Zaccagni e Luis Alberto nos escudos, Leao e Giroud impalpáveis

O jogo que fecha o jogo de ida desta temporada de Series A, pela partitura e não só, assume conotações de noite histórica. Na verdade, representa atualmente o ápice da experiência de Sarri dirigir o Lácioe sublinha ainda mais o reino assustador de um Milão que no meio da temporada parece ter chegado a um ponto sem volta. O topo do ranking está cada vez mais distante, com o Nápoles que parece correr apenas sobre si mesmo, enquanto os perseguidores Capitólio veio a poucos passos de distância (tanto eu biancocelesti que a Roma está apenas um ponto atrás da equipe de Estacas).

LATIUM NEWSLETTER

Prova de 6: suficiência política como espectador não pagante do desafio. Ele lida com alguns mergulhos fáceis apenas com conclusões desesperadas.

Marúsico 7: Não estou contente por ter amordaçado o Léo, vai para o internato por ocasião do 2-0, o posto a negar-lhe a alegria pessoal. Um pistão simplesmente inesgotável. (desde 78′ Lazzari sv: entra quando o jogo não tem mais nada a dizer, junta-se ao júbilo Azul e branco)

Fazenda 6.5: se Giroud não faz exatamente de tudo para colocá-lo em dificuldades, consegue mais uma atuação extremamente convincente da sua temporada, sem nunca se meter em dificuldades.

Romagnola 6.5: o primeiro cruzamento com a sua antiga equipa termina da melhor forma para o camisola 13, que aos 28 parece ter finalmente atingido a sua plena maturidade técnica e competitiva.

Hysay 7: embora esta seja apenas sua quinta participação como titular no campeonato, o lateral albanês se destacou em várias ocasiões; senso de posição, espírito de competição, concentração e, para não perder nada, a recuperação que levará à ação que levará ao pênalti por 3 a 0.

Milinkovic-Savic 7.5: dá o pontapé inicial com seu quarto gol no campeonato e começa um espetáculo de pura tirania em praticamente todas as áreas do campo. Jogadores como ele, na Série A, dificilmente se contam nos dedos de uma mão. (desde 83′ básico sv)

Cataldi 6.5: sempre lúcido e preciso em suas escolhas, também não deixa de exibir várias soluções balísticas extremamente refinadas. Alguns duetos na grama com seus companheiros exaltam o exigente público doOlímpico. (desde 87′ Marcos Antonio sv)

Luís Alberto 8: com Sarri no banco, ele nunca havia se expressado nesses níveis antes, e que pena eu acrescentaria. Simplesmente majestoso, desde o véu com que permite que Milinkovic trespasse Tatarusanu à assistência de Felipe Anderson para o 4-0. No meio, um pênalti confiante e uma quantidade indefinível de jogo como um verdadeiro Mágico.

Pedro 7: com o passar dos minutos, o motor do espanhol aumentava rapidamente as rotações, encontrando-se com uma continuidade cada vez maior nas entrelinhas Rossoneri, com sua imensa classe para fazer o resto. Entra na ação que leva à dobradinha, e não satisfeito obtém o pênalti então convertido pelo seu compatriota. Vê-lo amaldiçoar a alma mesmo na defesa quase faz você esquecer que em alguns meses ele fará 36 anos. (desde 78′ Romero)

Filipe Anderson 7.5: o objetivo do pôquer é apenas a cereja no topo do bolo de um grande desempenho, uma mistura empolgante de inteligência tática e imprevisibilidade carioca. Com um Felipe assim, até a ausência de um totem como o Imóvel é bem menos assustadora.

Zacagni 8: confirma-se como um dos homens mais aptos não só da equipa Branco e azul, mas de todo o campeonato, entrando no placar de uma vez assistente A respeito marcador. o Gap = Vão com a Calábria é óbvio, e se apresenta de forma implacável cada vez que o ex-Verona consegue apontar no 1vs1.

Rebanho Sarri 8: falar sobre sarrimo agora é nojento, mas os mecanismos perfeitamente codificados que seu Lazio mostra esta noite inevitavelmente se referem a essa definição. O duelo com Pioli foi vencido por nocaute técnico.

