Últimas notícias da Ucrânia. Moscou: Navios estrangeiros podem deixar Mariupol. EUA: isenção de títulos expirará, Rússia se aproxima do default

“Tenho vergonha”, diz assessor russo na ONU

“Nunca tive tanta vergonha do meu país.” Por vinte anos, Boris Bondarev trabalhou para a diplomacia russa. E ele diz que viu muito. Mas agora ele decidiu que não aguenta mais. Porque, ele escreveu em um comunicado de imprensa anunciando sua renúncia ao cargo de conselheiro da missão russa nas Nações Unidas em Genebra, que ocupava desde 2019, “a guerra de agressão desencadeada por Putin contra a Ucrânia e, de fato, contra a Ucrânia. “. No mundo ocidental, isso não é apenas um crime contra o povo ucraniano, mas também um crime, talvez ainda mais grave, contra o povo russo”. Uma invasão, acusou ele, decidida por um grupo governante “que só quer uma coisa, ficar no poder para sempre”.

“A razão” da sua demissão, disse o diplomata, “é que desaprovo profundamente o que o meu governo vem fazendo e vem fazendo desde fevereiro, e não quero mais ser associado” às suas ações. Mas essa posição, ele admitiu à BBC, permanece, por enquanto, em minoria. “Acho que a maioria das pessoas segue a propaganda e o que seus superiores lhes dizem. Quando você trabalha no ministério, você trabalha dentro de uma hierarquia, então você deve obedecer ao que seus superiores lhe dizem. E por muitos anos – disse ele – qualquer abordagem crítica foi cancelada”.

Bondarev é a deserção ao mais alto nível da diplomacia de Moscou desde o início do conflito. Uma escolha que abre uma brecha no muro de granito da narrativa russa sobre o conflito e corre o risco de lhe custar caro. “Acho que já me consideram um traidor”, explicou. “Lamento admitir que durante todos estes vinte anos, o nível de mentira e a falta de profissionalismo no trabalho do Ministério das Relações Exteriores não pararam de aumentar”, denunciou o diplomata então, segundo o qual “clichês da propaganda em o espírito dos jornais soviéticos se espalhou a partir da década de 1930” e “o ministro Lavrov é um bom exemplo dessa tendência”.

Uma imagem de Boris Bondarev, conselheiro da missão russa nas Nações Unidas em Genebra, que renunciou ao cargo para denunciar a invasão da Ucrânia. (do Facebook)

Cooper Averille

"Praticante de cerveja incurável. Desbravador total da web. Empreendedor geral. Ninja do álcool sutilmente encantador. Defensor dedicado do twitter."

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.