“Tudo pode acontecer mas estamos confiantes” – OA Sport

Sábado, 25 de junho, a cortina subirá nos Jogos do Mediterrâneo 2022, evento em que a Itália pode se sair bem em várias frentes. Grandes ambições no ciclismo, cujas provas serão contestadas em 30 de junho (cronômetro) e o 2 de julho (compras online).

O comissário técnico da equipe masculina, Marino Amadori, e da equipe feminina, Paolo Sangalli, eles forneceram considerações interessantes sobre a abordagem da revisão nas palavras coletadas pelo Federação Italiana de Ciclismo.

“Estaremos competindo com uma formação madura, onde há caras que podem se exibir – Amadori começa – Infelizmente registramos a deserção de Puppio que será substituído por Mattia Pinazzi. Quanto ao grupo, é uma equipa agressiva onde todos estão adaptados ao percurso e estamos abertos a várias soluções. Vamos ver como nos movimentar para trazer um bom resultado para casa”.

“Teremos que percorrer 147 km em uma linha bastante plana, já que a diferença de altitude é de cerca de 150 m. As incógnitas? Certamente o calor e o vento.” Sobre os adversários: “Haverá os habituais franceses e eslovenos que, juntamente com Portugal, são as nações líderes. Com a abertura para a Elite ainda é incompreendido porque há pilotos fortes, nem sempre presentes a nível internacional”.

Ciclismo, Marta Cavalli: “Quero emocionar no Giro d’Italia. Muitos azuis fortes: somos rivais e amigos”

Sangalli está otimista: “A rota não deve trazer grandes surpresas com um percurso montanhoso de 80 km sem ganho significativo de elevação. As escolhas foram condicionadas pela concomitância com o Giro d’Italia feminino, razão pela qual estamos trazendo um grupo um pouco menor para a Argélia, mas admito que surgiu uma seleção de alto nível que me satisfaz muito. Uma bela mistura de experiência e jovens atletas, uma equipe completa. Tudo pode acontecer, mas estamos confiantes.”

Foto: Lapresse

Elite Boss

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.