Silvio Berlusconi na convenção Forza Italia em Alexandria, mas apenas por telefone

ALEXANDRIA. Pátria, trabalho, família e lar. Esses foram os temas do telefonema de Silvio Berlusconi para a Convenção Forza Italia. De fato, o presidente, como planejado desde o início da tarde, não veio pessoalmente ao Teatro Alessandrino, mas encerrou os debates com um telefonema acompanhado de um vídeo com suas fotos, do tempo do governo, entre Bush pai e Putin, com outros estadistas da época e depois também os preto e branco de De Gasperi e outros representantes das instituições dos anos 1950 e 1960, certamente não da esquerda.

“Fizemos mais em dez anos de governo do que os outros cinquenta governos que nos precederam e nos seguiram, declarou Berlusconi. Para isso, você deve votar em nós em questões administrativas e políticas”, acrescentou.

“Vote no prefeito de Alexandria, mas com nossos candidatos. Fomos os únicos a não aumentar os impostos habitacionais, investimos no Sul, cortamos o serviço militar e detivemos a invasão de imigrantes ilegais. O que a esquerda não conseguiu fazer.” Em seguida, sobre a coalizão: “Somos a espinha dorsal da centro-direita. Daremos ao país mais trabalho, mais justiça, mais segurança”.

Aplausos. O empresário e político Berlusconi ainda atrai, alguns meninos sentados nas calçadas da via Verdi cantavam o hino da festa. Uma festa, a de Forza Italia, que parecia esgotada – pelo menos aqui em Alessandria – depois da correria dos vereadores, mas que ontem ainda parecia bem de saúde. “Sim, mas havia muita gente de fora”, disseram os vilões, e havia também Roberto Cota, ex-presidente da Região Piemonte, ex-jogador da Liga hoje nas fileiras da Azzurra.

Houve também uma passagem sobre a guerra: “No quadro dramático da guerra na Ucrânia a nível humanitário e económico, é essencial uma Europa unida, consciente dos seus valores, solidamente ligada aos Estados Unidos e ao Ocidente, capaz de adoptar uma política de defesa e tomar as principais decisões estratégicas por maioria e não por unanimidade”.

Antes de “Silvio” – porque para todos os Azzurri é simplesmente Silvio ou o Presidente – o desfile de oradores foi longo, pelo menos 40 coordenados pelo líder regional do partido, o Excelentíssimo Paolo Zangrillo. Lá estavam os administradores, sobretudo Alberto Cirio, presidente da Região, os prefeitos e os coordenadores de Liguria e Valle d’Aosta.

Diante do imutável chefe Berlusconi falou Antonio Tajani, coordenador nacional da Azzurra, recém-eleito vice-presidente do PPE europeu. “Somos a única força capaz de dar uma perspectiva séria, credível e confiável a este país. Em nosso partido houve uma grande mudança: há um pedaço da Itália formado por jovens de trinta e quarenta anos que querem ficar do nosso lado”. Em seguida, o trabalho, tema que quase todos os líderes nacionais abordaram em seus discursos, segundo a senadora Licia Ronzulli: “Suprimir a renda do cidadão pelo menos durante os meses de verão para que os empresários encontrem funcionários.

“Estamos absolutamente convencidos de que sem negócios não há trabalho, não há liberdade, não há dignidade e lutamos todos os dias em todos os lugares para que os empresários possam criar empregos”, ecoou Tajani: “Quando desafiamos o salário mínimo, dizemos que o o único caminho a percorrer é cortar os impostos sobre as sociedades para reduzir a carga fiscal O trabalho é essencial, mas quando a esquerda fala em activos ou em imposto sobre os lucros dos investidores, assusta os investidores e faz com que fujam dos títulos alemães ou da casa em Portugal”.

Cooper Averille

"Praticante de cerveja incurável. Desbravador total da web. Empreendedor geral. Ninja do álcool sutilmente encantador. Defensor dedicado do twitter."

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.