Superbike, análise da ronda do Estoril: subidas e descidas

O intervalo de um mês entre as etapas de Assen e Estoril permitiu que os protagonistas do Campeonato do Mundo de Superbike se preparassem o melhor possível para Portugal. Os dois primeiros encontros da temporada mostraram que este ano são os os detalhes fazem a diferença e para jogar ativamente a vitória que você precisa perca (quase) nadaem um campeonato de nível mais alto de todos os tempos.

Em particular, foram Toprak Razgatlioglu e Yamaha movem-se para melhorar a competitividade: Enquanto a equipe trabalhava no R1, o campeão mundial buscava uma mudança de mentalidade com o apoio de Kenan Sofuoglu. As três corridas portuguesas, no entanto, viram Jonathan Rea e Alvaro Bautista alternarem no degrau mais alto do pódio, com o piloto da Kawasaki a diminuir a diferença na classificação para o piloto da Ducati. Isto e muito mais na análise Up & Down do ciclo do Estoril.

NO TOPO

Jonathan Rea – No fim de semana que o torna o segundo Piloto de Superbike mais longevo com trezentas e cinquenta partidasarquivos da irlanda do norte duas vitórias remediando uma corrida 1 que terminou em uma queda acentuada. Enquanto na Superpole Race foi o erro de Razgatlioglu que (re)abriu as portas do sucesso para ele, à tarde ele realizou uma obra-prima estratégica para colocar Bautista de volta na corrida. Na classificação, seu atraso é reduzido em um ponto, para dezessete. A sua monstruosa pole position, assinada pela descida do recorde em meio segundo, também merece destaque.

Álvaro Bautista – Há dois destaques do fim de semana do espanhol: primeiro o Corrida da vitória 1em que ele fechou uma diferença de três segundos do topo girando em um ritmo louco de 1’36” até duas voltas do final; em segundo, a tenacidade com que na Corrida 2 aumenta o nível de agressividade no combate corpo a corpo, tornando-o difícil de vencer e também tentador a ultrapassar em frenagem. A partida com Rea é basicamente um empate; deve-se dizer também que Alvaro nunca havia pilotado nesta pista com uma Ducati.

Iker Lecuona – Ele não terá repetido o pódio em Assen, claramente obtido em condições de sorte, mas a consistência do jovem piloto Honda merece atenção. Na corrida 1 ele terminou em sexto atrás do companheiro de equipe Xavi Vierge, mas na corrida Superpole ele instalou o pneu intermediário na frente e terminou em quarto. Na Corrida 2 subiu para o sexto lugar: entre Assen e Estoril nunca esteve pior do que esta posição.

Supersport, Aegerter sozinho

Menção honrosa para Dominique Agerter, estrela absoluta da classe Supersport. Depois de demolir o recorde anterior na Superpole, cortando oito décimos e meio do rival mais próximo, o atual campeão mundial venceu facilmente a Corrida 1 sem forçá-la, então na Corrida 2 em slicks no molhado ele conseguiu dar o rasgo à direita Tempo. Para Aegerter, são cinco vitórias (seguidas) em seis corridas: qualquer que seja o final deste campeonato, não vê-lo em Superbike em 2023 seria um escândalo.

BAIXA

Toprak Razgatlioglu – O único objectivo do fim-de-semana era regressar à vitória, reencontrar os bons sentimentos e inverter o rumo de um campeonato do mundo que começou com algumas dificuldades. Ele chega muito perto disso duas vezes: na Corrida 1, o motor e a tração da Ducati de Bautista riem dele até a linha de chegada, enquanto na Corrida da Superpole, ele estraga um sucesso adquirido com o risco de uma queda na última volta. A corrida 2 o vê se aposentar no meio da corrida com um pneu traseiro morto. Os sinais certos chegaram, falta a concretização.

Garrett Gerloff – Nos treinos livres ele mostrou algumas coisas interessantes, marcando o melhor tempo no TL1 e virando com bom ritmo. Infelizmente, o seu Estoril termina com uma queda no TL3 em que sofre uma lesão profunda no joelho esquerdo. Poderia ter sido uma oportunidade de redenção, mas a temporada texana ainda não vai decolar.

Michael Ruben Rinaldi – Para analisar a posição de Michael, não é necessário aproximá-lo de Bautista, um piloto experiente e com um histórico importante. Talvez seja mais útil fazer uma comparação com Andrea Locatelli e Alex Lowes numa comparação entre os segundos pilotos da Ducati, Yamaha e Kawasaki. Se em Aragão era precisamente o Rimini a brilhar, nas duas últimas rodadas ele recebeu o menor e em Portugal, sua contagem é de dois oitavos e um nono. A etapa de Misano deve ser o momento da reviravolta.

Cooper Averille

"Praticante de cerveja incurável. Desbravador total da web. Empreendedor geral. Ninja do álcool sutilmente encantador. Defensor dedicado do twitter."

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.