Colômbia, incêndio na prisão de Tuluá: 52 presos mortos. Gustavo Petro: “Repensando a política judicial”

Uma tentativa de fuga se transformou em uma real Tragédia na prisão de Tuluádentro Colômbia a oeste da capital Bogotá. UMA Incêndioque eclodiu durante um motim desencadeado por alguns detentos, levou à morte de 52 presos e 30 feridos, agora hospitalizados. Foi aberta uma investigação sobre isso, como afirmou o general à frente da agência penitenciária do país, Tito Castellanos, que explicou como o fogo começou depois que os presos incendiaram colchões para evitar que os guardas parassem um protesto. “Solidariedade com as famílias das vítimas”, disse no Twitter o presidente colombiano Iván Duque, atualmente em Portugal, acrescentando que “deu instruções” para realizar a investigação a fim de lançar luz “sobre esta terrível situação”. . .

“O Estado colombiano pensou na prisão como um lugar de vingança e não de reabilitação” escreve o presidente eleito Gustavo Petro e acrescenta que o que aconteceu em Tuluá “requer um repensar completo da política prisional para que a dignidade do preso seja colocada no centro“. De fato, todos sabem que as prisões colombianas têm um sério problema de superlotação. Segundo dados oficiais, há 81.000 lugares, mas as pessoas presentes são cerca de 97.000. Só o presídio de Tuluá tem 1.267 detentos e a ala onde o fogo começou abrigava 180.. De acordo com os vídeos e imagens dramáticos que eles transmitiram durante essas horas, também nas redes sociais colombianas e na mídia nacional, os familiares dos presos podem ser vistos do lado de fora esperando notícias de seus entes queridos. Até agora, apenas 17 das 51 vítimas foram identificadasde acordo com o que foi comunicado pela administração penitenciária.

Cooper Averille

"Praticante de cerveja incurável. Desbravador total da web. Empreendedor geral. Ninja do álcool sutilmente encantador. Defensor dedicado do twitter."

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.