Vitara Híbrido 140 V, Suzuki lança nova tecnologia. Mobilidade elétrica em distâncias curtas graças às baterias de titanato de lítio

PISA. Se para muitos motoristas as diferentes versões do híbrido permanecem um mistério, para os fabricantes essa tecnologia em constante evolução tornou-se um desafio de ponta. Quem está lançando hoje a Suzuki – a marca exclusivamente híbrida que tem todos os tipos de híbridos na linha – é muito interessante com seu Vitara 140 V. Um meio-termo inteligente entre o híbrido leve e o híbrido completo que atua mais próximo, permitindo mobilidade de emissão zero em distâncias curtas. A oferta do icônico SUV japonês (3,8 milhões de unidades vendidas em todo o mundo, 125 mil na Itália) que já incluía a versão leve de 48 volts associada ao 1.4 BoosterJet, agora oferece o 140 V Hybrid com um novo motor 1.5 DualJet, um novo Ags automatizado caixa de velocidades e um novo sistema híbrido com gerador de 24,6 kW e bateria de tração de titanato de lítio de 140 V para maior eficiência. De fato, permite a passagem mais rápida de elétrons em comparação com um ânodo revestido de carbono, otimizando os ciclos de descarga e recarga e sua duração ao longo do tempo. A taxa de compressão do motor (13:1) é alcançada com um ciclo Atkinson. A potência total é de 102 Hp, que aumenta para 115 em combinação com o motor-gerador elétrico.

A arquitetura é estudada também para manter o funcionamento do sistema de acionamento 4WD AllGrip (oferecido como opção) inalterado. O módulo híbrido integra a bateria composta por 56 células de 2,5V para uma capacidade total de 840Wh, a unidade de controle, o inversor para converter a tensão CC em trifásica para alimentar o motor do gerador, bem como o sistema de refrigeração a ar.

O módulo não penaliza a habitabilidade, extraordinário para um carro de apenas 4,18 metros de comprimento, nem a capacidade de carga que varia de 302 a 710 litros. A bateria principal alimenta o motor-gerador conectado através do redutor a um eixo paralelo ao eixo primário da caixa de engrenagens, para fornecer tração tanto independentemente quanto em combinação com o motor de combustão interna. Fornece até 24,6 kW com um torque equivalente a 152,7 Nm. Ao frear ou desacelerar, atua como um gerador para recarregar a bateria de 140 V. Esta é ladeada por duas outras baterias, uma de 12 V no compartimento do motor e uma de 12 Bateria de lítio V sob o banco do condutor: permite a gestão do Arranque-Alternador Integrado que funciona como motor de arranque e alternador, bem como abastecer os sistemas de bordo ao parar ou conduzir em modo elétrico. O câmbio robótico Ags é apreciável por sua entrega linear, com resposta rápida ao esforço, principalmente no modo esportivo que permite diversão mesmo usando as patilhas no volante.

Mas como isso funciona o sistema híbrido de 140 V na prática? Verificamos isso durante o teste de estrada na Toscana, em um percurso misto enriquecido com uma exigente seção off-road. Na partida e na ré, o sistema movimenta o Vitara com acionamento elétrico somente através do motor-gerador até 80 km/h e no máximo 4,5 km. Durante a aceleração, o motor elétrico dá lugar ao motor de combustão interna quando a velocidade é suficiente para garantir a eficiência, e também intervém no apoio durante as trocas de marcha e quando é solicitado um “boost” de potência. Neste caso, o motor elétrico e a combustão atuam em simbiose.

Para otimizar o consumo, ao novo sistema híbrido de 140 V é adicionada a função Eco Mode (selecionável a partir do botão no painel) que limita os “excessos”, favorecendo ao máximo a propulsão elétrica. A comprovada tecnologia 4×4 Allgrip oferece quatro modos para viagens off-road: Auto, Sport, Snow e Lock para enfrentar qualquer tipo de caminho também graças ao Hill Descent Control que ajusta automaticamente a velocidade em descidas íngremes.

O Vitara Híbrido 140 V tem apenas uma configuração, a mais rica chamada Starview (devido ao teto solar) que tem tudo de série e custa 30.400 euros na versão com tração dianteira e 32.900 na versão integral. Até ao final de março, a oferta introdutória com câmbio e breakage baixa o preçário para 27.900 euros, um preço decididamente competitivo. De fato, o SUV compacto Suzuki possui um conjunto extraordinário de tecnologias também na área de segurança, com todas as Adas imagináveis ​​para a condução semi-autônoma de nível 2: do controle de cruzeiro adaptativo à frenagem automática, incluindo o monitoramento do estado de atenção do motorista e todas as Pontos cegos. Vitara, disponível em 14 cores, incluindo 7 bicolores, também oferece faróis full LED e luzes traseiras LED com efeito 3D.

Cooper Averille

"Praticante de cerveja incurável. Desbravador total da web. Empreendedor geral. Ninja do álcool sutilmente encantador. Defensor dedicado do twitter."

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.