Stephen Eustáquio e a obsessão por estudar futebol

O meio-campista canadense tem a habilidade de não perder a calma, de esperar o momento certo para buscar a verticalização que afeta a defesa adversária

Parece que seu pai Armando era o culpado. Porque depois de cada treino, o homem chamava o filho de lado e repetia sempre as mesmas palavras para ele: “Você tem que estudar o jogo. No dia que você parar de fazer isso, você vai parar de progredir”. Estevão Eustáquio ele a ouviu repetir tantas vezes que acabou fazendo dessa frase um sistema. Até que se torne uma obsessão.

Quando era pequeno, preenchia um caderno após o outro. Ele preenchia aquelas páginas em branco anotando suas falhas, apontando as características de seu jogo que queria melhorar. De vez em quando, quando estava de férias com a família, ele dava um pulo, pegava seu laptop, carregava um vídeo de um jogo de alguns meses atrás. E no silêncio atônito dos vizinhos, ele anuncia: “Estão vendo esta ação? Devia ter feito outra jogada”. Anos depois, essa fixação ganhou contornos de benção. Por quê Eustáquio tornou-se um futebolista de uma inteligência extraordinária, um polivalente que se chama médio por razões de síntese caixa em caixa.

O The Guardian chamou o canadense que “cobre com o número 6, se apresenta como o número 8, mas tem a visão do número 10”. De fato, Stephen foi mencionado de diferentes maneiras durante anos. O Athletic o nomeou como o homem “essencial” para a Copa do Mundo do Canadá. Para o seu treinador John Herdman, ele é ainda “um jogador-chave para ditar o ritmo do jogo”, bem como “a personificação de tudo o que precisamos para fazer crescer o nosso movimento futebolístico”. Hipérboles. Ou talvez não. Eustáquio não só tem técnica acima da média. Acima de tudo, é um médio que sabe ter uma técnica acima da média. Uma consciência que lhe permite não perder a paciência, esperar o momento certo para buscar a verticalização que afeta a defesa adversária. É uma habilidade que ele aprendeu em sua família. No verdadeiro sentido da palavra.

Seus pais são portugueses, mas se mudaram para Ontário, no Canadá, no início dos anos 1990. A ideia é buscar uma vida melhor, mas o chamado da terra deles é muito forte. Depois de dez invernos, eles embarcam em um avião com os filhos Mauro e Stephen, quatro anos mais novos, e voltam para casa. As tardes são intermináveis. E quando Mauro sai para jogar futebol com os amigos, tem que trazer o irmão também. Stephen é tão pequeno que quase se sente intimidado por outras crianças. Pelo menos no sentido futebolístico. “De certo ponto de vista era a chance dele – disse Mauro – todos eram mais fortes e rápidos, então ele teve que aprender a ler o jogo desde cedo”.

Os começos são difíceis. Nazarenos, União Leiria, Torreense, no terceiro set. Depois vem a chamada do Leixões, na Segunda Liga. Sua história é fragmentada. Depois de um ano, voou para Chaves, na elite portuguesa. A equipe do clube diz que ele parece um jogador de futebol saído do Cantera do Barcelona. No entanto, logo após a parábola do meio-campista toma uma trajetória inesperada. O Cruz Azul, no México, nos subúrbios do futebol, quer. Eustáquio reflete e concorda. Seus primórdios oscilam entre o surrealista e o grotesco. Porque contém alegria e dor, mas não em partes iguais. No segundo tempo do jogo contra o Tijuana, foi levantado do banco e enviado a campo. Alguns minutos depois, o menino faz o caminho oposto. O árbitro acaba de passar um cartão vermelho debaixo do nariz. Quando ele está a caminho do vestiário, ele é chamado de volta. Os Var estabeleceram que o amarelo é a punição mais justa. Eustáquio volta a campo novamente, mas logo em seguida cai no chão. Joelho rachado. Isso significa oito meses nas arquibancadas. “Aprendi muito vendo outras pessoas jogarem”, disse ele pouco depois. Em 2019 regressou a Portugal, ao Paços de Ferreira. E depois de duas épocas (e meia) de excelentes níveis surge a chamada do Porto. Enquanto isso, Stephen joga com a seleção portuguesa de sub-21. Com Diogo Jota. Com Bruno Fernandes. Um dia ele recebe um telefonema. É John Herdman, técnico do Canadá. Ele pergunta se ele quer jogar para ele. E ele repete isso em outras 11 ligações. Ao final, Eustáquio aceita: “O Canadá cuidou da nossa família – diz – agora é hora de retribuir”. Curtiu isso a seleção nacional de camisa vermelha encontrou sua nova estrela. Talvez mais difícil de notar do que Alphonso Davies e jonathan davidmas igualmente brilhante.

Cooper Averille

"Praticante de cerveja incurável. Desbravador total da web. Empreendedor geral. Ninja do álcool sutilmente encantador. Defensor dedicado do twitter."

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *