“Modena scouting em níveis A” – Esporte

por Alessandro Troncone

Não é para todo mundo poder, duas vezes na vida, transformar sua paixão em profissão. Antes de se tornar um dos maiores especialistas e um dos mais importantes observadores italianos, Aldo Pecini formou-se em literatura e foi professor. Ensinar era uma vocação, o futebol a mãe das paixões que lhe permitiram florescer em todos os sentidos. Começou em Florença em 92, depois Bolonha, Chievo, Lazio, Inter, Turim, Parma, Zenit, Manchester City, Juventus e Nápoles, até Modena, onde é líder escoteiro há um ano.

Pecini, como foi sua chegada?

“Vaira entrou em contato comigo para pedir disponibilidade, ouvi o projeto e já gostei muito, nunca fiz questão de categoria, o importante é poder se expressar. Depois de conhecer o Rivets, não consegui t recusar. visionários, para o que é meu trabalho, pensar no futuro é importante”.

Os resultados do seu primeiro ano de trabalho aqui?

“Trabalhamos duro e vimos quase mil partidas. Estamos muito estruturados em termos de olheiros, muitas vezes até na Serie A, não encontrei essa organização. Cobrimos toda a Itália e vou para o exterior de vez em quando. Pessoas funcionam bem comigo e humanamente relevantes”.

Encontrou novos talentos?

“Vimos algumas coisas interessantes. Mesmo a partir de 2004, 2005… com o objetivo de construir um futuro principalmente italiano, a propriedade está nos segurando. Há nomes em nosso banco de dados.”

Sua melhor descoberta?

“Na hora, digo Julio Cesar. Mancini pediu-me para lhe arranjar um guarda-redes, fui vê-lo 2 ou 3 vezes, soube pelos jornais portugueses que ele estava prestes a ir para o Chelsea ou para o Porto, o seu contrato era prestes a expirar e então liguei para Mancini para dizer a ele que deveríamos tê-lo levado imediatamente, mesmo ele não pensou duas vezes.”

Ela também tentou trazer Henry para a Fiorentina…

“Eu o vi no Campeonato da Europa de 1996, como vi muitos outros campeões como Trezeguet, Anelka… não foi tão difícil notá-los. Mas você tem que estar em campo para procurar bons jogadores”.

A experiência que mais te enriqueceu?

“Senti-me à vontade em todos os lugares, sejam equipas de alto nível ou não equipas de alto nível, por exemplo no Chievo, paradoxalmente trabalhei melhor. As experiências no exterior trouxeram-me muito, no Zenit e no City. Nota-se uma forma diferente de ver as coisas.”

Neste futebol, Carlo Rivetti, em qual personagem você pensa?

“Ele é único. Gostaria de compará-lo ao presidente da Sampdoria Mantovani, vejo esse aspecto humano, esse querer constituir família como prioridade além dos investimentos. Você acha que quando o conheci, depois da minha entrevista? com Vaira e o CEO Matteo Rivetti, não quis falar sobre o contrato e apenas apertou minha mão, foi meu primeiro contrato assinado com um aperto de mão.

Como você escolhe um jovem jogador para Modena?

“Não há imagem composta. Você pode escolher tanto aqueles que voltam de uma experiência importante como Bonfanti, quanto aqueles que podem ter sido formados em categorias inferiores como Giovannini”.

Você ainda tem um sonho?

“Estou feliz assim. Modena me devolveu o entusiasmo. É um lugar grande que não tem nada a ver com C”.

Cooper Averille

"Praticante de cerveja incurável. Desbravador total da web. Empreendedor geral. Ninja do álcool sutilmente encantador. Defensor dedicado do twitter."

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.