Trinta anos após a morte de Perlasca, a homenagem de Anassilaos

Em 15 de agosto de 1992, exatamente trinta anos atrás, faleceu Giorgio Perlasca, cujo nome permanece ligado ao resgate de vários milhares de judeus húngaros. Um aniversário que não poderia ter passado em silêncio, apesar do período festivo, e que a Associação Cultural Anassilaos pretende retomar nos próximos meses com a entrega, a 18 de novembro, do Prémio Anassilaos para a Promoção Humana da Actividade Humana e promoção social na Fundação que leva seu nome.

“Um homem que passou por todas as contradições de um século difícil – escreve Fabio Arichetta, diretor do Centro de Estudos Históricos de Anassilaos – caracterizado por atrocidades indescritíveis e pela tragédia do Holocausto, Giorgio Perlasca demonstrou por sua ação e correndo o risco de vida como é possível rebelar-se, com coragem e determinação, contra a barbárie simplesmente defendendo os valores humanos”.

Nasceu em Como em 31 de janeiro de 1910. Na década de 1920, aderiu ao fascismo e partiu como voluntário, primeiro para a guerra na África Oriental e depois para o conflito na Espanha, onde lutou em um regimento de artilharia ao lado dos franquistas. No final da Guerra Civil Espanhola, ele retornou à Itália, mas sua adesão ao fascismo entrou em crise. Devido à aliança com a Alemanha nazista e às leis raciais que entraram em vigor em 1938, ele se distanciou do regime. Após a eclosão da Segunda Guerra Mundial, ele estava encarregado de assuntos com status de diplomata nos países do Oriente. Em 8 de setembro de 1943, dia do armistício, ele estava em Budapeste e, sentindo-se obrigado pelo juramento de lealdade ao rei, recusou-se a ingressar na República Social Italiana.

Ele foi, portanto, internado por alguns meses, com outros diplomatas, em um centro de detenção do qual ele deveria fugir. Em outubro de 1944, o governo húngaro foi tomado pela Cruz Flechada, ou seja, os nazistas húngaros, que lançaram uma série de programas anti-semitas contra judeus húngaros deportados ou mortos. Neste clima de terror e perseguição, Perlasca encontra refúgio na Embaixada de Espanha.

Declara-se cidadão espanhol com passaporte regular em nome de Jorge Perlasca e passa a colaborar com o embaixador espanhol Sanz Briz, que trabalha com diplomatas de estados neutros (Suécia, Suíça, Portugal, Cidade do Vaticano) na emissão de segurança para proteger Húngaros de religião judaica. Quando o embaixador espanhol sai de Budapeste e da Hungria e o governo húngaro se prepara para fechar as casas protegidas que abrigavam os judeus, Giorgio Perlasca assume a autoridade que realmente não tem e intervém para suspender as operações de evacuação e invasão.

Proclama-se representante diplomático espanhol e apresenta as suas credenciais ao Ministério dos Negócios Estrangeiros húngaro, que os acolhe sem reservas. Como diplomata da Embaixada da Espanha, ele organiza a proteção e resgate de milhares de húngaros de religião judaica que são colocados em “casas protegidas”.

Todos os dias, ele emite um salvo-conduto que diz o seguinte: “Os parentes espanhóis solicitaram sua presença na Espanha; Até que as comunicações sejam restabelecidas e a viagem seja possível, você permanecerá aqui sob a proteção do governo espanhol. »

Esses salvo-condutos são emitidos com base em uma lei de 1924, solicitada por Miguel Primo de Rivera, que reconhecia a cidadania espanhola para todos os judeus de ascendência sefardita (de origem espanhola antiga, expulsos em massa pela rainha Isabel, a Católica) encontrados em todos os lugares. do mundo. Esta lei permite que Perlasca resgate 5.218 judeus húngaros. Ele voltou para a Itália no final da guerra e levou uma vida reservada. O silêncio é interrompido pelo anúncio de que a comunidade judaica de Budapeste busca notícias do diplomata espanhol Perlasca.

Os depoimentos dos sobreviventes chegam assim à mídia. A extraordinária figura de Giorgio Perlasca emerge do anonimato e torna-se pública. O Estado de Israel o nomeia “Justo entre as Nações” e com este título ele pede para ser enterrado no município de Maserà (Pádua). Se para Adolf Eichmann Annah Arendt foi capaz de forjar a agora famosa expressão “A Banalidade do Mal”, Perlasca se adequa bem a “A Banalidade do Bem”. “Eu vi – ela disse – pessoas serem mortas e eu simplesmente não podia suportar isso. Eu tive a chance de fazer isso, e fiz isso. Qualquer um no meu lugar teria se comportado como eu. Porque ela não teria feito o mesma coisa.”

Leigh Everille

"Analista. Criador hardcore. Estudioso de café. Praticante de viagens. Especialista em TV incurável. Aspirante a fanático por música."

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.