Ucrânia. Um em cada dois europeus quer uma paz rápida

Um em cada dois cidadãos europeus (48%) é a favor de ceder parte da Ucrânia à Rússia para acabar com a guerra o mais rápido possível. Um em cada três (32%) acha que o sacrifício não é aceitável, mesmo que leve a um acordo de paz. Este é o principal resultado de uma pesquisa realizada pela Euroskopia em nove países da União Europeia: Portugal, Áustria, Holanda, Polónia, Espanha, França, Alemanha, Itália e Grécia.

Um em cada dois europeus por uma paz rápida

O país onde os cidadãos são mais favoráveis ​​a um fim rápido do conflito é a Áustria (64%), seguida da Alemanha (60%). A hipótese também é aceita pela maioria dos gregos (54%), enquanto na Itália e na Espanha é favorecida por um em cada dois entrevistados (50%). A Holanda (27%), a Polónia (28%) e Portugal (41%) mantêm-se fortemente contra a ideia de que a Ucrânia tenha de perder parte do seu território para chegar a um acordo.

Ao mesmo tempo, a maioria dos cidadãos europeus é a favor do apoio armado à Ucrânia (56%). O envio de armas para Kyiv não encontra apoio majoritário em apenas dois países: Alemanha, onde 60% dos entrevistados se opõem, apesar de ser o país que mais enviou ajuda ao governo de Volodymyr Zelensky, e Itália, onde 50% dos entrevistados são contra.

Sim às sanções contra a Rússia (mas não na Itália)

Os cidadãos europeus, segundo a pesquisa, continuam a favor da imposição de sanções à Rússia (51,8%). Os países onde o consenso mais está caindo são Grécia (29,2), Áustria (38,1) e Itália (38,1).

No que diz respeito à possibilidade de voltar a fazer negócios com a Rússia, nomeadamente no que diz respeito à compra de gás, uma vez terminada a guerra, os países mais favoráveis ​​são a Grécia (63,6%), Áustria (51,9%), Alemanha (42,3%). ) e novamente a Itália (40,8). Em média, apenas 35,1% dos cidadãos europeus são a favor.

O massacre desnecessário na Ucrânia

O inquérito parece refletir os receios dos cidadãos da União Europeia face à evolução do conflito e da economia. De acordo com o último relatório do Gabinete do Alto Comissariado das Nações Unidas para os Direitos Humanos, 7.031 civis já perderam a vida na Ucrânia desde o início da invasão, uma estimativa conservadora dado que é impossível contar as vítimas. a maioria dos confrontos estão ocorrendo. ocorrer de forma violenta. De acordo com o governo de Kyiv, no entanto, as baixas civis podem chegar a dezenas de milhares. As autoridades americanas, por exemplo, falam de 40.000 vítimas civis.

Somam-se a isso as perdas de homens empregados em combate. A Rússia afirma ter sofrido apenas 5.937 baixas, mas mais de 100.000 soldados russos foram mortos ou feridos de acordo com os Estados Unidos. O mesmo vale para o exército ucraniano.

UMA abate desnecessário que deve parar o mais rápido possível, mas que pode durar muito tempo ainda, visto que a Rússia não tem intenção de parar e que a Ucrânia, entendemos, não quer ceder partes de seu território em Moscou. A capacidade da Rússia e dos países da OTAN de se rearmar rapidamente após um ano de guerra feroz ter esgotado ambos os estoques será agora decisiva para o resultado do conflito.

@LeoneGrotti

Foto Ansa

Leigh Everille

"Analista. Criador hardcore. Estudioso de café. Praticante de viagens. Especialista em TV incurável. Aspirante a fanático por música."

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *