“Vamos caminhar juntos rumo a Lisboa 2023”

Carta de Monsenhor Delpini em vista da Jornada Mundial da Juventude, que se celebra a nível diocesano a 20 de novembro e que se projeta no encontro internacional em Portugal no próximo mês de agosto



O Santo Padre convidou os jovens a responderem ao alegre anúncio do encontro em Lisboa, em 2023, por ocasião da XXXVII Jornada Mundial da Juventude, segundo o tema da Mensagem (leia aqui) com a qual se celebrará a JMJ nas Igrejas particulares no domingo 20 de novembro de 2022 e internacionalmente em Lisboa de 1 a 6 de agosto de 2023.

“Há um anúncio, uma promessa, um objetivo”, escreve o Arcebispo, Dom Mario Delpini. O Arcebispo já tinha querido que os jovens fossem a Lisboa, confiando-lhes “a tarefa de atravessar a Europa para celebrar a exaltação, responder à sua vocação, assumir a sua vida como missão” no caso do lançamento do curso missionário diocesano proposto no parque da Piazza Vetra, na noite de 1º de outubro, intitulado “Rumo à JMJ 2023. Levante-se! E #ViviPerDono”(leia aqui). Agora volta a convidá-los, com a carta que escreveu e dedicou aos jovens ambrosianos, a “responder ao anúncio que os convence a ter a graça de gerar o futuro da Igreja na Europa”. Uma carta imprimível, em versão paginada (leia aqui) e no indicado abaixo, e entregue a cada jovem, durante os encontros preparatórios, ou pendurado no oratório, ou dado nas missas a serem animadas com os jovens no território diocesano, na etapa especial de novembro. 20 a celebrar em cada Igreja particular (veja o material oferecido aqui).

A cruz da JMJ com a bandeira de Portugal

Os jovens são chamados a inspirar-se na figura de Maria: “Levanta-te para ires depressa e partilhar a alegria”, porque, continua o Arcebispo na sua carta aos jovens ambrosianos, “o caminho começa agora”! Todos os jovens estão convidados: as comunidades podem acompanhá-los a viver esta experiência universal da Igreja, tão significativa, preparando-se, segundo as sugestões e materiais oferecidos pelo Serviço Juvenil e pela Universidade, para um encontro que pode representar um novo começo, subindo: para o Outro, Deus, e para os outros, irmãos e irmãs. E “toda a Igreja diocesana – assegura o arcebispo aos jovens a caminho de Lisboa – caminha connosco”: é “uma juventude que caminha junto”, para fazer da fraternidade “um quotidiano possível e desejável”.

A carta

Caro,
Convido-vos a vir a Lisboa no verão de 2023, para participar na JMJ 2023. O Papa Francisco convidou-nos, irei para lá. Convido-vos a partir: como grupo de jovens já organizados, como grupo de jovens que se formam precisamente porque aceitam o convite, como amigos que se encorajam, como indivíduos que aderem à proposta diocesana fascinados pela promessa de novos conhecidos e amizades, todos confiantes de que somos chamados por uma promessa que não nos decepcionará.

A jornada para a JMJ em Lisboa (1 a 6 de agosto de 2023) começa para nós porque há um anúncio, uma promessa, um objetivo.
Maria se levantou e saiu rapidamente... não por curiosidade, não por desejo de fuga, mas porque no diálogo com o anjo da Anunciação ela se convenceu de que tinha a graça de engendrar o Salvador, o futuro do mundo, Jesus.

Os jovens a caminho de Lisboa respondem ao anúncio que os convence de que têm a graça de gerar o futuro da Igreja na Europa. Sem ingenuidade, mas com orgulho, sem julgar nem o passado nem o presente, mas intolerante com um embotamento de reclamações e resignação. A Palavra que vem de Deus nos foi anunciada pelo Papa Francisco e convida os jovens a se levantarem e irem depressa para compartilhar a alegria, cantar as maravilhas do Senhor, inventar caminhos de serviço à esperança dos povos.

Até os jovens podem ser contagiados pelo cinza, por uma espécie de reticência patológica, por um olhar para o futuro pintado como uma ameaça.
Eles se recuperarão do contágio porque acolherão o anúncio, o convite, a exaltação de reconhecer que o Senhor os valoriza e conta com os jovens para rejuvenescer a Europa e a Igreja em nossa terra abençoada.

O caminho para a JMJ em Lisboa é um caminho de irmãos e irmãs, de jovens caminhando juntos.
Mesmo aqueles que partem sozinhos, mesmo aqueles que se organizam com poucos amigos, são todos chamados a encontrar-se, a conhecer-se, a partilhar experiências, a receber com gratidão a revelação das obras de Deus.

De fato, o Espírito de Deus atua em nossa história com a leveza e a liberdade que alimentam histórias simples e maravilhosas, impulsos generosos, projetos ousados, amores promissores. Um desejo de nos tornarmos adultos, de realizar a nossa vocação, de nos inspirarmos na fé de outros que falam outras línguas e trazem feridas e esperança a outros povos. A fraternidade, que terá momentos “mágicos” nos encontros e celebrações em Lisboa, revela-se um quotidiano possível e desejável nos contextos da vida habitual, nos ambientes “debaixo da casa”, nos grupos a que pertencem , em compromissos “fora do local”.

Juntos marchamos para Lisboa para intensificar a prática diária da oração comum, partilha de estudo, diálogo, serviço, compromisso com a cultura, política, desafiando o declínio e o desespero.

A viagem à JMJ em Lisboa não será sem esforço, sem despesa, sem incerteza.
A viagem começa agora, com um itinerário de oração, reflexão, estudo de temas, purificação de expectativas e intenções.
A jornada começa agora também como tempo de economizar, de imaginar como compartilhar recursos com aqueles que estão mais em dificuldade, de se esforçar para arrecadar os fundos necessários.
A viagem à JMJ em Lisboa é uma experiência de Igreja. Toda a Igreja Diocesana caminha conosco enquanto nos levantamos e vamos rapidamente onde o Senhor tem uma palavra especial para nós.

por Monsenhor Mario Delpini
Arcebispo de Milão

Beowulf Presleye

"Extremo fanático por mídia social. Desbravador incurável do twitter. Ninja do café. Defensor do bacon do mal."

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *