Milan bate à esquerda

Leão e Theo Hernandez se juntaram aos rossoneri no verão de 2019. Certamente eram jogadores talentosos na época, mas levantaram mais de uma dúvida. Este ano foram dois dos protagonistas do campeonato

No verão escaldante de 2019, um reserva do Real Madrid desembarcou no Milan, que havia vagado por empréstimo a maior parte de sua carreira e um menino de Portugal, com uma marcha pendurada e roupas de Travis Scott, que tinha apenas uma temporada como ator coadjuvante no Lille. . O primeiro foi Theo HernandezO segundo Rafael Leão: juntos, formaram a ala esquerda do Milan campeão da Itália: Theao, somando, em dois, dezesseis gols e quinze assistências.

A dupla franco-portuguesa é a prova de que não basta gastar muito dinheiro para ganhar. Às vezes, com ideias, paciência e acima de tudo habilidade, é possível compensar recursos limitados.

A história de Theo e Leão no AC Milan teve trajetórias diferentes. O primeiro, com mais de dois anos, já em sua primeira temporada em Milão, mostrou sua enorme capacidade técnica e acima de tudo atlética. O segundo entrou em hibernação por cerca de dois anos, alternando jogos em que se lembrava de Henry (veja o primeiro derby do ano passado), com outros em que se parecia com o mais modesto Niang. Então este ano ele decidiu que era hora de ser decisivo.

Theo Hernandez terminou sua primeira temporada com os rossoneri com seis gols e duas assistências, mostrando sua força excessiva já em um amistoso de verão contra o Bayern de Munique, que, no entanto, o levou a lesionar o tornozelo e, assim, atrasar sua estreia na liga. A primeira presença como dono do time francês só aconteceu em 26 de setembro de 2019, durante uma viagem a Turim perdida pelos rossoneri. Desde aquele jogo, no entanto, Theo se tornou insubstituível em um Milan – sempre acostumado a ter laterais fenomenais como Maldini, Tassotti, Cafù, Serginho – que nos últimos anos teve dificuldades para encontrar jogadores à altura da tarefa. A simpatia dos torcedores rossoneri por Theo começou quase imediatamente. No entanto, ele só se tornou um dos ídolos do time em 19 de janeiro de 2020, dia de uma partida contra a Udinese vencida audaciosamente pelo Milan, um sucesso reconciliado por uma bola de fogo, vinda de fora da superfície, do integral francês. costas. Ele retribui o carinho com dólares, gols e assistências – o francês é o único zagueiro nas 5 principais ligas da Europa a somar pelo menos 5 gols e 5 assistências nas últimas duas temporadas – aos quais acrescentou neste ano uma atenção defensiva constante (o Milan terminou o campeonato com a melhor defesa) o que o torna o melhor lateral da Série A. E com poucos iguais na Europa. A operação que levou Theo Hernandez aos rossoneri, comandada pelo próprio Paolo Maldini, custou aos cofres do clube 20 milhões, o francês agora vale pelo menos 50. A perícia foi acertada.

Outra história se aplica a Leão, que chegou a Milão muito jovem em agosto de 2019 (acabado de completar 20 anos) e permaneceu um objeto misterioso por algum tempo. Qualidades prodigiosas, tanto técnicas quanto físicas, escondidas por um véu de indolência, para muitos até preguiça. O talento de Leão, porém, já pôde ser vislumbrado no primeiro gol com a camisa rossonera. Em uma partida Milan-Fiorentina em 29 de setembro de 2019, com a equipe rossonera então treinada por Giampaolo e embaralhada pela viola de um possuído Frank Ribéry. Em 0-3 entre Leão, que marca o gol da bandeira com um fantástico drible duplo que estende toda a defesa do anfitrião. A partir daí, porém, os portugueses tiveram seus altos e baixos. As estatísticas do ano passado confirmam isso (6 gols e 6 assistências em 30 jogos), tanto que Leão também perdeu a posição de titular no final da temporada passada. Então aconteceu algo na cabeça dos portugueses, aquele interruptor mentalidade que muitos fãs exigiam dele (alguns com vigor desproporcional, pois queriam que ele fosse uma vítima sacrificial no lugar do Hauge da Noruega neste verão). Ficou difícil marcar com o passar dos noventa minutos. Suas incursões de bola e corrente colocam as defesas adversárias em sérios apuros, completamente à mercê de um jogador tão dominante física e tecnicamente. Nos últimos seis jogos do campeonato, todos vencidos pelo AC Milan, o português marcou três golos e deu seis assistências (ontem fez três numa parte). Graças a ele, também, Pioli foi capaz de resolver os problemas de ataque que retardavam os rossoneri. Para selar a grande temporada de Leão, também chegou o prêmio de melhor jogador da liga. Voltemos, mais uma vez, à competência: a compra do Leão ao Lille custou ao Milan 28 milhões de euros, hoje vale cerca de oitenta.

A síntese perfeita do percurso da equipa de Pioli nos ombros, sobretudo, da dupla franco-portuguesa, é o jogo de uma semana atrás, em casa com a Atalanta. Partida vencida pelo Milan, que significou a etapa decisiva para o Scudetto. Leão abriu a partida com uma progressão lancinante no arremesso direto de Messias, depois Theo fechou a partida com o melhor gol da temporada: uma bola de progressão de 95 jardas com os adversários pulando como pinos e puxado para cruzar o que era Musso. incapaz de intervir.

O Milan tem o quarto salário na Série A, Maldini e Massara conseguiram suavizar a diferença de orçamento. Leão e Hernandez são dois exemplos, não os únicos, do excelente trabalho realizado pela dupla de dirigentes do Milan por Elliott.

Cooper Averille

"Praticante de cerveja incurável. Desbravador total da web. Empreendedor geral. Ninja do álcool sutilmente encantador. Defensor dedicado do twitter."

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.