Também Florence na Rede Europeia de Cidades Livres de Pesticidas

Proibir o uso de agrotóxicos em espaços públicos e ao mesmo tempo promover boas práticas ambientais envolvendo ativamente os cidadãos. Este é o propósito da Rede Europeia de cidades sem agrotóxicos que reúne cerca de setenta municípios de toda a Europa. A última, por ordem cronológica, foi a de Florença, que há muito eliminou o uso de agrotóxicos, mas que “ao aderir à Rede”, declarou Cecilia Del Re, vereadora de meio ambiente do município, “quer trabalhar para conscientização dos espaços verdes privados para proibir seu uso aqui também”.

A ideia do projeto Network vem da Pan Europe. Esta ONG, com sede em Bruxelas, reúne mais de seiscentas organizações e instituições não governamentais presentes em cerca de sessenta países de todo o mundo e está envolvida desde 1982 na luta contra o uso de pesticidas químicos. “Mas foi na Itália, em novembro de 2017, que o projeto foi lançado e logo recebeu muita aprovação”, lembra Fulvia Panza, coordenadora da Rede. “Até hoje, só no nosso país, 56 municípios aderiram à rede. Este é o número mais elevado da Europa. Fazem parte dela, para citar alguns: Florença, Belluno, Varèse, Ragusa, Bolzano, Carmignano (Prato), Occhiobello (Rovigo), Tollo (Chieti). Enquanto a nível europeu”, continua, “existem algumas capitais, como Lisboa (Portugal), Tallin (Estónia) e Zagreb (Croácia)”.

A eliminação do uso de herbicidas e pesticidas químicos em espaços públicos como playgrounds, quadras esportivas, cemitérios, canteiros e calçadas “tem dupla finalidade”, explica Panza: “proteger a saúde dos cidadãos, principalmente das crianças mais expostas, e defender o meio ambiente, proteger a biodiversidade. Um exemplo particularmente virtuoso é o de Carmignano, na província de Prato, que proibiu o uso de todos os pesticidas químicos tanto em espaços verdes como em terras agrícolas, em favor de uma gestão inteiramente voltada para a sustentabilidade ambiental” .

A adesão à Rede obriga as administrações municipais, através da assinatura de um protocolo, a atingir em três anos o objetivo de eliminar o uso de herbicidas e pesticidas nos espaços públicos geridos pelo Município, com a progressiva extensão também aos espaços privados com acesso público e às áreas agrícolas perto de lugares habitados.

“Também pretendemos aumentar a conscientização política em todos os níveis”, lembra Panza. “Ao aderir, de fato, os gestores se comprometem a divulgar os resultados obtidos e a compartilhar experiências, práticas e conhecimentos. Também estamos convencidos de que a adesão à rede europeia pode ter um impacto no turismo”.

De facto, o número de pessoas que escolhem o seu destino de férias tem aumentado recentemente, tendo também em conta o critério da sustentabilidade ambiental. “A este respeito, quero recordar”, continua o coordenador, “a parceria com a Associação das Aldeias Autênticas da Itália que, de acordo com o seu manifesto, atribui grande importância a este aspecto”. Para o próximo outono, a Pesticide Free Cities Network está planejando uma mesa redonda sobre essas questões no Parlamento Europeu

Cooper Averille

"Praticante de cerveja incurável. Desbravador total da web. Empreendedor geral. Ninja do álcool sutilmente encantador. Defensor dedicado do twitter."

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.