Em Portugal, os socialistas ganham sempre

A esquerda socialista do primeiro-ministro português António Costa vence, mas a esquerda socialista não triunfa. Nas eleições políticas de domingo, o Partido Socialista conquistou 36,65% dos votos e continua sendo a principal força política do país, mas não alcança a maioria absoluta e terá que buscar aliados para governar nos próximos quatro anos. Não é um feito impossível, já que Costa governa muito bem desde 2015 com um governo minoritário. O Partido Social Democrata (que em Portugal significa um partido de centro-direita) pára nos 27,9%.

Os atuais aliados do governo dos Socialistas, o Bloco de Esquerda e a Coalizão de Comunistas e Verdes (CDU), obtêm respectivamente 9,67% (18 cadeiras) e 6,41% (10 cadeiras). A entrada no Parlamento de um deputado do partido anti-sistema de direita Chega (Basta) é uma novidade.

O número de abstenção é impressionante. Com uma participação de 54,5%, atingiu o nível mais baixo para eleições parlamentares desde que Portugal saiu da ditadura de direita em 1974.

Costa, 58, ex-prefeito de Lisboa, está determinado a permanecer no comando do país. “Governarei com todas as condições que os portugueses me derem para governar”, disse na véspera da votação. Hoje diz: “Podemos tirar duas conclusões políticas. A primeira é que Portugal quer um novo partido socialista capaz de governar de forma permanente. A segunda é que os portugueses gostaram da solução anterior. Os portugueses gostaram muito dela apreciada e pretendem prosseguir esta Fórmula”.

Nos últimos anos, Costa tem sido apreciado por sua política econômica, na qual tem sido muito hábil em manter as contas em ordem, ao mesmo tempo em que consegue estimular o crescimento, acima da média de outros países da União Européia. As exportações estão indo bem e o turismo está crescendo. No ano passado, o número de turistas que visitaram Portugal ultrapassou o dos seus habitantes (10 milhões e 254 mil).

Graças a um regime fiscal muito favorável, qualidade de vida e baixos custos, Portugal também atraiu nos últimos anos dezenas de milhares de reformados de toda a Europa, incluindo muitos italianos. Além disso, a reputação internacional de Portugal, berço do Secretário-Geral da ONU, cresceu significativamente. António Guterrese o Presidente do Eurogrupo (o grupo coordenador dos ministros das finanças da zona euro), Mário Centeno.

Cooper Averille

"Praticante de cerveja incurável. Desbravador total da web. Empreendedor geral. Ninja do álcool sutilmente encantador. Defensor dedicado do twitter."

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.