BOLETIM DE MILÃO

Tatarusanu 4.5: o homem mais na mira dos torcedores do Milan parece incapaz de virar a maré. Especialmente no chute de Marusic, que leva ao tap-in vitorioso de Zaccagni, ele tem muitas responsabilidades.

Calábria 4.5: com um luxo extra Zaccagni o capitão do Diabo tem talvez a tarefa mais ingrata de todas. Perpetuamente em dificuldade na defesa, não mostra muito no meio-campo adversário.

Kalulu 5: como em Lecce, está completamente louco de raiva, e após ser desviado por Felipe Anderson para o primeiro gol, escorrega desajeitadamente em Pedro causando o pênalti que fecha definitivamente a partida. O Milan precisa dele como poucos.

Tomori 5.5: Após a péssima exibição da última quarta-feira, um período completamente esquecível continua para o zagueiro inglês, que não respondeu à ação que levou ao gol de Milinkovic. Como se não bastasse, ele foi forçado a desistir da competição prematuramente devido a um problema físico. (a partir de 24′ Kjaer 5: esfriado com a lesão de Tomori, destaca-se com uma excelente intervenção sobre Zaccagni ainda na primeira parte, mas inevitavelmente acaba por sucumbir com os seus companheiros)

Destino 5: no início talvez seja o jogador do AC Milan quem melhor enfrenta a partida, mas aos poucos ele afunda no naufrágio geral de sua equipe. Na ação do gol de Zaccagni Marusic está completamente perdido, que desliza atrás dele.

Tom 5: quem só contra a Lazio no ano passado deu uma peça significativa do Scudetto ao Milan hoje é extremamente impreciso, e além do habitual garra oferece pouco ou nada.

Bennacer 5.5: A principal fonte de jogo de Pioli é constantemente dominada por seus próprios vizinhos de camisa Azul e branco, e, apesar de seus esforços, quase nunca consegue acender a luz. O bobo cartão amarelo recebido pelo argelino, que o fará perder o próximo jogo do campeonato, capta melhor do que qualquer outra coisa o momento de total apneia dos atuais campeões italianos.

Messias 5: jogo incolor, ele só consegue pular Hysaj uma vez, mas fora isso não consegue quase nada. E o fantasma de Zaniolo cada vez mais se aproxima… (a partir dos 59′ Saelemaekers 5: não afeta, com a equipa já mentalmente a caminho da derrota).

Diaz 5: se excluirmos uma ação solitária no primeiro tempo, seu desempenho confirma uma impressão agora generalizada: o Milan carece de um craque com real regularidade. (desde 59′ Do Ketelaere 5.5: ele também assume, já que o Milan está agora muito à deriva, e esperar algo do belga nesta partida é puro sadismo).

Leão 4.5: o MVP do último campeonato joga com uma apatia incrível dada a importância do jogo, e fica difícil perceber se é o português que sofre com a prerrogativa geral do Milan ou a equipa que está a ofegar na ausência das invenções dos seus campeão. (desde 79′ Rebic sv)

Giroud 4.5: seus companheiros não o procuram muito, mas na verdade ele faz muito pouco para estar pronto. Perpetuamente impedido, o atacante francês parece ter sofrido mais do que todo o cansaço acumulado durante a Copa do Mundo, e a falta de peças de reposição adequadas impõe um trabalho que parece espremê-lo por completo jogo após jogo. (desde 59′ Origens 5: certamente não poderia ter sido o jogo dele, embora ainda resta saber o que poderia ter sido, dada a contribuição quase zero que o belga ofereceu à causa do Diabo até agora).

Anexo Pioli 4: simplesmente um dos piores jogos de toda a sua gestão. O Milan visto no mês passado parece não ter recursos técnicos e mentais para defender o título conquistado no ano passado, e numa tempestade de dimensões bíblicas, parece ter perdido completamente o controle da situação.

Beowulf Presleye

"Extremo fanático por mídia social. Desbravador incurável do twitter. Ninja do café. Defensor do bacon do mal."

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *