“Venda fictícia de ouro para fraudar o fisco”, pesquisa também em Arezzo

Os negócios da Lecce srl se viram na mira de guarda financeiro eles se voltaram para a compra e venda de ouro. E parte do metal precioso teria chegado às empresas de Arezzo, por meio de uma sede localizada no centro da cidade. Ele está localizado na região de Saione e também ali, como em outros lugares em cinco províncias italianas, teriam sido feitas buscas. Segundo consta – as investigações foram realizadas pela Guardia di Finanza da cidade de Salento – nenhuma situação particularmente grave surgiu na região de Aretino. Na verdade, porém, a empresa já estava há bastante tempo na cidade e também estava enraizada no território, tanto que ostentava em seu site o título de revendedor oficial de alianças de uma famosa marca Arezzo.
A operação Yellow Flames, com investigações conduzidas de 2020 até o presente, resultou em oito ordens de prisão, incluindo uma prisão, seis prisões domiciliares e uma interdição.
Mas de que são acusados ​​os oito suspeitos? Os delitos são os de associação criminosa, emissão e utilização de notas fiscais para operações inexistentes, lavagem de dinheiro, autolavagem, sonegação fiscal e falência fraudulenta. A srl, com sede em Racale, na província de Lecce, de fato exerce “comércio de ouro, metais preciosos e ouro de investimento” e seu proprietário está registrado na lista apropriada do Banco da Itália. A empresa tem pontos de representação em Arezzo, Catanzaro, Roma e Marcianise.
Os investigadores têm rastreado os movimentos dos suspeitos por mais de três anos. Ao cruzar os dados e realizar verificações precisas, as bandeiras amarelas teriam revelado um complexo “extenso sistema de evasão fiscal dentro e fora da UE (Portugal, República Tcheca, Romênia, Eslováquia, Eslovênia, Hungria, Grã-Bretanha, Albânia, Austrália e Suíça)”. recorreram a várias empresas de “papel” com escritórios no estrangeiro para as quais enviaram transferências para pagamento de faturas de vendas consideradas inexistentes mas “adequadas para simular a compra de lotes de ouro no estrangeiro”, explicam os investigadores. milhares de euros em numerário de contas no estrangeiro, que foram posteriormente reintroduzidos “no território nacional”, valores que foram parcialmente utilizados para outras “transações financeiras entre estrangeiros, fazendo com que percam toda a rastreabilidade”.
Mas qual era o propósito? Os investigadores dizem que foi sonegação de impostos. Tanto que, eventualmente, até a sede da empresa seria transferida para a Bulgária. Os suspeitos, aparentemente para impedir que as autoridades fiscais italianas recuperassem os impostos não pagos, teriam se livrado “fictíciamente do patrimônio da empresa – destinado a uma situação de instabilidade irreversível e depois falida – transferindo-os para outra empresa ativa no mesmo setor e atribuível de facto à própria governança”.

Leigh Everille

"Analista. Criador hardcore. Estudioso de café. Praticante de viagens. Especialista em TV incurável. Aspirante a fanático por música."

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *