Entre Espanha e Portugal há uma “guerra da água”

Depois de garantir que aplicaria a Convenção de Albufeira (um acordo que regula os caudais dos principais rios ibéricos assinado entre Espanha e Portugal em 1998 e que entrou em vigor em 2000), o governo espanhol voltou atrás, bloqueando o abastecimento de água que, de acordo com as disposições do acordo, deve ser concluído até 30 de setembro.

Nos últimos dias, milhares de agricultores das províncias de León, Zamora e Salamanca, na região do rio que os espanhóis chamam Duero e do Douro português, protestaram contra a obrigação de reabertura das barragens. E o Ministério da Transição Ecológica de Madrid já deu a ordem de fechá-los, admitindo que o respeito por Albufeira pode ser prejudicado pelas difíceis condições em que se encontra a agricultura espanhola, posta à prova pela forte seca deste ano.

Uma seca que certamente não foi menos severa do outro lado da fronteira. E a atual batalha do Douro, no norte da Península Ibérica, poderá em breve passar também para as águas do Tejo, o rio que corta a península e desagua em Lisboa. O plano que o governo Sánchez deverá aprovar em cerca de um mês prevê uma redução de 40% nos fluxos para fazer face à escassez de recursos. O jornal espanhol El Mundona segunda-feira passada, ele falou de uma verdadeira “guerra da água”.

Harlan Ware

"Aficionado por zumbis que gosta de hipster. Explorador típico. Defensor da cultura pop. Nerd de mídia social."

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *