A sequência é conhecida na história, mas o epílogo que coloriu as margens do Naviglio com os rossoneri é o resultado de uma temporada onde o caráter e a confiança fizeram a diferença.

Cooper Averille

"Praticante de cerveja incurável. Desbravador total da web. Empreendedor geral. Ninja do álcool sutilmente encantador. Defensor dedicado do twitter."

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.