Taxas de juros voltam a subir: nuvens escuras sobre a zona do euro

A taxa de juro eles ainda vão crescer. É o que afirma o boletim do Banco Central Europeu, publicado quinta-feira, poucos dias depois do aumento decidido nos últimos dias. O objetivo continua sendo o de conter a inflação, que em agosto atingiu patamares não vistos desde a década de 1980.

“O Conselho do BCE – explica de Bruxelas – irá rever regularmente a trajectória da política monetária à luz das informações mais recentes e da evolução das perspectivas de inflação. abordagem em que essas decisões são definidas de tempos em tempos em cada reunião A guerra prolongada na Ucrânia continua a representar um risco significativo para o crescimento, especialmente se as empresas e as famílias enfrentarem o racionamento do fornecimento de energia”. poderia acontecer.

LEIA TAMBÉM: Os falcões vencem no Conselho do BCE: subida da taxa de 75 pontos

Custos de energia e alimentos estão alimentando a inflação

Nos próximos meses, segundo o BCE, “os custos dos bens energéticos e alimentares poderão manter-se permanentemente mais elevados do que o esperado. Além disso, uma nova deterioração das perspetivas económicas mundiais poderá atuar como um entrave adicional à procura externa na área do euro”. Analistas europeus estão assustados com o risco de uma maior oferta de energia. “Os riscos para o perspectivas de inflação eles são principalmente orientados para cima. Tal como acontece com o crescimento, o principal risco de curto prazo é uma maior interrupção no fornecimento de energia. A médio prazo, a inflação poderá vir a ser superior ao esperado devido a um agravamento persistente da capacidade de produção economia da área do euro, novos aumentos dos preços da energia e dos produtos alimentares, expectativas de inflação superiores ao objetivo do Conselho do BCE ou aumentos salariais superiores ao previsto. No entanto, qualquer queda nos custos de energia ou enfraquecimento da demanda no médio prazo pode reduzir as pressões sobre os preços”, observa ele.

LEIA TAMBÉM: Mais aperto do Fed, taxas de juros sobem 75 pontos base

Estados controlam a dívida pública

“As políticas estruturais devem ter como objetivo aumentar o potencial de crescimento da área do euro e reforçar a sua resiliência – continua o BCE – À medida que os desequilíbrios das finanças públicas continuam a ultrapassar os níveis pré-pandémicos e a inflação é excecional, a política orçamental deve ser cada vez mais seletiva e orientada para evitar a exacerbação pressões inflacionárias no médio prazo, garantindo a sustentabilidade das finanças públicas no médio prazo”.

De acordo com as previsões do Instituto de Frankfurt (excluindo a zona euro), o PIB mensal deverá aumentar 2,9% em 2022, 3,0 em 2023 e 3,4 em 2024.

“Estas perspetivas – lembra o BCE – são mais fracas do que as descritas nas projeções macroeconómicas formuladas pelos especialistas do Eurosistema em junho passado e implicam que, este ano e no próximo, a economia mundial deverá crescer ligeiramente abaixo da sua média de longo prazo. . , na presença de um abrandamento da atividade nas economias avançadas e emergentes.

LEIA TAMBÉM: O BCE está pronto para mais aperto monetário

Os preços muito elevados da energia estão a reduzir o poder de compra dos rendimentos das famílias e, embora estejam a diminuir, os estrangulamentos do lado da oferta continuam a travar a atividade económica. Além disso, a situação geopolítica desfavorável, em particular a agressão injustificada da Ucrânia pela Rússia, tem repercussões na confiança das empresas e dos consumidores. Essa perspectiva se reflete nas últimas projeções feitas por especialistas para o crescimento econômico, que foram revisadas para baixo acentuadamente para o resto deste ano e ao longo de 2023. Atualmente, os especialistas esperam que a economia cresça 3,1% em 2022, 0,9% em 2023 e 1,9 em 2024.

Aumento de taxa e escudo de propagação funcionou

Verificou-se que as alterações nos spreads das taxas de rendibilidade das obrigações de dívida pública individuais de 9 de junho a 7 de setembro foram ligeiramente diferentes entre os países: por exemplo, em Itália e Portugal houve uma diminuição de 10 e 29 pontos base, respetivamente, do spread ao longo de dez anos. , enquanto o do Bund alemão perdeu mais 14 pontos base. Ao mesmo tempo, os diferenciais italianos mostraram uma tendência volátil com o agravamento da crise política interna, ainda que com repercussões limitadas sobre as de outros países. O BCE sublinha isto no seu boletim.

Beowulf Presleye

"Extremo fanático por mídia social. Desbravador incurável do twitter. Ninja do café. Defensor do bacon do mal."

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.